Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Transbordo

Transbordo

Passageiros do "Congoola/Lady of the Seas" são transportados para uma das ilhas que acolheram "Survivor"

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a "Survivor"

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Para a maior parte das pessoas, Vanuatu não é mais que uma grande interrogação, um vazio cognitivo que contempla todos os imaginários possíveis.  Na prática, o nome identifica um arquipélago absolutamente único do Pacífico do Sul, formado por oitenta e duas ilhas tropicais de origem relativamente recente em termos geológicos, de que se projectam vários vulcões activos. Do total, 65 mantêm-se inabitadas, ainda mais selvagens que as restantes. Durante quatro mil anos, as outras foram exclusivamente partilhadas por tribos melanésias guerreiras e canibais com uma proveniência que continua sob estudo. Até que os exploradores europeus chegaram à zona e as disputaram.

Sem a sua obrigação de reclamar o que quer que fosse, desembarcamos tranquilamente no aeroporto de Bauerfield e somos prendados com uma recepção hilariante. Uma string band toca com toda a alma, transmitindo-nos, pela postura caricata dos músicos, os instrumentos que mais parecem de brincar e as vozes de cana rachada, a sensação de que nos juntamos a um desenho animado.

Em termos turísticos, Port Vila, é a estrela nacional, mais famosa que Efate ou até que o país em si. A capital serve de porta aos australianos, neozelandeses e japoneses que ali afluem através de pacotes de férias baratos, limitados, por isso, aos lugares costeiros aflorados pelos navios e aos trilhos mais que batidos pelas agências. Port Vila e Efate são Vanuatu mas uma versão bem suave, um mundo à parte das suas restantes ilhas onde qualquer pequena expedição descamba num aventura tresloucada. Começamos por explorar aquela Vanuatu introdutória, nesse mesmo fim de tarde, pelos seus recantos mais interessantes.

Na manhã seguinte, visitamos o mercado. À primeira vista e naquela incursão quase pioneira na Melanésia popular, as parecenças dos visuais, as cores garridas das vestes dos nativos e os produtos tropicais básicos expostos fazem com que nos pareça um qualquer mercado da África sub-saaariana. Aos poucos, as diferenças sublinham-se. Ao contrário dos africanos, os padrões dos tecidos não incluem formas animais. Depois, reparámos ainda nos misteriosos cabelos louros das crianças e no dialecto bislama que infantiliza, de forma divertida, a milenar e institucional língua inglesa: “TankyuTumas” assim fecham as nossas compras os vendedores, descomprometidos para com o original “Thank you so much”. 

Compramos papaias e mangos. Também toranjas, as mais suculentas e doces que alguma vez provámos. Nunca pensámos que adaptação alimentar àquelas paragens se revelasse tão rápida. A partir de então, fizeram parte da nossa dieta, como os duriões, o taro e, sem grande alternativa, as baguetes, parte da herança deixada pelos franceses que controlaram o arquipélago em condomínio com os ingleses, até à independência de 1980.

Port Vila guarda alguns edifícios do período colonial que teve início em 1906. Passamos no seu principal núcleo na Rue Carnot e na Rue de Paris, agora conhecidas por Chinatown por grande parte das suas lojas e armazéns serem explorados por comerciantes chineses.

Durante a 2ª Guerra Mundial, as forças militares dos Estados Unidos estabeleceram enormes estações de rádio cruciais para a missão de travar a expansão nipónica no oceano Pacífico, até então, avassaladora. Essas estações chamaram-se Number One, Two e Three. As duas últimas foram preservadas com os nomes correspondentes em Bislama: Nambatu e Nambatri e situam-se na zona residencial mais requintada de Port Vila. A Nambawan foi ocupada pelo Independence Park.

Tinham-nos alojado num dos últimos andares de um dos edifícios mais altos da cidade. Da janela do quarto, admiramos a actividade de formigueiro em redor de dois barcos ancorados junto ao molhe que delimita a capital, entregues ao colorido carrega e descarrega que antecedia a sua partida e o percurso de alpondra por diversas ilhas habitadas da nação Vanuatu. Não tardámos a ver-nos a bordo de uma embarcação em tudo distinta.

Em tempos um dos veleiros da organização na regata Sydney-Hobart, a "Lady of the Sea" mudou-se para os mares bem mais quentes e suaves em redor de Efate e passou a revelar aos novos passageiros as suas maravilhas tropicais. Navegamos em direcção a uma ilha baptizada de Tranquility onde é suposto pararmos para recreio balnear, incluindo snorkeling entre as tartarugas. Antes de lá chegarmos, no entanto, o timoneiro e guia aponta para um litoral luxuriante. “Rapazes, ali está Gideon’s Landing um dos vários domínios Survivor de Efate. As celebridades australianas que participaram estiveram todos aí.

Dois adolescentes franceses chegam-se à amurada e admiram e comentam o cenário em êxtase, não pelo seu possível contexto bíblico, mais pela importância mediática que conquistou. Aguardam pela indicação do timoneiro de onde teve lugar a sexta série da versão francesa. Enquanto isso, entregam-se a uma série de recordações dos momentos para eles inolvidáveis de Koh Lanta, a versão gaulesa do reality show a que só a hora de entrar na água de máscaras e barbatanas põe cobro.

