Esconder Legenda
Mostrar Legenda
"O Pequeno Tibete Português"

"O Pequeno Tibete Português"

Os longos socalcos abaixo da aldeia de Porta Cova que se estendem até Padrão.

Peneda-Gerês, Portugal

Do "Pequeno Tibete Português" às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo ao vale do Vez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de “tibetanas”.  Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras minhotas.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


É profundo como o tempo que o escavou o vale por que serpenteamos desde que a floresta encantada de Lamas de Mouro ficou para trás.  Detemo-nos pelo caminho para examinarmos uma colónia de plantas carnívoras carmesins sempre ávidas de insectos incautos. Distraídos pelo tema e pela imponência dos cenários das encostas, as torres da Nª Senhora da Pena surgem como uma miragem acima da vegetação frondosa. Contornamos o templo. Detemo-nos de frente para a sua fachada de granito e alvenaria branca e da fraga cinzenta que rasga o céu estival.

Em pleno Verão, já não lá flui a Cascata da Peneda. O firmamento mantém-se tão azul e imaculado como estaria em 1220, quando se diz que a Nª Senhora das Neves apareceu a uma pastorinha numa atmosfera pouco condizente com o epíteto. Segundo a lenda,  a visão deu-se a um 5 de Agosto. Não estaria sequer fresco.

Em anos recentes, à laia de Fátima, a Srª da Peneda ganhou a sua própria feira. Quem a visita, fá-lo com fé e com tempo. Tempo para ascender as centenas de degraus e se refugiar na nave elevada e desafogada, numa espécie de Via Verde comungante para Deus. Fá-lo com tempo para espreitar as lojas e bancas repletas de itens religiosos e profanos; de se sentar à sombra das árvores do adro vasto adiante e de recuperar as forças.

Um grupo de amigos cinquentões regressa ao fundo do escadório das Virtudes, recém-passados pela Fé, a Esperança, a Caridade e a Glória, as estátuas que a adornam. Instalam-se na roulotte imediata. Lá se entregam a cervejinhas geladas e a vinhos frisantes, a petiscos de pão com presunto e até a churros e farturas que consolidam a generosidade do repasto.

Regressamos ao caminho. Apontamos a sul. O vale conflui  noutros tantos. Detemo-nos num miradouro de beira da estrada. De lá apreciamos a Srª da Peneda já ínfima. O recorte complexo dos montes em redor, a aldeia quinada de Tibo e a Lagoa dos Druidas, numa eminência bem mais rugosa de Espanha. Prosseguimos vertente acima, na direcção oposta àquele estrangeiro familiar e Serra do Soajo adentro, não tarda por uma estrada rude de terra batida. As povoações somem-se. Ficamos entregues a um planalto forrado de fetos e tojos conviventes. Neste alto ermo, os habitantes são as vacas cachenas, farruscas de se enlamearem ou passarem em zonas ainda tostadas por fogos do Verão passado. 

Atravessamos o rio Vez nascido há uns meros metros e que ali irriga um extenso urzal. Vislumbramos o primeiro dos dois fojos do lobo da zona, grandes muros em forma de V, com vértices armadilhados onde, até cerca de 1930, um batalhão de pastores encurralava as feras e as exterminava.

A pastorícia e a transumância fazem, há muito, parte destes domínios. De tal maneira que integraram a paisagem. À esquerda da via e à distância, três ou quatro cachenas parecem contemplar o vale profundo do rio Castro Laboreiro, destacadas contra um muro celeste de cumulus nimbus. Entre nós e as vacas, estão mariolas, as pilhas de pedras que os pastores erguiam para se orientarem na névoa. Na encosta abaixo da cachena contemplativa, jaz um castro enigmático de portelhos, as cabanas complementares em que se abrigavam do frio e das intempéries.

Contávamos encontrar garranos. Por alguma razão que desconhecemos não vemos um que seja. Isto até que nos aproximamos da falda sudoeste da serra, mais exposta às nuvens e à humidade. Quem sabe se por o pasto lá ser refrescado, é dali para baixo que os cavalos se concentram, em manadas territoriais, algumas com potros recém-nascidos, sobrevoadas por bandos de abutres atentos a possíveis desgraças.

Chegamos ao sopé da serra e das Lagoas da Travanca. Luís Fernandes, o anfitrião destas paragens, instala-nos no parque de campismo da terra e prenda-nos com um lanche de broa, presunto e marmelada a que nos entregamos agradecidos e sem cerimónias. Passamos pela Porta do Mezio – uma entrada ampla e sofisticada para o PN da Peneda-Gerês, de onde descemos a tempo de pernoitar em Arcos de Valdevez.

Despertamos revigorados. Espreitamos a vista da varanda do hotel Piemonte mesmo acima do rio Vez que ali flui sob uma das pontes históricas mais emblemáticas do Minho.

Regressamos à Serra da Peneda, em busca dos talvegues em que se instalou Sistelo e as aldeias vizinhas. Necessitados de terrenos de cultivo neste reduto enfiado entre ladeiras, os nativos retalharam-nas em socalcos. Criaram tantos e tão seguidos que, sem consciência do facto, moldaram as terras à imagem de outras asiáticas – vietnamitas, chinesas, indonésias, filipinas - em que há milénios o arroz assim é plantado. Por um qualquer desvio do paralelo, o lugar viu-se apelidado de “Tibete Português”, quando os cenários místicos do Tecto do Mundo são terrosos e inóspitos, destoantes do Sistelo verdejante que, não tarda, temos em vista.

