Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Dunas no meio do mar

Dunas no meio do mar

Dunas como poucas outras em todo o oceano Índico douram e coroam Bazaruto.

Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


É caprichoso o Canal de Moçambique. As suas marés e correntes, o maior ou menor fluxo do mar, ditam as horas em que os dhows e as lanchas a ele se fazem e nele podem navegar. Zarpamos às 14h de uma tarde ventosa que encrespava o Índico pouco profundo. Nem o vento nem as pequenas vagas geradas pela brisa pareciam afectar as lanchas de última geração, dotadas de motores poderosos que asseguravam o percurso a grande velocidade. Pelo caminho, o mar assumia diferentes tons de verdes e azuis, fascinantes indicadores da superficialidade do leito e espécie de recreio cromático dos golfinhos e dugongos que habitam as águas profícuas entre Moçambique e Madagáscar. Os primeiros não tardaram a aparecer e dar-nos as boas-vindas com os seus saltos e escoltas desenfreadas à frente da embarcação. Mesmo se se contam mais de trezentas, por aqueles lados - considerada a única colónia prolífica da costa leste de África –  as vacas-marinhas nunca deram sinal de si. Mantiveram-se em bancos de areia distantes, a salvo dos motores e do incómodo que lhes causam.

Areia e respectivos bancos é coisa que não falta no canal. De águas quentes, orientada para sul, a Corrente de Moçambique, arrasta consigo sedimentos que deposita em contínuo onde quer que o oceano afunila ou se depara com obstáculos. Decorrida quase uma hora de percurso, a monumentalidade suprema deste fenómeno deixa-nos boquiabertos. Abandonamos a frente da grande ilha de Benguerra. Mal a sua estreita península setentrional se encerra, inauguram-se os domínios de Bazaruto, a ilha muito maior que empresta nome a este arquipélago da província de Inhambane.

A lancha prossegue ao largo da sua costa oeste, a virada ao continente. Mesmo assim, dunas hiperbólicas insinuam-se bem acima desta linha imediata de costa e de vegetação, uma cordilheira delas, ligadas por esses e outros trejeitos moldados pelo vento.

Entretanto, o litoral e os arbustos verdes que o forram aumentam de altura. A ilha também se torna mais larga. Os dois factores fazem com que as dunas de nós se afastem até ao vislumbre. Depressa encaramos a enseada e a área povoada de Asneira. A lancha faz-se ao areal. Entrega-nos ao Anantara, o resort predominante de Bazaruto.

Às 15h30 estamos instalados. Meia-hora depois, saímos conduzidos por James à descoberta do império de areia que tínhamos avistado no oriente da ilha. O caminho para lá chegar revela-se quase tão arenoso como os próprios ergs. Só os jipes robustos nele avançavam. Experiente, James, conduz-nos sem problemas. Até que ele e um residente numa moto 4 se veem frente a frente, ambos com a passagem bloqueada. Com recurso a muita ginástica das grandes rodas, o nativo lá contorna o obstáculo inesperado em que nos tínhamos tornado e segue o seu destino.

Apenas umas centenas de metros para diante, uma descida revela-nos Maubue, o primeiro dos lagos que salpicam Bazaruto. Rogamos a James que nos aproximemos da água. “Não dá, replica o guia. O terreno lá em baixo é pantanoso. Além disso, esconde crocodilos”.

Estávamos numa ilha bem distante de outras bolsas moçambicanas em que aqueles répteis subsistiam: Sofala, Zambeze, Gorongosa, outras. No breve instante, ficamos sem saber se falava a brincar ou se era a sério. Fosse como fosse, o curto Inverno do Hemisfério Sul tornava o ocaso precoce. De acordo, James lembrou-nos que nos devíamos despachar a subir para a zona de dunas. Ao cedermos ao seu apelo, deixamos o assunto em hibernação.

James faz o jipe serpentear e vencer uma última ladeira. Deixamos o veículo e passamos a subir nós, a pé, a vertente irregular e vegetada da duna, não tarda entre palmeiras-anãs e outros arbustos que despontam irrigados pela chuva frequente (850 mm anuais, sobretudo entre Dezembro e Março) malgrado a porosidade do solo.

Atingimos, ofegantes, o nível intermédio das montanhas de areia. A imponência e o exotismo do cenário pouco nos ajudam a recuperar a respiração. Abaixo, voltávamos a encontrar o lago Maubue. Em vez da margem oposta que tínhamos avistado em primeira mão, delimitava-o a vertente íngreme de uma duna que se estendia para norte até a perdermos de vista. Para o lado oposto, o sopé elevado que nos sustentava mergulhava num vale cavado na direcção da costa leste. A todo o comprimento, repetiam-se cumes com formas sinuosas, listados pela rega da chuva matinal e sobrevoados por pequenas nuvens lilases. Minutos depois, o sol mergulhou no Canal de Moçambique e dourou o ocidente próximo. Em três outros tempos, entregou-o ao breu nocturno.

Só a alvorada de início húmida, não tarda encharcada, resgatou o grande astro. Voltamos a contar com James para explorarmos o mais possível de Bazaruto. Saímos com um manto de nuvens escuras a ameaçar fazer das suas. Os aguaceiros estrearam-se brandos. Não tardaram a alternar com períodos diluvianos de que nem a cobertura de lona do jipe nos protegeu condignamente.

A estrada de areia levou-nos para norte e para o interior, entre nova constelação de lagos que a chuva aumentava e renovava. À beira do Lengue, o maior de todos, uma nativa já de idade avançada cortava papiro de um extenso canavial contíguo. “Lembram-se da conversa de ontem dos crocodilos?” indaga-nos James. “Não tivemos tempo para a terminar mas, já agora, ficam a par: há uns tempos, uma outra senhora fazia exactamente a mesma coisa que esta e foi apanhada por um crocodilo. Parece que o pessoal de cá não aprende.”

