Esconder Legenda
Mostrar Legenda
A galope

A galope

Joquéis conduzem camelos numa eliminatória da corrida de camelos do festival, realizada nas Sam Sam Dunes, a 40km de Jaisalmer.

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Dia 1 - O Desfile

O encanto da noite passada no cimo da fortaleza de Mil e Uma Noites de Jaisalmer e o cansaço acumulado durante a longa viagem desde Varanasi (26h seguidas a bordo do Howrah – Jodhpur Express mais 5h de autocarro) fazem-nos ignorar o despertador. Desperta-nos o receio de perdermos a inauguração do Festival do Deserto da cidade. Levantamo-nos, assim, em sobressalto, rearranjamos as mochilas e saímos disparados. Percorremos as ruelas cimeiras do forte. Descemos quase em corrida até à sua entrada onde, provavelmente por ali passar o cortejo, nenhum dos riquexós da habitual frota lá nos esperava. Prosseguimos por outras vielas sinuosas até darmos com o Satya Dev Park e com a Gadisar Rd. a avenida desafogada nas imediações do lago homónimo. A comoção e a confusão geradas pelo evento concentram-se por ali e as iniciativas voluntariosas dos polícias e sinaleiros pouco ou nada as aliviam. Atravessamos a Gadisar Rd. Do lado de lá, distintos agrupamentos de músicos, dançarinos e de donzelas trajados à boa moda sedosa e exuberante do Rajastão, convivem e ensaiam os seus dotes. Um grupo de pauliteiros exibe distintas coreografias, o carmesim dos angrakhas, dos dhotis e pyjamas e o laranja intenso dos pagaris, os turbantes simples ou elaborados usados pelos rajputs em geral e que, em muitos casos, definem a casta a que pertencem, a sua religião, e até o seu estatuto social e económico.

Para cima na rua, centenas de damas rajastanis envoltas em ghagras (espécie de saris) garridos, enfeitadas com a prolífica bijuteria da região e com as mãos adornadas por intrincadas pinturas mahendis, portam, cada qual, uma vasilha de metal à cabeça. Aguardam aquém de uma fila paralela de músicos de uma banda montada em camelos e dromedários. Na dianteira da parada, uma dançarina transexual hijra em vestes tão ou mais exóticas que as demais damas concentra as atenções do público com a subtileza e a sensualidade de um complexo rodopio.

Por fim, os músicos recebem indicação para tocarem em marcha e inauguram o cortejo Shoba Yatra. Corremos para os anteciparmos. Não tardamos a perceber que o desfile subiria a rua por que havíamos chegado.

Jaisalmer tinha adiado por algumas horas a azáfama habitual do seu dia-a-dia para assistir ao cortejo. Na expectativa, milhares de espectadores entusiasmados disputavam ambos os lados das ruela, ora sobre o asfalto, ora um nível acima, sobre os passeios elevados na extensão das fachadas das havelis, os edifícios seculares de arenito, rendilhados e encantadores, da cidade.

Passam por nós os músicos. Seguem-se os pauliteiros e as dançarinas. E, logo, uma comitiva de foliões, distinguidos por vestimentas brancas coroadas por turbantes cor-de-rosa. Livre de qualquer exibição artística, a sua troupe celebra o dia e o festival como nenhuma outra, entregue a cânticos populares e a pregões que entoam, uns virados para os outros de mãos apontadas ao céu. Sucedem-se os músicos da banda montada a camelo e outros participantes, com direito a tal montada por ostentarem alguns dos bigodes e/ou barbas mais longos e deslumbrantes do Rajastão.

O desfile contorna o sopé da encosta que acolheu o forte e a rotunda de Hanuman. Corta para a avenida homónima e desvia para o interior do estádio Sahid Poonam Singh. Como seria de esperar nestas partes áridas da Índia, o recinto é de terra batida. De acordo, à sua passagem, os camelos levantam uma poeira que o vento atira sobre a bancada do recinto, repleta de crianças e de mulheres que, enfiadas em saris vermelhos, laranja e rosa formam a assistência mais garrida que alguma vez pudemos apreciar.

O desfile encerra-se diante deste público folclórico, mas também do mais altivo e formal da bancada VIP, preenchida com políticos e altos dignitários vindos de diferentes partes da India e do estrangeiro para, com a sua presença, honrarem e louvarem Jaisalmer e o festival.

Então, os camelos são conduzidos para fora do estádio.  Os restantes desfilantes debandam para a aridez do campo de futebol onde se deixam fotografar com o público ansioso. Pouco depois, removem parte dos trajes da cerimónia que, debaixo do calor do meio-dia, os oprimem e fundem-se com a multidão, já dividida em sectores estabelecidos por cordas.

Seguem-se diversas competições de que se destacam as provas de Mr. Desert - em que competem os bigodes mais longos e felpudos do Rajastão - e uma outra de colocação de turbantes. Esta, tem início com uma disputa mais séria levada a cabo pelos concorrentes nativos. E continua com outra que envolve participantes forasteiros, entre os quais, um ou dois portugueses. Os eventos do dia são encerrados uma hora depois, a tempo de evitar que a fornalha verspertina causasse baixas. Regressa à noite, de novo num modo de palco, com música ao vivo, acrobacias dos ginastas locais Kalabazes, espectáculos de encantadores de cobras, de marionetas e fogo de artifício.

 

Dia 2 – Esplendor a Camelo

Na manhã seguinte, acordamos a horas. Com tempo inclusive para o pequeno-almoço que o atraso nos forçara a saltar na anterior. Às nove, já dividimos um riquexó com outros passageiros, também eles a caminho do estádio Dedansar, à imagem do Sahid Poonam Singh, um mero pelado dotado de uma bancada solitária.

