Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Ao fim da tarde

Ao fim da tarde

Pescadores a bordo dos seus dhows ao largo da costa norte da Cidade de Pedra.

Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Ao nosso lado, durante as mais de três horas de aperto no chapa vindo de Nampula, uma jovem mãe moçambicana com óbvia genética indiana conversa com a pequena filha e atura-lhe as birras. Fala-lhe sempre de forma altiva, bem audível aos restantes passageiros e com um delicioso sotaque pós-colonial que nos é mais perceptível que o de muitos portugas.

Quando chegamos ao fim dos 4km da ponte estreita que liga o continente à Ilha de Moçambique e da viagem extensa e desgastante a partir da Gorongosa, essa passageira exuberante explica ao motorista onde fica o Terraço das Quitandas. O anfitrião Sr. António dá-nos as boas-vindas. Tomamos duches recompensadores e dormimos até mais não. Voltamos a vê-lo no primeiro pequeno-almoço com a sua companhia, um repasto revigorante em que conversamos sobretudo da epopeia rodoviária por que tínhamos passado. Moçambicano de origem portuguesa, de bem antes da guerra colonial e da independência, António fala-nos das suas experiências de vida em Lichinga, a capital da província do Niassa e das viagens que mais o marcaram a ele. Conversamos até que o magnetismo da ilha de Moçambique nos atrai sem apelo e nos remete para as suas ruas seculares.

Seduz-nos o imaginário do grande forte, o maior da África sub-saarian, construído entre 1558 e 1620, com pedras que chegaram à ilha enquanto balastros de embarcações portuguesas. Já munidos de um pequeno mapa, damos com ele nuns poucos minutos. Adílio e Hélio, dois putos da ilha aspirantes a guias, metem conversa com modos brandos. Seguem-nos a tagarelarem entre si e com vizinhos que encontravam pelo caminho. Usam o dialecto macua. Connosco, um curioso português juvenil. Acabam por nos oferecer inúmeras informações importantes e uma companhia afável que se prolongaria até ao anoitecer. Nos dias seguintes, substitui-os Omar, um vendedor ambulante de chamussas dos seus 14 ou 15 anos.

Contemplamos a fortaleza de São Sebastião pela primeira vez da ponta de um pequeno areal branco, cercado pela orla cristalina do oceano Índico. Por essa altura, três pescadores lançam canoas à água. Não tardam a contornar a aresta mais anfíbia da fortaleza e a desaparecer por detrás.

Deixamos aquele recanto balnear. Passamos em frente a uma tal de loja de moda “Uso Africano. Ali diante, um grupo de amigos joga num tabuleiro decorado com símbolos do Benfica, Barcelona, Sporting e uma pintura icónica de CR7, em cada canto do quadrado. Hélio e Adílio sabem que o forte está fora da sua área de influência e ficam a acompanhar o passatempo. Em vez deles, guia-nos um vendedor de moedas antigas feito com o guarda do monumento para nos acompanhar sem ter que pagar a entrada.

O barão de armas da Coroa Portuguesa insinua-se-nos no topo do velho portal que atravessamos. À medida que percorremos os adarves amplos, rendêmo-nos à reminiscência dos feitos lusos de outros tempos.  

Vasco da Gama chegou à ilha em 1498, quando almejava completar o caminho marítimo para a Índia das especiarias. Após meses de navegação ao longo da costa selvagem de África, surpreendeu-se ao constatar o quão civilizado era o lugar, diz-se que um importante polo comercial e espécie de estaleiro naval então povoado por habitantes suaílis e negros, governado por um emir vassalo do sultão da vizinha Zanzibar. O emir respondia a Ali Mussa bin Bique, com variações deste nome ao longo dos tempos: Musa ibn Bique, Ali Musa Biki, Ali Mussa bin Bique e outros. Fosse qual fosse a sua graça, os portugueses não tardaram a regressar e a removê-lo do seu posto.

Até 1507, estabeleceram um porto e uma espécie de base naval abençoada pela Capela de Nossa Senhora de Baluarte, há muito considerada o edifício colonial decano do Hemisfério Sul. Mais para a frente no século XVI, a “Cidade de Pedra” dos novos colonos tornou-se a capital do território português da África Oriental. O forte que contornávamos protegeu de ataques dos rivais holandeses uma intensa actividade missionária e o comércio de escravos, de especiarias e de ouro. Daí em diante, as infraestruturas não pararam de aumentar e enriqueceram a colónia. Incluíram aquele que foi considerado por muitos anos o maior hospital da África Sub-Sahariana.

Com o tempo, a Ilha de Moçambique dividiu-se entre uma área nuclear que concentrou os edifícios históricos imponentes: a tal Cidade de Pedra e, outra adjacente, residencial, repleta de casas de pescadores térreas e humildes: Makuti.

Ao regressarmos do forte pela Av. dos Continuadores, internamo-nos na Cidade de Pedra, pela frente do Palácio e capela de São Paulo, agora coloridos com um vermelho predominante de frisos brancos que, apesar de gastos pelo sol tropical e pela maresia, contrastam com o céu azulão. Erguido em 1610 enquanto colégio jesuíta, o palácio acolheu, mais tarde, o governador. Hoje, é o Museu Marítimo. A condizer, uma estátua soberba a Vasco da Gama em frente da sua fachada principal perscruta a Baía de Mossuril. Tal como aconteceria no tempo do navegador, dhows coloridos estão ancorados no litoral manso abaixo.