Uma névoa matinal que cai das alturas da serra. Em vez de aguardarmos que o sol empinasse e a expulsasse, subimos à Branda de Alhal, uma das muitas povoações transumantes erguidas pelos nativos para garantirem os melhores pastos ao seu gado também durante o Verão. O nevoeiro é, ali, tão denso quanto possível. Concede-nos apenas silhuetas de alguns muros e casas e a visão de uma cachena fantasmagórica que um residente enfia à pressa no curral. Exploramos a base da povoação inclinada. Sem aviso, um vulto lutuoso, apoiado num cajado, anunciado por um podengo felpudo, desce um caminho íngreme de cabras e saúda-nos. Cláudia Fernandes - a cicerone destas paragens - apresenta-nos de maneira a nos distinguir das bateladas de turistas que agora afluem à região, ao ponto de deixarem os moradores avessos a que os fotografem e, como já aconteceu “depois lhes façam maldades no Facebook”.

Mais à vontade, a Dª Júlia predispõe-se para a conversa. Perguntamos-lhe a graça dos cães. A resposta diverte-nos. “O meu marido é que lhes põe os nomes. Essa aí é a Luena. Há uma Milú, olhem... os outros já nem sei bem.“ Ao que apuramos, o esposo inspirava-se nas novelas da TV que o isolamento e as noites frias e ventosas lhes impingiam para o serão.

Metemo-nos por um caminho muralhado que entra por uma floresta lúgubre de enormes pinheiros exógenos. Do lado de lá, encontramos um núcleo de portelhos musgosos, dispersos no fetal ensopado pela névoa, uns mais preservados que outros. Apreciamo-los por uns bons vinte minutos. Quando o nevoeiro cede, regressamos ao jipe e baixamos a uma meia altura panorâmica da serra.

Empoleirados sobre rochedos, cercados por tojos, apreciamos os socalcos entre as aldeias de Porta Cova e de Padrão. Deslumbrante, o panorama listado mantém-nos entretidos por mais meia-hora. Após o que regressamos ao asfalto e apontamos à aldeia que ficou com o crédito, a agora demasiado notória Sistelo.

Conta trezentos habitantes a população há muito decrescente da aldeia medieval em que, em tempos, a Ordem de Malta terá detido propriedades e influência. Hoje, fruto do triunfo na categoria “Aldeias” do concurso das “7 Maravilhas de Portugal”, alguns moradores prosperam com os visitantes. Outros, lamentam-se pelo excesso de malta que invade a povoação, que lhe rouba a tranquilidade e genuinidade.

Espreitamos a velha igreja matriz e os espigueiros alinhados à beira da rua principal, baptizada em honra de Manuel António Gonçalves Roque (1834 – 1855), primeiro e único visconde do Sistelo, desde cedo emigrado no Brasil onde fez a fortuna que aplicou na terra-mãe – caso do seu Castelo - e em instituições de caridade brasileiras e portuguesas.

Com o fim da manhã, afluem mais excursões de estrangeiros, grupos de escuteiros, de forasteiros irrequietos em geral. Tínhamos muito por explorar pelo que a hora nos parece ideal para regressamos a Arcos de Valdevez.

Despedimo-nos de Cláudia. Viajamos 20km para leste e damos com Soajo. Soajo é dona do seu próprio núcleo de 24 espigueiros benzidos por cruzes, claro está, dispostos numa ampla eira comunitária instalada sobre uma laje de granito, sobranceira aos campos cultivados e à estrada que ali cruza a povoação.

O café em frente está à pinha. Anima os clientes com cerveja gelada e música popular. Rosinha e o seu “pacote” convidam à dança até os turistas estrangeiros concentrados em decifrar o intrigante monumento agrícola, construído há mais de dois séculos, mas que os camponeses da freguesia continuam a rechear de espigas preciosas.

Os espigueiros de Soajo não seriam os últimos no nosso caminho. Prosseguimos para leste, lado e lado com o rio Lima que, uma vez mais na raia de Espanha, nos conduz à barragem de Lindoso. Cruzamo-lo pela crista da represa. Alguns meandros de asfalto depois, vislumbramos a torre do castelo da povoação. Pela animação no interior, depreendemos que lá decorre uma qualquer festa privada. Contornamos as muralhas. Mais cedo do que esperávamos, damos de caras com a eira local e com os seus cinquenta e tal canastros, de longe, o maior conjunto de Portugal.
Uma senhora repete vaivéns ao comando de um carrinho-de-mão. Às tantas, já nos custa conter a curiosidade. Pedimos-lhe que nos revele o afazer. “Olhem, ando a mudar as espigas de um espigueiro para o outro. Calhou-me esta sina!” responde-nos a encolher os ombros. Uma qualquer regra ou conveniência da eira teria ditado tal castigo, em absoluta dissonância com as pândegas que se arrastavam em redor: a circunscrita ao castelo; em simultâneo, um casório de emigrantes, com os noivos e as famílias e amigos em fatos e vestidos demasiado lustrosos para o cenário rural pitoresco em que Lindoso os acolhia.

Um prateado crescente apodera-se do céu para ocidente da Serra Amarela, enquanto a banda sonora distorcida pelo granito da fortaleza animava o fim da tarde. Apesar de erguido no longínquo reinado de Afonso III e de se situar numa posição fronteiriça estratégica, o castelo da aldeia nunca foi palco de uma grande batalha. Malgrado o aparato das celebrações, Lindoso terminaria o dia na paz de trazer por casa que Sistelo tanto anseia recuperar.

 

Os autores agradecem às seguintes entidades o apoio prestado à realização desta reportagem:

NATURE4 -  Reserve as suas actividades no PN PENEDA-GERÊS em www.nature4.pt 

ENTIDADE DE TURISMO DE PORTO E NORTE www.portoenorte.pt