Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Vista de outros tempos

Vista de outros tempos

Fachada amarelada pelo sol poente de um dos muitos edifícios disseminados pelos arredores de Hampi.

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Nunca nos chega a parecer menos vasta a extremidade afunilada do subcontinente. Nem as terras interiores do estado de Karnataka porque nos aventuramos, depois de termos já tocado o limiar meridional em bico da Índia.

As viagens, intermináveis e desconfortáveis, continuavam a desgastar-nos a condizer. Quase seis horas de Ooty para Mysore. Três horas de Mysore para Bangalore. Nove horas e meia, mais uma vez ferroviárias de Bangalore para Hozeit. Meia-hora de rickshaw daqui para Hampi, o destino que perseguíamos e a que chegamos em óbvio sofrimento gástrico, depois de uma refeição descuidada de tempuras numa das estações de comboio caóticas por que tínhamos transitado.

Nos 30 minutos derradeiros do percurso, o cenário foi-se tornando mágico à medida que o triciclo mal motorizado agonizava pelas terras rochosas de Vijayanagar. Estamos no pino do Verão indiano, se assim lhe podemos chamar. O céu sempre azul nada atenuava o calor abrasivo reflectido de volta para cima pelo solo de pedra.

Mowgli, o rapaz feral do Livro da Selva pouco tinha que ver com estas paragens inóspitas. Mesmo assim, a pousada barata que tínhamos escolhido para nos hospedarmos fora baptizada em sua honra.  Ansiávamos o aconchego do duche e da cama como a criança de Rudyard Kipling desejava o ventre felpudo da mãe-loba Racsha.

O rickshaw passa por entre os templos altivos do centro real de Hampi e só se detém perante o caudal lodacento do rio Tungabhadra. “Bom, eu tenho que ficar por aqui” atalha o condutor munido da força das evidências. “Agora, vocês têm que atravessar naqueles barcos”.

Indagamo-nos se devido ao cansaço, se ao mal-estar, por mais que examinássemos a zona ribeirinha, falhávamos em avistar qualquer embarcação. O motorista não desistiu. “Estão, ali, mais abaixo. Avancem um pouco e já vêem”.

Mesmo algo desconfiados, assim fazemos. Só na iminência da beira-rio inferior encontramos, por fim, uma frota de cascas de nozes gigantes, coracles, assim lhe chamavam os barqueiros ávidos por facturarem com os recém-chegados passageiros.

Como qualquer estreante a bordo de tais barcaças, estranhamos o embarque bamboleante e ainda mais a navegação pouco ou nada hidrodinâmica que prolonga a travessia. Protegido do sol por uma jilaba e turbante, ambos brancos, que contrastavam com a pele da face torrada, o barqueiro rema de um lado ao outro sem dizer palavra e sempre com ar de poucos amigos. Não tardaríamos a descobrir que nos tinha cobrado o triplo da tarifa, sem dano digno de registo, já que o preço tabelado era de algumas dezenas irrelevantes de rupias.

Pouco depois, damos entrada na guest-house Mowgli que se desvenda dispersa por várias cabanas entre coqueiros frondosos, espécies de palhotas sobredimensionadas  e com a decoração e o apetrechamento esperado por qualquer viajante descontraído.

Descansamos e tentamos recuperar da catástrofe alimentar a que nos tínhamos sujeitado no dia anterior mas a indisposição só se agravava. Nessa noite que entretanto caiu, em vez de paz e descanso, somos prendados com a descoberta arrepiante de que a guest-house estava completamente lotada de mochileiros israelitas.

De diversas voltas pela Terra, conhecíamos bem a sua fama algo soberba e egoísta tanto para com nativos como para outros viajantes. Também o quanto a sua presença nos iria muito provavelmente afectar. A confirmá-lo, a rave não tardou a começar. Para nosso desespero, durou quase toda a madrugada.  

Por forma a compensarmos os prejuízos causados pelo ribombar psicadélico e pela gritaria, dormimos pela manhã fora. Ao deixarmos pela primeira vez o acolhimento agridoce da Mowgli, assola-nos a certeza que estão uns 45º. Nem esse forno nos demove de alugarmos bicicletas e nos fazermos à grande Hampi.