O Palácio de São Paulo dá para uma outra praça delimitada por casarões coloniais impressionantes (de que o Terraço das Quitandas é um dos mais impressionantes exemplos) e por outra igreja, a da Misericórdia. Este templo de esquina, em particular, abriga um crucifixo esculpido ao estilo da arte maconde. Continua a acolher missas e a fé dos habitantes cristãos, uma minoria nesta ilha há muito do Islão.

Cortamos para a avenida Amílcar Cabral. Caminhamos arrastados por uma maré de estudantes de uniforme azul e branco que, de regresso da escola, conversam com estrilho. Uma parte deles segue à sombra das arcadas da rua. Outros, preferem o meio da via que é limitada pelo casario em redor, por velhas mansões que se sucedem com distintos tons de pastel.

Na rua paralela e marginal dos Combatentes, a casa em que viveu Luís de Camões preserva um reboco similar. Por restaurar, degrada-se a olhos vistos.

Camões habitou na Ilha de Moçambique entre 1567 e 1569. Vinha de Goa e instalou-se por algum tempo na expectativa que o amigo Diogo do Couto o lá encontrasse e ajudasse a reunir dinheiro para a passagem para Lisboa. Na ilha, terá ultimado “Os Lusíadas” antes de mandar editar a obra na capital do Império. É ainda possível que Bárbara “aquela cativa que me tem cativo” fosse uma escrava negra que lá conheceu, muito provavelmente moçambicana e de que teve que se despedir com profundo desgosto.

Deixamos a casa do poeta entregue à erosão. Prosseguimos Rua dos Combatentes abaixo rumo ao sudoeste da ilha. Ao longo desta outra via marginal, o Índico ciano encontra o seu limite num velho muro colonial. A apenas uns metros, o muro dá lugar à enseada e à praia gentil que servem de recreio ao bairro makutiano do Areal. Pescadores negoceiam peixes, polvos e chocos com algumas jovens donas de casa. Duas delas, embrulhadas em hijabs e capulanas exuberantes ficam com os moluscos, exibem-nos o triunfo do regateio e apontam aos seus afazeres vespertinos.

Os miúdos do bairro aproveitam essa curta interacção e cercam-nos. “Akunha! akunha!” (Brancos! Brancos!) gritam determinados a reclamar a atenção fotográfica do seu contentamento. Negociamos o resto da caminhada com a paciência possível até às imediações do Fortim de Santo António e da colónia de coqueiros frondosos e hirtos que o acompanham.

Nas imediações, um grupo de mulheres descasca feijão em amena cavaqueira. Uma delas, mais velha, resguarda-se do sol com uma exuberante máscara mussiro, o ecrã solar natural destas paragens, feito à base de uma substância vegetal há séculos usada pelas “muthiana orera”, as meninas bonitas da região de Nampula. Orgulhosa, a senhora dá-nos autorização para a fotografarmos mas é alertada pelas outras que uma parte da máscara se havia dissipado.

“Venham comigo” incita-nos. “Vamos já tratar disto!” Seguimo-la pelo meio do casario de pedra, barro e cana do Bairro do Areal. Acompanham-nos dezenas de vizinhos entusiasmados pela inesperada expedição. Chegados a sua casa, ela entra. Regressa pouco depois com um estojo de beleza casual, senta-se e reconstitui a máscara o melhor que sabe. Nós, apreciamos e registamos aquela fascinante arte facial. Até que a senhora nos exibe o trabalho perfeito, lhe agradecemos e voltamos todos ao ponto de partida.

A algumas centenas de metros, com a extremidade sul da ilha na iminência, damos com a longa ponte que a une ao continente. Uma funcionária de uniforme controla a cancela que determina a passagem do tráfego para lá ou para cá. Nos intervalos, conversa à sombra da sua cabine.

Invertemos caminho, agora pela rua da Solidariedade que percorre a orla oeste do casario de Makuti. Passamos à porta da sede local da RENAMO, por um porto de pescadores de alto-mar entregues à faina e, logo, da maior mesquita da ilha, verde e branca, como sugerem os preceitos muçulmanos. O chamamento do muezzin local não tarda a apelar a nova comunhão dos homens muçulmanos com Alá.

Algures por ali, a Rua da Solidariedade converte-se em rua dos Trabalhadores. No mercado de peixe, como é usual, fornecedores e vendedoras alimentam discussões dramáticas e ruidosas que divertem os transeuntes mais espirituosos. Escutamo-las quase até à entrada do Jardim da Memória, onde, ao invés, o tema abordado só pode ser levado a sério.

Desde o fim do século XVI ao virar do século XX e, em boa parte desse tempo, à revelia da Coroa Portuguesa, a Ilha de Moçambique manteve-se um entreposto esclavagista que processou o tráfico de nativos do leste de África sobretudo para as Ilhas do Índico ao largo de Moçambique ou para norte (Maurícia, Reunião, Madagáscar, Seychelles) mas também para o Brasil. O tráfico já era levado a cabo por negreiros árabes radicados em Zanzibar que operavam no norte de Moçambique. Ali, com a conivência de chefes muçulmanos macuas e de outras etnias, capturavam grandes contingentes de indígenas em redor do lago Niassa e desciam o litoral para os vender. Quando os portugueses se apoderaram da ilha, forçaram a sua participação nesse tráfico mantendo-os lá captivos e enviando-os de lá para os seus destinos finais. Ora, situado mesmo à beira do Índico, o Jardim da Memória foi erguido para recuperar a realidade atroz dessa era colonial. Quando o visitamos, cruzamos a história desde os tempos de Ali Musa Bique rumo à independência da Moçambique. A ilha, desvendámo-la até não podermos mais.