Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Litoral Gentil

Litoral Gentil

Vulto na praia do Curral, na costa oeste de Ilhabela.

Ilhabela, Brasil

Depois do Horror, a Beleza

90% de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ihabela.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


À medida que o jipe subia em esforço pela estrada lamacenta, Alexandre sublinhava num brasileiro caiçara genuíno: “Isso agora não é nada. Vocês haviam de ver no Verão. Tem vez que fica uma fila de veículo atolado e ninguém mais pode avançar.”

Esta é só uma das facetas rebeldes da Ilhabela. Acima da quota dos 200 metros, as vivendas luxuosas, como qualquer outro tipo de habitação, ficam para trás e dão lugar a um domínio selvagem íngreme e de vegetação cerrada onde tudo é possível. A delimitação do Parque Estadual protegeu a mata da invasão humana com excepção para as caravanas de veículos 4WD que levam os visitantes para o lado atlântico, à Baía dos Castelhanos, uma travessia dolorosa de primeiro sobe e, depois, desce que se faz em cerca de duas horas.

Estávamos em Maio e as nuvens carregadas iam passando a grande velocidade sobre o Pico de São Sebastião (1378m), a maior elevação da ilha. Apesar disso, o sol tinha espaço para brilhar e há muito que não caiam as chuvadas tropicais fulminantes de Dezembro, Janeiro e Fevereiro, as responsáveis pelo caos do tráfico todo-terreno descrito pelo guia.

Com uma área de 340 km2, a Ilhabela é a maior ilha ao largo da costa do Brasil. Faz parte de um arquipélago homónimo a que pertencem ainda as ilhas dos Búzios, da Vitória, mais os ilhotes dos Pescadores, da Sumítica, da Serraria, das Cabras, da Figueira, dos Castelhanos, da Lagoa e das Anchovas.

As suas origens vulcânicas estão bem marcadas numa topografia majestosa e abrupta que, pela posição que ocupa, logo abaixo do Trópico de Capricórnio, se encontra coberta por um manto verde luxuriante que esconde dezenas de riachos cristalinos e cerca de 360 cachoeiras. 

Nos tempos pré-descoberta, estas terras eram domínio de tribos Tupi-Guarani, como comprova a proliferação de topónimos índios como Pacoíba, Baepí, Pirabura, Pirassununga (exacto, a da famosa cachaça!), Jabaquara, Perequê, Itaquanduba, Itaguaçu, Cocaia, Guarapocaia, Piava, Piavú, Pequeá, Papagaio, Itapecerica, Sepituba etc. etc. etc.

A história colonial de Ilhabela teve início quando os integrantes da primeira expedição enviada por Portugal à Terra de Santa Cruz chegaram a Maembipe em 20 de Janeiro de 1502, dia consagrado, pela Igreja, a São Sebastião. Foi essa expedição que rebaptizou a ilha de Maembipe com o nome do santo, mas pouco mais modificou. Só em 1608, 106 anos depois, se viriam a estabelecer os primeiros colonos e escravos, para ali transportados para alimentar um tráfego negreiro intenso ou trabalhar no cultivo da cana de açúcar e consequente produção de cachaça. Ambas as actividades fizeram a fortuna dos feitores e senhores da ilha, uma riqueza que se pode testemunhar, ainda hoje, na dimensão e sumptuosidade de alguns casarões senhoriais, como o da Fazenda do Engenho d’Água. 

Desde a sua descoberta pelos Portugueses até ao século XIX, as águas em redor de Ilhabela foram intensivamente patrulhadas por aventureiros, corsários e piratas europeus e, mais tarde, argentinos. Entre os mais famosos contaram-se os ingleses Francis Drake, Thomas Cavendish e Anthony Knivet. Outro cliente habitual foi o francês Duguay Trouin.

A História Horrífica da Ilhabela

Por resultado de ataques ou devido a um mar traiçoeiro que os antigos marinheiros diziam possuir um campo magnético que enganava os instrumentos de rumo, a zona ficou conhecida como o Triângulo das Bermudas da América do Sul. Jazem em redor de Ilhabela dezenas de embarcações afundadas dos mais variados tipos, muitas das quais vítimas de naufrágios tão recentes como o do transatlântico luxuoso “Príncipe das Astúrias”, em 1916, ou o inglês Crest, em 1982. 

A própria praia para onde nos dirigíamos agora – a dos Castelhanos – bem como outras duas localizadas logo ao lado, foram baptizadas segundo uma das muitas histórias de terror marítimo que, em contrasenso com o seu nome, se associaram à ilha. Como contam os locais, os castelhanos foram os náufragos que deram à costa depois do afundamento do barco em que seguiam. Como se não bastasse, o sangue que derramaram ao ser projectados contra as rochas deu origem à Praia Vermelha e, algum tempo depois, grande parte dos corpos em decomposição foram achados naquela que é hoje a Praia da Caveira.

Actualmente, se nos abstrairmos dos petroleiros que poluem visualmente o canal de São Sebastião e das canoas dos pescadores caiçaras, a maior parte das embarcações que circulam em redor da ilha são de recreio. Proporcionam momentos de puro lazer, não de drama.