Voltamos a cruzar o rio, numa outra barcaça e já pela tabela. Do lado de lá, circulamos pelo centro sagrado de Hampi Bazaar, entre os enormes templos piramidais hindus e jainistas em que os sucessivos regentes do império Vijayanagar veneraram Shiva, Vishnu e outros deuses.

De 1343 a 1565, foi este um dos impérios mais poderosos do Mundo. Assim o testemunharam o aventureiro português Domingo Paes e o mercador de cavalos Fernão Nunes. É forte a probabilidade de que ambos se fartaram de tentar pronunciar correctamente a sua denominação, até que lhe passaram a chamar Bisnaga para contornar a chatice. Narraram em “Chronica dos Reis de Bisnaga” o fulgor civilizacional e o poderio do estado que, por essa altura, dominava grande parte do tráfico de especiarias do subcontinente e do oceano Índico ao largo e que se tornou o principal parceiro do Império Português no sul asiático.

Aos olhos de Domingos Paes, por volta de 1520, Vijayanagar prosperava a olhos vistos, financiada pela venda intensa das especiarias e pedras preciosas. Era comparável a Roma, rodeada de vegetação bem irrigada por aquedutos que traziam a água de lagos artificiais.

Hoje, pode faltar a Hampi Bazaar – o principal reduto comercial - a grandiosidade de outros tempos mas os vendedores envidam todos os esforços diplomáticos para se tornarem e à cidade mais prósperos.

A Sara aproveita. Consciente de que estamos a aproximar-nos do fim do périplo indiano, compra finalmente as calças garridas em tecido fino com que sonhava desde que as tinha visto em Goa. “Não tenho a sua medida em todas as cores.”, comunica a mercadora com desgosto. “Mas posso costurá-las e vêm buscar amanhã”. Assim fizemos e assim voltámos a renovar as relações comerciais indo-portuguesas tão prolíficas nos tempos áureos que antecederam Hampi. 

Logo após, circundamos os templos de Virupaksha e de de Vittala em que também entramos para admirar as incontáveis colunas trabalhadas, as pinturas e esculturas minuciosas e a gloriosa arquitectura hindu no seu todo.

Ainda e sempre em hiperventilação devido ao braseiro que se faz sentir em todo o estado de Karnataka, exploramos os velhos estábulos dos elefantes, os banhos da rainha e inúmeros outros edifícios e templos amarelados pelo passar dos séculos.

Ingressamos na estrada que atravessa o bairro islâmico de volta ao rio e em direcção à colina de Anjenadri de onde esperávamos obter uma vista bem panorâmica do conjunto. Mas, a determinada altura, nativos e visitantes indianos com que nos cruzamos acenam e gritam para não avançarmos mais, para regressarmos ao centro. “Há bandidos lá mais para cima!”, grita-nos uma senhora com postura brâmane. “Andam com espingardas e tudo!”

Estávamos conscientes de que até mesmo a pátria-mãe do misticismo e da espiritualidade tinha, de quando em quando, destas aberrações.

De acordo, invertemos marcha para paragens mais seguras, nas imediações do Tungabhadra. Ali, damos com um braço de rio estendido entre encostas repletas de pedregulhos. Depressa percebemos a  multifuncionalidade do charco profundo. Enquanto por lá repousámos, vários búfalos refrescavam-se quase submersos, como um miúdo que mergulhava repetidamente a partir de uma sua mini-coracle. Ao mesmo tempo, um casal de nativos com idade avançada pescava à rede, e jovens mulheres enroladas em saris folclóricos lavavam outras peças de roupa tão ou mais exuberantes.

Continuámos a dar ao pedal pela tarde fora. E, quanto mais apreciávamos de Hampi mais nos encantava constatar que, quase meio século depois da capitulação de Vijayanagar, a vida proliferava entre as ruínas deslumbrantes de Bisnaga.

Guias: Índia+