Quando chegamos, encontramos dezenas de rajputs altivos, cada qual sobre o seu camelo, qualquer um dos animais trajado com um casaco multicolor pitoresco de pompons de lã e de berloques que pendem e oscilam abaixo do dorso dos animais, alguns com miniaturas de bandeiras indianas projectadas das cabeças. Os rajputs sentados entre as suas bossas, por sua vez, estão vestidos de branco, coroados por turbantes especiais com faixas de várias cores.

Quando a competição é inaugurada, desfilam bem hirtos sobre as montadas e empunham distintos tipos de espadas e sabres característicos dos seus clãs ou batalhões. Outros, sem filiação militar, seguram guarda-sóis vermelhos e amarelos tradicionais. Os júris nas bancadas analisam os sucessivos participantes ao pormenor enquanto, para cá e para lá, estes se tentam impingir aos seus votos. Não tarda, os pauliteiros da manhã anterior e outros músicos entram em cena para animar as hostes até o anúncio dos resultados. Ao que se segue-se um cabo-de-guerra entre uma equipa local e uma composta por estrangeiros. O programa continua com uma longa partida de polo a camelo, disputada, claro está, entre duas dotadas equipas indianas.

Mais ou menos a metade do jogo, decidimos regressar à cidade. Fugimos a uma vaca enlouquecida que dissemina a confusão à saída do estádio e metemo-nos num riquexó já recrutado por dois polícias. É a conversa com este inesperado duo da autoridade que regressamos à nossa base no cimo do forte de Jaisalmer.

 

Dia 3 – Por fim, as dunas do Thar

No seu derradeiro dia, o festival muda-se em peso para as dunas Sam Sam, situadas a pouco mais de 40km a oeste de Jaisalmer, e a uns poucos do Paquistão. Nós, seguimo-lo. Descemos do forte até à rotunda de Hanuman. Lá regateamos lugares num dos jipes que asseguravam transporte para o deserto. Acabamos por o partilhar com Adil, um turista gujarati à descoberta do Rajastão. Chegamos às dunas bem antes do início das hostilidades. A tempo de negarmos centenas de vezes os passeios a camelo que nos propõem os proprietários dos animais disseminados por quase um quilómetro, em ambos os lados da estrada.

Faz um calor ainda mais atroz que o de Jaisalmer. De acordo, refugiamo-nos os três num pasquim ali próximo. Salvos pela sombra do humilde café, bebemos refrigerantes e partilhamos batatas fritas. Entregamo-nos a uma cavaqueira animada sobre as peculiaridades do Rajastão, a riqueza cultural da Índia e a da história colonial indiana de Portugal. “Sei que a nossa Diu foi até algum tempo portuguesa. Goa, também, certo? A Diu já fui mais que uma vez, a Goa ainda não. Tenho que tratar disso.”

A meio da conversa, reparamos numa pequena manada de vacas que deambulava estrada fora. No cenário em que estávamos, aquela visão tinha o seu quê de surreal pelo que pedimos umas desculpas aceleradas, nos despedimos e perseguimos os animais até se desviarem da via para um descampado cheio de lixo.

Entretanto, boa parte dos visitantes instalados em Jaisalmer deram entrada nas Sam Sam dunes e aquele reduto híper-turístico do Thar ficou a entregue a uma multidão desejosa de evasão e de diversão.

Malgrado o braseiro que ainda se fazia sentir, passeamos a pé pelas dunas, entre grandes clãs de homens de etnias Bhil, Bishnoi e outras e os seus camelos, sempre a resistimos às repetidas ofertas de passeios.

Por volta das 17h30, uns enquanto espectadores, outros como participantes, todos eles atravessam a estrada e tomam posição para a corrida de camelos prestes a começar. Os polícias presentes forçam o publico a alinhar-se ao longo de duas cordas estendidas nas extremidades do descampado poeirento que servia de pista.

Após um longo compasso de espera, os camelos e os jóqueis lá saem disparados do sopé de umas dunas distantes, galopam na nossa direcção e na da tenda de campanha que servia o certame.

A competição realizava-se por eliminatórias. Aquela correria repetiu-se, assim, várias vezes até que um duelo final apurou o vencedor.

Excitada com a aura da entrega dos prémios, a multidão ignora o espartilho da cordas. Engole os participantes e venera o vencedor como o herói do deserto a que, triunfo após triunfo, se havia promovido. Mas, como declarara aquele semideus das areias, a corrida também designou o mais dramático perdedor. Um dos camelos tinha partido uma perna. Debatia-se com um enorme sofrimento. Para desgosto do dono, o veterinário de apoio examinou-o. Sem vislumbrar esperança de cura, injectou-lhe uma qualquer substância e pôs-lhe cobro à vida.

A multidão em êxtase pouco ou nada se deixa afectar pelo revês. Finda a cerimónia, volta a cruzar a estrada e invade as dunas que ali, para sul e rumo ao Paquistão, ascendem a alturas majestosas. Os donos dos camelos puderam por fim facturar com os incontáveis passeios camelídeos que proporcionaram. Num vale arenoso ali próximo, outra atracção espontânea e gratuita competia com a sua oferta. Vários motoqueiros locais circundavam as dunas a grande velocidade, numa espécie de Poço da Morte do deserto que reuniu e manteve absortos umas boas centenas de curiosos.

O sol não tardou a mergulhar para trás do vasto Thar amarelado. Inspirou incontáveis fotografias de grupo e ainda mais selfies. Quando o deixámos de volta a Jaisalmer, o concurso de papagaios de papel tinha já terminado.  Vários resistentes faziam os seus cirandar naquele céu seco e quase-escuro do Rajastão prestes a acolher o Universo.

Guias: Índia+