Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Basmati Bismi

Basmati Bismi

Distribuidor de arroz basmati da marca Bismi junto à caixa da sua camioneta.

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Os hawker centres são uma espécie de instituição singapurense. Nós sentíamo-nos oficialmente desesperados perante a abundância de stands interiores geminados em diversas filas e com as suas especialidades e menus dispostos de forma similar.

A fome apertava mas limitávamo-nos a dar mais voltas àquela zona aromática do Teka Mall. Com isso, só alimentávamos a enorme indecisão, tornada ainda mais ridícula pelos acenares e apelos simultâneos dos empregados de balcão dos estabelecimentos mais próximos: “Venham cá, experimentem as minhas especialidades! Vão adorar!” ou “É da minha comida que andam à procura, tenho a certeza absoluta!” Singapura é das nações mais ordeiras à face da Terra, que não subsistam dúvidas mas estes lojistas tinham que fazer pela vida e a visão de dois forasteiros a tentar decidir-se era mais forte que os mais descomplexados.

Acabámos por ceder ao chamamento de um deles, de etnia malaia. Aproximámo-nos da sua montra e desatámos um rol de perguntas sobre no que consistia ou continha isto ou aquilo. Esclarecidos, acabámos por pedir um nasi goreng (arroz frito com pedacinhos de carne e vegetais) e uma grande mee soto (uma sopa de noodles rica e bastante picante). Quando a comida estava pronta, a senhora serviu-nos sem grandes sorrisos na mesa em que nos tínhamos acomodado. Demorámos uma eternidade a partilhar os dois pratos, muito por culpa da potência da sopa para que não estávamos preparados. Em seguida, ainda experimentámos uma taça de chendol e celebrámos ao constatar o quanto se assemelhava às sobremesas halo halo que tínhamos devorado vezes sem conta nas Filipinas, feitas de leite de coco, farinha de arroz, gelatina, açúcar de palma e, como acontecia com o chendol que tínhamos pela frente, frequentemente reforçado com feijão vermelho.

Mais que satisfeitos, ocorreu-nos que aquela sim, era uma verdadeira praça de alimentação. Não que Singapura não as tivesse também em grande quantidade dentro dos seus incontáveis centros comerciais em pouco ou nada diferentes dos que temos por cá. Já uma área coberta, enorme como aquela, com centenas de mini-restaurantes lado e lado, agrupados por grupos étnicos, para evitar ao máximo rixas e confusões, a servir de tudo um pouco, isso não estávamos habituados a ver.

Hawker centres como o Teka e outras dezenas espalhados pela ilha não servem só para refeições de hora de almoço durante a semana. Até mesmo quando os singapurenses jantam fora em grupo, os preferem aos restaurantes convencionais. Aproveitam, assim, a sua conveniência, os preços muito mais baixos e a diversidade de oferta sem fim que tanto nos deixara baralhados.

Singapura sempre foi um porto fulcral da Ásia servido por uma população em grande parte proveniente de outras paragens. Ao longo dos tempos, as culinárias dos nativos malaios e a do maior grupo étnico da ilha, o chinês, misturaram-se entre si e com as dos grupos étnicos indianos – com destaque para o Tamil -, a Peranakan de descendentes de chineses há muito instalados em Penang, Malaca, na Indonésia e na própria Singapura.

O tempero étnico não se ficou por aí. A fusão genética dos portugueses que dominaram durante dois séculos o mercado das especiarias e continuaram a habitar Malaca e Singapura com os nativos, ingleses, holandeses, chineses e indianos deu origem ao grupo kristang. A sua culinária, goza, também ela, de grande prestígio.

Como era de esperar, além de um sem número de ingredientes e pratos provindos de todos aqueles lugares bem como suas variantes, surgiram ainda, na ilha, muitas outras receitas hoje consideradas híbridas ou multiculturais.

Bastaria passarmos do mundo localizado mas delicioso e revigorante dos Hawker centres para o do prestígio internacional para constatarmos a popularidade da gastronomia singapurense.

Em 2011, a CNN resolveu levar a cabo uma eleição online das “50 Comidas Mais Deliciosas do Mundo”. Quatro das mais votadas foram pratos idolatrados em Singapura: Arroz de Frango de Hainan, o Chili de Caranguejo, Laksa (sopa de noodles Perakanan) e os Roti Prata, habitualmente servidos com caril de carne ou vegetais e que podem ser cozinhados com queijo, cebola, banana, feijão, chocolate, cogumelos, ovos ou outros.

Ingredientes como estes são conseguidos em distintos mercados convenientemente contíguos aos hawker centres. Existem os de carne, de peixe, de vegetais etc etc, em que vários donos de restaurantes mantêm outros negócios e em que todos se abastecem.

Depois daquela refeição e de outras em lugares similares, quase nunca resistimos a deambularmos pelos seus corredores confusos, entre donas de casa embrulhadas em saris, sob hijabs ou em vestidos ocidentais e modernos, atendidas por talhantes, peixeiros e outros comerciantes entregues de corpo e alma aos ofícios. Grande parte das suas compras são dedicadas a refeições caseiras já quase seculares por vezes partilhadas por grupos de diferentes religiões, neste caso, com atenção às restrições de cada um: o porco no caso dos muçulmanos, vaca para os hindus, pratos preferencialmente de aves ou vegetarianos se ambos estiverem sentados à mesa.

Noutro dia qualquer, passeávamos pelo bairro de Little Índia quando demos com a estranha cena de dezenas de singapurenses indianos numa esplanada quase todos de lassis na mão a assistirem ao que parecia um clássico de Bollywood. Curiosos, sentámo-nos, pedimos duas e ficámos a acompanhar os derradeiros momentos da barulhenta longa-metragem. No fim, demos connosco a tagarelar com um sikh de postura altiva e discurso contagiante. Falámos-lhe do fenómeno das lassis e acabámos por nos envolver num longo debate a três que meteu o sistema político singapurense e a verdadeira importância das etnias indianas no país. Mas também passou obviamente pela comida. 

“Vocês são o quê, já agora? Católicos, protestantes? Não são nada? Ah, OK, pronto, são desses free thinkers sem deus ou deuses, já percebi. Bom, de qualquer maneira, têm que entender que aqui em Singapura, as coisas já funcionam assim há muito tempo”, procurou elucidar-nos Singh, cada vez mais entusiasmado pelo interesse que demonstrávamos e pela profundidade que a conversa assumia. “Nós coexistimos com as nossas etnias e religiões mas a rivalidade entre os grupos étnicos mantém-se. Uma das formas de evitarmos que a nossa identidade se suma na dos outros ou, pior, simplesmente na ocidental é respeitarmos as tradições. Aquelas lassis e a gastronomia em geral têm um papel incontornável em Singapura. Basta ter algum dinheiro para uma família de cá atravessar a ilha toda para chegar a um restaurante com comida de que gostem muito, seja a que hora for. Aliás, até é frequente singapurenses emigrados regressarem mais cedo do que pensavam do estrangeiro só por sentirem falta dos seus pratos favoritos.” 

A dissertação continuou. Deixou-nos convencidos e mais atentos ao assunto. Nos últimos dias de visita, quando explorávamos a zona da Marina Bay, na foz do rio Singapura, não pudemos deixar de reparar que até a arquitectura da Esplanade Theatres on The Bay, o principal centro de artes do país, é declaradamente inspirada no durião, o mal-cheiroso fruto nacional que as autoridades tiveram que proibir na rede de transportes públicos.

Guias: Singapura+