Graças ao vento forte que percorre o Canal de São Sebastião, Ilhabela é a capital brasileira da vela. Recebe, todos os anos, várias provas nacionais e internacionais deste desporto e acolhe, na sua marina, centenas de veleiros, mas também muitas lanchas motorizadas de todos os tamanhos e feitios.

Ilhabela é uma espécie de recreio insular dos Paulistas com mais posses. De tempos a tempos lá se vê, sobre o canal de São Sebastião, mais um helicóptero de algum VIP, como a famosa apresentadora Ana Maria Braga e a actriz Regina Duarte que têm mansões de ferias na ilha.

O casal que nos acompanhava, aos solavancos, na parte de trás do jipe era bem mais remediado e dos arredores pobres de São Paulo mas, recorrendo às economias e à hospitalidade de alguns amigos locais, também teve direito a uns dias num dos retiros divinais do estado. 

As duas horas passaram com as mais variadas conversas incluindo explicações sobre a fauna local. Como sempre acontece no Brasil, mais uma vez, ouvimos lendas de onças e jaguatiricas que deambulam pela selva local, vê-las é que nem pensar.

A estrada sinuosa, essa, já no seu percurso descendente revelou, finalmente, por entre a malha  de cipós, as águas esmeralda da baía. Daí até ao areal branco foram só uns minutos e, em pouco tempo, estávamos a trepar a um miradouro improvisado numa das encostas da baía para apreciar e fotografar a tão badalada forma de coração da praia. Seguiu-se um mergulho, com algumas braçadas à mistura e, logo após, um almoço simples, mas recompensador, num dos restaurantes humildes locais. 

No dia seguinte, trocámos as sacudidelas do jipe pelo balançar de uma escuna. À moda descontraída do Brasil, a saída que estava combinada para as 9.30, foi-se atrasando sucessivamente. O motivo: “o cara que tinha ficado de trazer as bebidas nunca mais aparecia”. Felizmente, na doca da vila, a família Adés – que se encontrava numa espécie de diáspora por motivos profissionais e havia fretado a embarcação para um passeio comemorativo do seu reencontro – estava tão ou mais atrasada que o cara encarregue das bebidas. Assim, os únicos a esperar fomos nós e a tripulação mas, tendo em conta que o comandante Marcos aproveitou o tempo morto para desbobinar os seus inesgotáveis conhecimentos sobre a Ilhabela, a navegação em geral e a meteorologia local, ninguém ficou a perder.

Chegadas as bebidas e o pouco gelo que restava lá apanhámos a tal família Adés e seguimos para norte, ao longo da costa, em direcção a outro dos encantos paisagísticos ilhabelenses: a praia de Jabaquara.

Ao longo do percurso sucederam-se alguns dos pontos chave da zona norte da ilha, como a Praia da Armação, o farol da Ponta das Canas e a Praia da Pacuíba. Os cenários foram-se tornando mais verdejantes e naturais à medida que avançávamos pela costa norte e, após contornarmos uma reentrância rochosa imponente, lá demos de cara com a pequena enseada que protege a praia.

De areias amarelo-torrado e uma frondosa linha de coqueiros, Jabaquara deixou os Adés tão satisfeitos pelo regresso que alguns elementos da família (os mais novos, claro) nem esperaram que a escuna lançasse âncora e o bote os levasse ao areal, para matar saudades. Mergulharam simplesmente e saíram a nadar.

Jabaquara é uma praia que faz as delícias de qualquer visitante mas, como se passa com as restantes 38 e com outras atracções naturais da ilha, cobra um preço bem alto, em picadas. O borrachudo - um minúsculo mas persistente insecto vampiresco - é uma constante da vida em Ilhabela, ao ponto de existir, na vila, uma sanduicheria baptizada em sua honra. Durante qualquer visita à ilha, das duas uma, ou se reforça a camada de repelente com uma regularidade infalível ou, se prepara a mente para dias de comichão e mais comichão.  

Os nativos há muito que optaram pela segunda hipótese e estão de tal forma preparados que já deixaram de se importar. Não pense em atingir este karma nuns poucos dias de visita. É algo que se conquista com o tempo. Muito tempo.

Costa Sul: Beleza Interior mas acima de tudo Litoral

Uma vez que estávamos alojados na costa virada para o Brasil, a única com estrada asfaltada (que percorríamos mais que uma vez ao dia) e depois dos passeios que tínhamos já feito, faltava claramente explorar o sul da ilha. Era esse o próximo plano a levar a cabo. No dia seguinte, saímos bem cedo e fomos espreitar a secção que ficava do porto da balsa para baixo. Com um visual bem mais agradável que a zona a norte, ali, as pequenas praias ou meras enseadas sem areal sucedem-se: Praia da Feiticeira, Praia do Julião, Praia Grande, Praia do Curral. Para o lado oposto, o cenário é grandioso. Picos imponentes que dão lugar a encostas longas forradas por árvores majestosas.

Curiosamente, o grandioso é também harmonioso nesta área da ilha. Algo que nem só o domínio altivo das montanhas luxuriantes explica. São também as capelas que dão para o mar, a estrada estreita que parece que vai ser engolida pela vegetação a qualquer momento e a presença discreta mas simpática da Ilha das Cabras. É tudo isto mas muito mais.

Guias: Brasil+