Esconder Legenda
Mostrar Legenda
A derradeira luz

A derradeira luz

Silhuetas de gondoleiros definida pelo ocaso, no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba.

Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Despertamos em Cooch Behar para uma espécie de sonho. O Raj Britânico é história há setenta anos. O Estado Principesco homónimo, seus rajas e marajás há dois menos. Já o batalhão de edifícios majestosos e vermelhos que os acolheram durante séculos perdura destacado do caos sobrepovoado e frenético do distrito a que o Principado foi despromovido. A própria Circuit House em que tínhamos passado a noite, hoje uma das muitas pousadas geridas pelo governo indiano, fazia dele parte. Deixamo-la às nove da manhã, após um pequeno-almoço que os anfitriões se esforçam por preparar o mais ocidental possível – composto por chá, café guarnecido por torradas e bolachas estilo “Maria” - e nos servem no quarto.

Entramos no carro. Saudamos Raney. O motorista Gurkha arranca para o tumulto rodoviário que se apoderara havia algumas horas da cidade.  Inaugura o seu dia de buzinadelas, guinadas e apertos forçados de condutores rivais que lhe permitem fluir na exuberante enxurrada de camiões folclóricos Tata e Ashok Leyland, dos inúmeros mini-automóveis que substituíram os velhos Ambassadors, de peões, riquexós motorizados e a pedais, de carroças puxadas por vacas e vacas deambulantes algo mais sagradas que as motrizes.

Vinte minutos depois, avistamos o alvo da viagem madrugadora. Passamos uma praça de riquexós wala (os movidos por ciclistas) e uma sequência ainda maior de negócios de rua. Sem que o esperássemos, à esquerda desta confusão, uma vedação elegante pouco ou nada perturba a visão longínqua e mirabolante do palácio de Cooch Behar.

Deixamos o carro, para espanto e contentamento dos transeuntes que por ali andavam, pouco habituados à presença de estrangeiros naquelas paragens do subcontinente menos famosas que tantas outras.

Apontamos a um pórtico rendilhado, fixo a duas colunas vermelhas, amarelas e brancas com capitéis coroados por estátuas do duo elefante e leão, símbolo indiano de realeza. Resolvida a burocracia da bilheteira, fazemo-nos à alameda extensa que aponta ao monumento, perseguidos pelas primeiras famílias de turistas nacionais que usufruíam do descanso sabático em modo de deleite cultural. Na entrada para o palácio em si, um grupo antecipado de visitantes levava a cabo um ritual centrado na partilha de um cântico esotérico. Assistimos ao encerrar da cerimónia. Depois, seguimo-los paço adentro.

As autoridades proíbem a fotografia no interior do palácio. Concentramo-nos, assim, em enriquecer os nossos imaginários do que terá sido a vida elevada e faustosa dos seus condóminos.

O estado de Cooch Behar teve origem quase um século após Vasco da Gama ter aportado em Calecute. De 1680 a 1772, viu-se acossado pelo inesperado expansionismo do Reino do Butão, apoiado por forças tibetanas. Receoso de novas e mais poderosas incursões vindas dos Himalaias, a corte de Cooch Behar tomou a medida radical de pedir a intervenção Britânica. Desde 1600 que a Companhia Britânica das Índias Orientais alastrava o seu domínio na Índia. Na viragem para o século XIX, era já temida que bastasse para que Dharendra Narayan, o marajá de então de Cooch Behar, concordasse em lhe pagar um tributo para que expulsasse os Butaneses para o seu território habitual nas encostas dos Himalaias. Os Britânicos enviaram um regimento de Calcutá que se juntou ao exército de Cooch. Após uma série de confrontos, esta coligação triunfou. Os Britânicos recusaram-se a perseguir os butaneses pelo terreno problemático dos Himalaias acima. Preferiram deixar uma guarnição em Behar e declarar súbdito o Estado Principesco de Cooch Behar. Essa indesejada submissão viria a atormentar Dharendra Narayan até ao fim da sua vida.

Neste período, a Companhia Britânica das Índias Orientais foi substituída pela administração directa do governo Britânico, o Raj Britânico que estabeleceu Calcutá como principal entreposto. Apesar de diminuto, o Estado Principesco de Cooch Behar situava-se a pouca distância da capital. Ao longo dos anos, o contacto intenso da realeza de marajás, maranis, descendentes e familiares com o universo dos colonos ditou a sua ocidentalização, uma improvável proeminência na esfera social britânica da Índia, pouco tempo depois, nas de Londres, Oxford, Cambridge e distintas urbes da Velha Ânglia e Europa continental.

Percorremos as salas e salões arejados e requintados do palácio atentos às fotografias e a outros registos e artefactos que atestavam da duplicidade social, cultural e até étnica, da sofisticação e luxo em que prosperaram as sucessivas dinastias e cortes de Cooch Behar até que, em 1949, quando os Britânicos entregaram a sua Joia da Coroa, o estado acedeu a integrar-se na Índia, parte da província de Bengala Ocidental.

Nem todos os súbditos ficaram ou se sentem satisfeitos com a nova despromoção. Uma associação com a sigla GCPA (The Greater Cooch Behar People Association) é apoiada por Ananta Rai, o marajá sem raj de Cooch Behar. A GCPA conquistou notoriedade por volta de 2005. Ganhou ascendente em torno da exigência de um novo território homónimo bem mais vasto que o actual e com grau de autonomia C (de A a D, sendo A’s os principais Estados da Índia) ou, em alternativa, um Território da União Indiana como o são Delhi ou Damão e Diu, este, politicamente distinto do estado de Gujarat que o envolve.

