Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Memória de borracha

Memória de borracha

Caboclo Sôr Tomé reconstitui o processamento secular da seiva da árvore-da-borracha.

Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Do 12º andar de um tal de hotel Taj Mahal, o horizonte recuava várias dezenas de quilómetros e desvendava-nos o Teatro Amazonas no seu entorno secular: o vasto rio Negro a oeste, antecedido por uma curiosa mescla de casario histórico, de vegetação tropical exuberante e de torres habitacionais ou de escritórios projectadas bem acima. Lá longe, insinuava-se a ponte moderna sobre o Rio Negro e uma raia de habitação marginal, quanto mais distante, mais disforme e abarracada.

Não estávamos hospedados naquele hotel pelo que fizemos estender o favor da subida panorâmica até mais não. Provou-se o suficiente para assistirmos ao anoitecer a instalar-se, a praça a encher-se de gente e a animar-se, samba ou sertanejo a ressoarem, esplanadas à pinha inundadas de cervejinha e de conversas sem cerimónias nem fim.

Nos dias que correm, Manaus é este mundo represado, euro-tropical e muito mais. Expandiu-se da sua beira-rio e invadiu 11.500 km2 de floresta amazónica. Uma comitiva exígua de colonos intrépidos e receosos da vastidão em que os haviam metido e, em particular, dos nativos hostis, transformou-se numa população multiétnica e multicultural de 2.600.000 almas entregues à selva, a urbana de Manaus, não a natural em redor. Quem vem dar a estas paragens depressa se intriga sobre o que as tornou possíveis.

Após a restauração da Independência e da velha rivalidade colonial, os portugueses viram-se beneficiários da União Ibérica que aproveitaram para tomarem conta do interior do Brasil. Também se mantiveram alerta contra as pretensões dos rivais hispânicos de sempre e das dos holandeses, estes, com quartel-general no Suriname. Em 1668, construíram o forte de São José da Barra do Rio Negro, no coração da Amazónia e junto à confluência de duas das suas mais importantes artérias, o Negro e o Solimões. Ergueram-no em rocha e argila com o auxílio dos indígenas e de mestiços. Muitos, acabaram por ali se fixar. Chegados os fazendeiros portugueses e os seus escravos, a população aumentou de forma exponencial. De tal maneira, que vários grupos missionários alinharam no investimento evangélico da capela de Nª Senhora da Conceição, entretanto nomeada padroeira da povoação.

Num outro fim de tarde, os bancos de jardim da Praça de São Sebastião são ocupados por jovens amigas cafuzas, de pele quase negras, olhos amendoados e cabelos escorridos como os dos indígenas de tantas tribos nativas da selva circundante. Um casal chinês de meia idade ralha aos filhos em mandarim, estes ignoram-nos e bulham em português abrasileirado. Várias bancas da mini-feira que por ali se instalou são exploradas por pequenos comerciantes indianos ou com raízes no Médio Oriente. O Bar do Armando, com os seus cabeçudos do festival Bumba Meu Boi e uma grande bandeira portuguesa, lado a lado com a brasileira, entre outras, menores, de outros países pertence à Igreja mas é há muito explorado por uma família lusa. Enquanto serve cervejinhas ao balcão, o empregado Oriane explica-nos melhor como. “O sôr Armando faleceu faz tempo. Agora quem ficou com o bar foi a filha. Mas a família dele era patrícia a sério. Eu creio que vieram lá do lado de... como se chama mesmo... ah é isso, é Coimbra.”

Um festival cultural evolui em frente ao teatro. Ali, um grupo coral juvenil entoa êxitos musicais recentes da Disney: Rei Leão, Pocahontas e afins. Por essa hora, a missa termina na Igreja de São Sebastião. Os crentes juntam-se à multidão e rendem-se ao apelo profano da noite. Tão sagrado como inconveniente, o padre havia ordenado um encerramento explosivo da eucaristia. Os foguetes rebentam acima do templo, iluminam a sua torre pontiaguda e os sinos em não menos histérico repique. Em dueto, o ribombar da pólvora seca e o badalar do campanário infernizam a noite, sobretudo a vida do grupo coral que, com tanto ruído, canta pró boneco. No interior do teatro, ao invés, uma audiência endinheirada delicia-se, sem interferências, com uma ópera grandiosa.

Há muito que o Teatro Amazonas é o edifício amazonense dos edifícios. O mais importante símbolo civilizacional de todo o estado. E, no entanto, foi uma mera árvore da Amazónia - a Hevea brasiliensis - que o viabilizou e que, durante mais de um século, fez de Manaus uma improvável “Paris na Selva”.

No século XVIII, vários colonos e cientistas tinham já reparado em como os indígenas usavam a seiva solidificada dessa árvore para impermeabilizar calçado e vestuário, entre outros fins. As primeiras amostras chegaram a França e o seu uso europeu foi inaugurado em 1803, em suspensórios, elásticos de soutiens e outros. Mais tarde, a empresa americana Goodyear descobriu o processo de vulcanização e a borracha dotou os pneus de veículos que, a Ford não tardou a vender em massa.

Após a Cabanagem, a população de Manaus aumentara mas a selva densa e ensopada em redor, a inexistência de metais ou pedras preciosas e os 1600km a que se situava da foz do Amazonas e do litoral barravam o seu desenvolvimento. Até que, no fim do século XVIII, o culminar da Revolução Industrial na Europa e América do Norte reclamou mais e mais borracha, comodidade híper-valiosa exclusiva da Amazónia.

