Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Budas

Budas

Visitantes admiram a enorme estátua do buda Buda Vairocana, com 15 metros de altura e 500 toneladas.

Nara, Japão

Budismo Hiperbólico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Dessi, uma anfitriã javanesa que se procurava adaptar à alma tradicionalista e fechada de Nara tinha-nos falado maravilhas do santuário Todai-ji, O Grande Templo do Leste. Apesar de sensacionalista, a sua descrição só nos aumentou a curiosidade e fez-nos apressar a descoberta do monumento.

Percorremos todo o vasto Nara Park. Passados os vários portais de acesso ao recinto, deparamo-nos com o enorme templo principal Daibutsuden (Grande Salão de Buda) que não desilude. Elegante e imponente, sobressaem nele as típicas linhas arquitecturais budistas, culminadas por um telhado duplo que se projecta lateralmente do corpo base como uma espécie de capelo asiático. No centro do grande salão, protegida por dois guardiões nio ameaçadores, destaca-se a estátua colossal e também recordista (15 metros de altura, 500 toneladas) de bronze do Buda Vairocana – no Japão, Daibutsu - a saudar os visitantes e crentes que, após se purificarem à entrada com o fumo do incenso admiram, agora, a sua magnificência.

A imensidão de madeira do edifício renova-se em espaços distintos. Em cada um deles, o budismo reclama distintas provas de fé. Uma delas revela-se um verdadeiro desafio contorcionista.

Forma-se uma fila em frente a um dos pilares que sustentam o Daibutsuden. Famílias inteiras e excursões escolares de jovens japoneses fotografam-se a passar para lá e para cá, através de um buraco apertado na sua base que se crê ter a mesma largura que as narinas de Daibutsu.

É suposto esta passagem conceder a libertação espiritual de quem a consegue, mas, quando chega a vez de alguns pretendentes do norte da Europa e da América do Norte, o desafio torna-se sério. Em vez de libertados, alguns têm que ser socorridos de um aflitivo sufoco.

Fazendo fé na mitologia budista, eventuais mazelas resultantes do aperto podem sempre ser resolvidas por Binzuru Sonja, deus japonês da cura e da boa visão. À saída do Daibutsuden, vemos vários fiéis idosos em simultâneo a tocar e a esfregam as mãos em diferentes partes da estátua desta divindade por forma a tentarem ultrapassar problemas de saúde que têm em zonas equivalentes dos corpos. Com a mobilidade que a longevidade nipónica lhes concede, os pacientes apressam-se a seguir os seus guias, sempre bem identificados por bandeiras coloridas.

Malgrado a secular inimizade sino-nipónica, cada vez mais destas comitivas turísticas são também chinesas e os seus participantes deliciam-se com a exuberante cultura japonesa. Alguns deles, só descobrem in loco que foi a sua nação han que a inspirou.

Com menos de 400.000 habitantes, Nara revela-se, hoje, uma cidade insignificante para os padrões japoneses. Mas, de 710 a 784 d.C.., foi promovida a capital revolucionária. Por essa altura, a sociedade japonesa era predominantemente rural, assente em aldeias primitivas e constituída por comunidades que adoravam os kamis (espíritos) das forças naturais e dos seus antepassados. 

Mas a influência política e cultural da poderosa China fazia-se sentir como nunca. E, quando os imperadores ditaram a construção de Heijo-Kyo (antecessora de Nara), segundo a grelha e o modelo confucionista de Chang’an (a Xi’an actual), uma cidade de palácios, sedas, riqueza e opulência generalizada alteraram para sempre a paisagem local, até então formada por florestas e campos agrícolas.

Da China chegaram também a escrita (que os japoneses continuam a usar enquanto alfabeto kanji) e várias correntes artísticas. O desenvolvimento cultural mais importante protagonizado por Nara foi, no entanto, o florescimento do Budismo, consolidado pela instalação de grandes mosteiros e das respectivas escolas de pensamento que se tinham distinguido o outro lado do Mar do Japão, durante a dinastia Tang. 

A prática da nova religião começou por se cingir à capital mas, sob a regência do Príncipe Shotoku, influenciou em definitivo o governo nipónico que se deixou fascinar em especial pelo Sutra da Luz Dourada, segundo o qual Buda era definido não só como um ser humano histórico mas como a Lei e a Verdade do Universo.

A adopção pelos governantes e pela aristocracia palaciana, em geral, concedeu ao budismo uma vitalidade inédita e os seus ensinamentos - adaptados à realidade e cruzados com a mitologia milenar xintoísta - depressa contagiaram as ilhas japonesas.

Nos dias que correm, o budismo continua a reger a sua espiritualidade e a cultura, em sintonia com os preceitos bem mais antigos do xintoísmo. Em Nara, como um pouco por todo o país, esta dicotomia exibe-se nas mais variadas formas, das requintadas e sublimes às mais caricatas.

Uma multidão longitudinal percorre a avenida secular que conduz ao exterior do santuário Todai-ji e ao coração do vasto Nara Park. O seu fluxo é perturbado apenas pela presença de esquadrões dos famosos veados da cidade (cervus nippon) que se mantêm de faro apurado e perscrutam os transeuntes para mendigarem ou lhes roubarem as iguarias que transportam, em especial, os biscoitos shika sembei, à venda em bancas distribuídas pelos jardins e concentradas à porta dos monumentos. De início divertidos com as más experiências alheias, não tardamos a ver-nos também aflitos e a termos que correr para nos livrarmos das suas perseguições implacáveis.

De acordo com a mitologia xintoísta registada no santuário Kazuga de Nara, o deus Takemikazuchi teria chegado montado num veado branco para proteger a recém-construída capital. Quando a lenda se popularizou, os animais passaram a ser considerados mensageiros sagrados dos deuses. Vários séculos depois, ainda vagueiam pelas ruas e parques, agora protegidos pela legislação da cidade.

Desesperados para nos livrarmos do assédio dos cervídeos, subimos ao ponto mais elevado da povoação, o monte Kaigahira-yama (822m). Dali, desvendamos um panorama impressionante sobre a cidade em geral e alguns dos edifícios imponentes que dela se projectam.

Também observamos como o inevitável desenvolvimento urbanístico tinha invadido o vale contíguo, se estendia em redor do centro histórico e a partir do eixo urbanístico que é a Sanjo-dori, a mais importante das suas avenidas comerciais. Essa era, todavia, a Nara contemporânea. Reservámo-la para os dias de Kansai que se seguiam.