Ao nos inteirarmos desta reclamação, também comprovamos a fascinante riqueza e complexidade étnica e política de que se reveste a Índia. A GCPA pretende há muito que Darjeeling faça parte desse território. Dias depois, in loco, inteiramo-nos que a terra do famoso chá tinha saído de um período de três meses de greves e contestação pela exigência de abandonar ela própria a província de Bengala Ocidental e da criação de um estado Ghurkaland que melhor representasse a etnia predominante Ghurka.

Deixamos Cooch Behar entregue à sua contenda e ao saudosismo dos tempos reais. Apontamos a norte e aos Himalaias. Nessa mesma tarde, atravessamos a selva do PN Bruxa, notório pelos tigres residentes, e atingimos o rio Jayanti. Em vez de um verdadeiro caudal, deparamo-nos com um vasto mar de seixos brancos sulcado por pequenos riachos. Várias famílias indianas entretêm-se a contemplar o cenário meio extraterrestre e a refrescar os pés em poças fluídas. Raney arranja-nos programa melhor. “Sir, madam: come. I got us a jeep, there’s a waterfall you have to see!” 

Perante a amostra do rio, a sugestão de uma queda d’água deixa-nos de pé atrás mas, sem nada a perder, acolhemos o seu entusiasmo e subimos a bordo do pequeno Maruti Gypsi. Um guia local conduz-nos rio acima, sujeitos a diversas travessias de ribeiros do Jayanti. Fa-lo até o mar de pedras afunilar num desfiladeiro dos baixos Himalaias. “Estão a ver aquela mancha da derrocada?” questiona-nos Raney. A partir dali é Butão. Vamos até lá?”

Uma vez mais, demoramos a levá-lo a sério. Entre o que sabíamos do Butão, contava-se que tinha invadido e preocupado anos a fio o antigo reino rival de Cooch Behar. E que, na actualidade, cobrava a quase todos os forasteiros mais de duzentos euros por cada dia de descoberta do seu território.

Na brincadeira, meio apreensivos, avisamos Raney que, caso houvesse problema, seria responsável pela despesa. Continuamos a segui-lo, ao guia e a um pelotão de indianos que sabiam de antemão que, como os Nepaleses, podiam cruzar a fronteira sem custos.

Atravessamos o Jayanti já mais digno por uma ponte de troncos. Na margem oposta, pisámos oficialmente o Butão, abençoados por um eremita hindu que havia instalado o seu lar e santuário numa laje luxuriante da encosta. A queda d’água provou-se ainda mais banal do que esperávamos. Fosse como fosse, a partir desse momento, podíamos dizer que tínhamos estado no misterioso Butão. Feitas as contas, a proeza revelava-se extraordinária.

De Jayanti, viajamos para oeste. Cruzamos o Torsha, outro dos rios que irrigam Dooars. Damos entrada no PN Jaldapara onde dormimos e madrugamos para participarmos num dos safaris de elefante a ter lugar das cinco às nove da manhã, por trilhos da selva local. Do cimo do paquiderme domado avistamos pavões, javalis, búfalos, veados sambar e a criatura vedeta do parque, o peculiar rinoceronte unicórnio nativo do subcontinente que, contra todas as dificuldades, as autoridades da Índia e do Nepal conseguiram que proliferasse de 1900 no início dos anos 90, para 3550, em 2015.

No fim da manhã, prosseguimos rumo ao limiar oeste de Bengala Ocidental. Uma vez mais, neste trecho, outro rio nos detém. Chegamos a Gajoldoba e à ponte formada pelo prolongamento da crista da barragem do Teesta. Serpenteamos no meio de uma multidão indiana entregue a um exuberante convívio de fim-de-semana. Dali, para norte, quase até à base da omnipresente cordilheira suprema, estende-se um prolífico lago salpicado por vegetação flutuante, pouso e habitat de dezenas de espécies de aves migratórias: patos, larros, tarambolas, mergulhões, garças, cegonhas, tartaranhões entre tantos outros, um verdadeiro delírio para os mais obcecados observadores de pássaros.

As autoridades sediadas em Calcutá têm na calha um projecto de ecoturismo que o seu ministro chefe baptizou de “Brilho Matinal” numa alusão à reflexão intensa gerada pelas águas pouco mexidas e que, mesmo àquela hora tardia, contra o sol poente, tínhamos dificuldade em confrontar.

Não podíamos esperar pelo dia seguinte quanto mais pela concretização do projecto. De acordo, metemo-nos num dos barcos de madeira movidos por gondoleiros locais e zarpamos de imediato. A essa hora, só nós, outra dupla de fotógrafos de vida selvagem e três pescadores sulcávamos o enorme lago e perturbávamos a paz dos inúmeros espécimes asados. O passeio soube-nos a uma revigorante evasão. Para desespero do barqueiro, prolongámo-la até ao ocaso dourar e, logo, rosar aquele cenário espelhado de Dooars, o fascinante portal indiano dos Himalaias.

 

Os autores agradecem o apoio na realização deste artigo às seguintes entidades:  Embaixada da Índia em Lisboa; Ministry of Tourism, Government of India; Department of Tourism, Government of West Bengal.

Guias: Índia+