Investidores europeus e das Américas afluíram para a selva de que Manaus era o único entreposto digno desse nome. Instalaram-se na cidade ou em fazendas. Compraram vastas parcelas de selva que preencheram com plantações da árvore-da-borracha. Ávidos de mão-de-obra, forçaram os indígenas a assegurar a extracção. Em certas áreas, os nativos – pouco talhados à submissão e a tarefas repetitivas que não lhes faziam qualquer sentido – não resistiram à escravatura, à brutalidade e às doenças disseminadas pelos colonos. Morreram aos milhares. Indiferentes, os novos Barões da Borracha limitaram-se a empregar uma vaga de recém-chegados desejosos de se submeter aquelas provações.

Em 1877, uma terrível seca assolou o Nordeste Brasileiro, sobretudo o estado do Ceará. Muitos nordestinos migraram para a que sonhavam como “Terra da Fortuna”. Lá habitaram cabanas precárias nos arrabaldes da cidade e, entregues ao ilusório sufoco do latex, continuaram a enriquecer os barões. Manaus beneficiou por tabela. Foi promovida a capital borracheira do mundo, viu-se dotada de energia eléctrica e de tantos outros luxos, antes de muitas cidades europeias. O francês e os modos afrancesados eram a moda ostentatória da época. Quem não falasse francês ou se comportasse afim, sentia-se diminuído perante os co-cidadãos. Quando passeamos pelas ruas vetustas, cosmopolitas e sobrepovoadas de Manaus, a prova dessa velha francofonia surge, bem óbvia, na arquitectura e até nos nomes dos estabelecimentos de outros tempos. Entre outras, uma fachada de prédio de esquina, toda ela rendilhada, impinge-nos um belo e amarelo “Au Bon Marche”.

Sob o pseudónimo de Robin Furneaux, Frederick Robin Smith, um historiador britânico, descreveu a abundância deste período. “Nenhuma extravagância, por mais absurda, detinha os barões da borracha. Se um comprava um enorme iate, outro exibia leões amestrados na sua propriedade e um terceiro daria champagne aos seus cavalos.”

Enquanto somos guiados pelos recantos do teatro-ópera da Amazónia, percebemos melhor como se revelou o mais faustoso destes caprichos. Em plena Belle Époque, terá sido proposto em 1881, por António Fernandes Junior que teve a visão de uma joia cultural no coração da floresta amazónica e conseguiu a aprovação da Casa dos Representantes. O projecto foi levado a cabo por um gabinete de engenharia e arquitectura de Lisboa e a construção seguiu a cargo de um arquitecto italiano. A condizer, inaugurou-o La Gioconda, de Amilcare Ponchielli.

Chegado o ano de 1912, os barões “brasileiros” da borracha não puderam sequer assistir à maior das suas tragédias. Sem que ninguém soubesse, o explorador inglês Sir Henry Wickam, transpôs dezenas de milhares de pés da árvore-da-borracha para territórios britânicos com clima semelhante ao da Amazónia, menos isolados e com custos de produção, por comparação, reduzidos. O monopólio brasileiro depressa murchou.

Viciada na opulência, Manaus viu-se em declínio e abandonada por todos os que puderam partir. O teatro fechou para boa parte do século XX, à sombra do colapso da iluminação que, antes assegurada por geradores, passou a ser alimentada, à mão e candeeiro a candeeiro, por gordura dos famigerados manatins amazónicos. O casario resplandecente ficou entregue ao tempo e à humidade, o mesmo vapor clorofilino que nos faz suar a bom suar enquanto admiramos a deliciosa decadência da zona ribeirinha-portuária da cidade, a azáfama do Mercado Municipal Adolpho Lisboa (baptizado em honra de um dos mais estimados prefeitos de Manaus) e a frota garrida de navios que asseguram o transporte pelas artérias fluviais da Amazónia.

A 2ª Guerra Mundial – quando o Império Nipónico ocupou os principais territórios asiáticos produtores – despoletou um segundo boom da borracha que pouco mais durou que o conflito e não evitou o agravamento de um vazio demográfico da região amazónica.

Volvidos vinte anos, um governo brasileiro mais atento e obcecado pela modernização dos confins do país fez de Manaus uma zona franca com fortes estímulos financeiros, acessível por uma rede de novas estradas. Gerou assim, um fluxo de investimento que atraiu milhões de novos habitantes, como o investimento, nacionais e estrangeiros.

Manaus confirmou-se uma das urbes mais populosas da nação e um dos seus principais polos turísticos. Provou-se, até, suficientemente importante para acolher a sempre polémica e esbanjadora construção de um novo estádio de futebol e se assumir como uma das sedes do Mundial FIFA de 2014. Inúmeras indústrias substituíram a antes exclusiva exportação da borracha e, na actualidade, asseguram a expansão constante da cidade.

O teatro, esse, recuperou a sua aura, no início dos anos 80. Por essa altura, o realizador Werner Herzog recuperou-o no seu épico “Fitzcarraldo”. Hoje de culto, o filme abordava a história de Brian Sweeney Fitzgerald, um empreendedor e amante de ópera irlandês residente em Iquitos, quando também esta cidade peruana prosperava à conta da exportação de borracha. Mais romântico que empreendedor, Fitzgerald perseguiu um plano lunático de construir uma ópera à imagem da mais conceituadas da Europa numa zona de selva com acesso fluvial atroz, habitada por indígenas intratáveis.

Sem querermos desvendar o desfecho, dessa sua era proveitosa em diante, Iquitos evoluiu para a capital peruana da borracha e, mais tarde, da Amazónia Peruana. Ainda assim, hoje, abriga menos de 500.000 habitantes. O único teatro-ópera da Amazónia sul-americana é o de Manaus.

Guias: Brasil+