Cabe-nos elucidar os leitores que teimam em resistir à TV ou aos seus programas deste tipo: “Survivor” é um concurso reality show de perícia e sobrevivência. Inventou-o, em 1992, o produtor britânico Charlie Parson para a produtora Planet 24 que detinha a meias com (quem diria...) Sir Bob Geldof. O concurso foi franchisado. Emitiu-o pela primeira vez enquanto “Expedition: Robinson” a Sveriges Television da Suécia que, em 1997, levou os seus concorrentes para a Malásia. Essa estreia teve grande sucesso. A partir de então, o concurso alastrou-se ao mundo como um vírus televisivo. Inúmeros canais das mais distintas nações desenvolveram os seus próprios Survivors. “Vanuatu, Islands on Fire”, o primeiro a ser filmado em Efate, em 2004, foi já a nona série do concurso norte-americano. Nos anos seguintes, Efate recebeu ainda a segunda série do “Australian Survivor” e “Koh Lanta”, a sexta série da versão francesa.  Em 2011, até parte da versão portuguesa de “Perdidos na Tribo”, lá se instalou. O programa supunha que doze VIPs portugueses se mudassem para viver entre tribos de distintas regiões do mundo. Durou bastante menos do que estava previsto. Os concorrentes nunca estimaram que as condições em que iam viver fossem tão duras.

Em qualquer dos casos, a fórmula do reality show dita que os participantes se dividem em tribos rivais de pretensos náufragos. Essas tribos devem construir abrigos e sobreviver na selva com recursos mínimos: catanas, cantís, pequenos tachos e quantidades controladas de arroz e de outros cereais. Defrontam-se em desafios pré-estabelecidos pela produção que levam à sua sucessiva eliminação. Até que se forma uma tribo única em que os derradeiros sobreviventes se confrontam. Os prémios, monetários ou de bens invejáveis, são sempre chorudos.

Regressamos ao areal e à conversa com Robin, um jovem tripulante ni-vanuatu da embarcação. Não tardamos a abordar o tema: “a verdade é que deu dinheiro a ganhar a muita gente de cá. Os donos de alguns dos lugares fizeram os negócios da sua vida. Mas depressa percebemos como (os Survivor) usavam e corrompiam a nossa cultura.”

Bastou-nos investigar um pouco para os exemplos dessa sua conclusão se revelarem. Durante a série americana, as duas tribos em competição tomaram de empréstimo os nomes de Yasur e Lopevi, dois dos vulcões mais emblemáticos do arquipélago e de toda a Melanésia. “Vanuatu, Islands on Fire” foi inaugurado de forma teatral com os dezoito participantes norte-americanos a descerem do veleiro em que seguíamos para bordo de uma pequena frota de canoas. Dois dos concorrentes cairam ao mar mas foram içados pelos nativos que os levaram até próximo da costa. Enquanto os jovens “survivors” caminhavam sobre águas rasas, bandos de nativos pintados, cobertos de folhas e em saias também vegetais correram em direcção a eles aos gritos e a brandirem lanças.  Surgiu então um chefe tribal que deu as boas-vindas aos forasteiros, chegados com uma missão que, mais que não compreender, 95% da população ni-vanuatu considerou ridícula.

A sociedade e imprensa sediada em Port Vila, aproveitou para se divertir. O Vanuatu Daily Post publicou um cartoon que mostrava duas mulheres tribais da nação a apreciarem o briefing transmitido aos competidores por um anfitrião do reality show com visual militar e tom condizente: “Para ganharem o milhão de dólares, vocês têm que sobreviver 39 dias sem electricidade, água canalizada, duches quentes e telefones; completamente isolados do mundo moderno!” Ao lado, uma das senhoras comenta para a outra, em bislama: “Mas o quê, tia? O que é que aquilo tem de especial? A minha velha mãe viveu assim toda a sua vida!”

Por irónico que pareça, o concurso foi criticado vezes sem conta devido ao seu primitivismo radical, por os concorrentes serem largados na selva, entre animais e plantas perigosos ou letais de que as câmaras exibiam planos próximos ao som de rufar de tambores, isto, apesar de os campos tribais dos participantes se situarem a apenas uma hora de carro de hotéis de quatro estrelas de Port Vila.

Em Efate, eram poucos os nativos que se preocupavam demasiado com a falta de genuinidade e respeito étnico gritante de uma ficção que contribuiu para a prosperidade dos nativos, não necessariamente para a sua felicidade. Imagens usadas para ilustrar a equipa Yasur revelaram erupções exuberantes do vulcão Lopevi - aquele que simbolizava a equipa adversária homónima - isto porque o Yasur só tinha erupções estrombolianas, como tal, bastante contidas. O espectáculo tinha que resplandecer acima de tudo, incluindo as mais básicas verdades e realidades do país.

Durante quinze dias, explorámos outras partes de Efate e outras cinco ilhas, cada qual, incrível à sua maneira. Nesse tempo, percebemos como Vanuatu se mantém num fascinante equilíbrio entre a mais absoluta inocência e a forçosa aprendizagem da civilização ocidental. Aos poucos, mais e mais habitantes deixam de considerar curiosos caprichos ocidentais os reality shows que aproveitam a exuberância e essa mesma inocência do país. No computo geral, a nação preserva-se orgulhosamente ni-vanuatu com toda a pureza de valores que o gentílico encerra.

Quanto ao “Survivor”, volvidos vinte anos, resiste. Em Setembro de 2016, trinta e duas épocas e dezoito países depois, regressou à nação vizinha de Fiji.

Nos últimos tempos, Vanuatu tem tido a sua dose de desastres naturais. Situado sobre o anel de fogo, agitaram-no recentemente sismos com magnitude bem superiores a 7. Em 2015, o ciclone Pam causou danos avultados em diversas ilhas, incluindo Efate. Mesmo assim, repetem-se os boatos de que o concurso não tardará a lá regressar. No entretanto, continuam a chegar turistas mais interessados em descobrir os lugares em que os vários Survivors se desenrolaram que Vanuatu em si.

Guias: Vanuatu+