Intriga-nos o como os crocodilos proliferaram numa ilha relativamente pequena, arenosa e em lagos como aqueles, tão longínquos dos rios e pântanos da vasta África continental. À falta de uma explicação mais científica e ancestral, apurámos que, no mínimo, durante os anos 80, Bazaruto acolheu uma produção dos reptéis que se esperava proveitosa. Mas, rebentou a Guerra Civil Moçambicana. A fauna de vários parques naturais e reservas do país – caso gritante do PN Gorongosa – foi dizimada. O contexto provou-se tudo menos propício e a criação dos animais foi abandonada. Como terão sido inúmeros espécimes que, ao invés, se depararam com condições ideais à sua subsistência e reprodução nos lagos repletos de peixes, também habitados ou frequentados pela maior parte dos mamíferos e aves da ilha.

Contornamos o Lengue. Colónias de corvos-marinhos secam as penas ao sol intermitente, sobre ramos de coqueiros ribeirinhos. Nova chuvada encharca-os a eles e a nós. Regressada a bonança, deparamo-nos com uma família de raros macacos-azuis a contemplar a nossa incursão no seu território do cimo de uma copa frondosa, paredes-meias com a base de outra enorme duna.

A estrada em que quase chegávamos à próxima paragem aproveitava uma das raras zonas da ilha em que, por um capricho do relevo, a largura das dunas diminuía e permitia uma aproximação à costa leste por entre os enormes ergs. Curva atrás de curva, neste vai-e-vem de chuvarada e de intervalo estival, contornamos nova falda arenosa. Era meio-dia. Do lado de lá, esbarramos por fim com o leste do Canal de Moçambique.

A maré vazante fazia o mar recuar para longe, o mesmo que acontecia às nuvens, em debandada sob a pressão do sol a pique. “Bom, chegámos à Sailfish Bay. É especial, este lugar. Venho cá vezes sem conta com hóspedes mas agora, fico-me pelo jipe. Explorem à vontade.”

Percorremos a enseada até um cabo que a separava da praia seguinte, que se prolongava até aos derradeiros metros meridionais dos 8 km de comprimento de Bazaruto.

Na tal de Sailfish Bay, vagas ínfimas desenrolavam-se como que em câmara-lenta, com intervalos quase cronometrados entre elas. Desfaziam-se contra um banco de areia recortado com arte pela maré. Logo ao lado, uma piscina marinha efémera preenchia a fundura que se prolongava até ao vê da costa. Dois pescadores de poucas falas estendiam uma rede de tal forma comprida que lhes permitia sonhar com a captura de todos os peixes por ali retidos. Acompanhamos a sua labuta por breves minutos.

Em vez de regressarmos pelo fundo da duna que encerrava a enseada, tomamos um trilho aberto pelos pescadores. Seguimo-lo pelas suas alturas, deslumbrados pela sensação incondicional de liberdade que aquela vastidão amarela e azul nos concedia. De volta a beira-mar, antes de nos metermos no jipe, banhamo-nos entre as ondas cálidas, ali aguerridas, da Sailfish Bay. Pressionados pela urgência de retomamos o périplo em que James há horas nos conduzia, não chegamos sequer a secar.

Internamo-nos na área baixia contígua à Lagoa Zingo, semialagada e em que penetrava um manguezal vindo do limiar marinho oeste. A chuva matinal tinha entregue boa parte desta secção a rios e riachos pouco profundos e com meras horas de vida. Cruzamo-nos com três mulheres que, a espaços, se veem forçadas a caminhar sobre um deles. Mais ou menos na altura em que nos livramos da estrada alagada, surgem as primeiras aldeias de palhotas que haveríamos de avistar na ilha. Daí em diante, à medida que nos aproximamos de Asneira e da área de Bazaruto ocupada pelos seus dois grandes resorts, mais e mais comunidades surgiram.

Ditou a nova realidade turística da ilha que os hotéis, em vez da pesca ou da migração para o continente ou paragens mais longínquas, garantissem a subsistência de dezenas de famílias. Depressa constatámos essa benesse, como hóspedes do resort e enquanto visitantes inesperados dos seus funcionários.

Detemo-nos no Anantara Bazaruto. James dá boleia a uma empregada de saída do turno, a caminho da sua aldeia. Passamos entre várias outras, formadas por palhotas ou casas de barro, muitas já reforçadas por materiais modernos que desfazem a harmonia visual e genuinidade dos lugarejos. À chegada, um bando de filhos de distintas idades recebem a senhora, na casa que o ordenado do Anantara ajudava a completar, no meio de papaeiras e outras árvores de fruto e de sombra, das bombas de extração de água doce e dos pilões em que começava a ser preparada a shima, a papa de mandioca que alimenta a ilha, o arquipélago e a nação.

A maior parte dos nativos que por ali nos inspecionam e saúdam são de etnia tsonga. Falam xítsua (dialecto comum na província de Inhambane), xitsonga (o dialecto dos tsongas) e algum português. Muitos outros dos cerca de 2000 moradores de distintas aldeolas, nunca se chegaram a familiarizar com o português. Durante o período colonial - mas não só - Bazaruto viu-se largo tempo sem escolas, ou no mínimo, sem ensino em português.

Também passou os anos que decorreram à margem da violência e destruição da Guerra da Independência e da Guerra Civil que devassaram o país continental. É outra das razões porque a ilha e o incrível arquipélago em redor conquistaram o estatuto de Reserva Marinha. E porque os seus cenários, a sua fauna, flora e gente formam um dos redutos de Moçambique tão surreais quanto reais.

Guias: +