Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Um "pequeno" Himalaia

Um "pequeno" Himalaia

Vista do Monte Lamjung Kailas Himal, um irmão mais novo das Annapurnas, mesmo se se eleva a uns imponentes 6.983 metros. A partir de Chame.

Circuito Anapurna: 2º Chame a Upper Pisang, Nepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


A ansiedade acumulada no dia anterior, a hora tardia a que já nos deitámos e o aconchego dos sacos-cama de penas para 20º negativos aliaram-se num efeito soporífero que nos prolongou o sono um pouco mais do que contávamos. Despertamos curiosos quanto ao que a meteorologia nos reservava. Recolhemos os cortinados e abrimos as janelas semi-pintadas de madeira. Um sol radiante invade-nos os aposentos. Expõe, mais nua que tínhamos até então podido admirar, o encanto espartano do Himalayan Hotel.

Deixamos o quarto apostados na vista panorâmica da varanda acima do pátio de entrada. O dia anterior tinha-se retirado mal disposto, nublado, ventoso, a ameaçar chuvada ou nevão. O nevão caiu durante a madrugada, se bem que só nas alturas. Para diante e acima, empoleirado sobre encostas mundanas, insinuava-se o cume do Lamjung Kailas Himal, um irmão mais novo das Annapurnas, mesmo se se eleva a uns imponentes 6.983 metros. A neve nocturna havia-lhe renovado a alvura. Fazia o Lamjung Himal brilhar contra o céu azulão como um chamamento a que não podíamos mais resistir.

Àquela hora que se fazia tardia, sucediam-se na rua abaixo pelotões de mochileiros entusiasmados. Desejosos por nos juntarmos à sua peregrinação, arrumamos as mochilas meio à pressa e descemos para a sala de refeições. Na noite anterior, tínhamos deixado pedidos papas de aveia e chás de gengibre com mel e limão. Dois ou três minutos depois de nos sentarmos, já os estávamos a devorar.

Acertamos as contas e saímos para explorar melhor Chame sob a luminosidade radiante da manhã. Duas mulheres à beira do empedrado que atravessava a povoação rachavam lenha a um ritmo impressionante. Uma avó e os seus netos aqueciam-se na base da escadaria, debaixo do alpendre do lar, entre duas enormes pilhas de gravetos empilhados com sério rigor geométrico.

Desprovidos de electricidade e combustíveis baratos ou de tecnologia, os nepaleses daquelas terras altas apenas para os nossos padrões, careciam de tudo o que mantivesse os fornos e salamandras acessos durante as noites gélidas. Essa necessidade fazia-se sentir na nudez crescente das encostas em redor, em tempos bem mais apetrechadas de pinheiros e outras árvores.

Mais abaixo, um riacho fazia girar uma grande roda de oração tibetana. Precedia várias outras colocadas de ambos os lados de um paredão central, manuais em vez de hídricas, que os crentes de passagem e muitos dos mochileiros faziam rodar à laia de oração centrífuga e muda.

Ao longo da ruela repetiam-se os domicílios de madeira, boa parte deles convertidos nas pousadas que disputavam os forasteiros recém-chegados. Nem tudo em Chame, era espiritualidade e sustento.

Nas imediações da descida que conduzia ao pórtico de entrada na povoação, uma das fachadas distinguia-se das demais. Identificava a sede do partido CPN-UML Communist Party of Nepal- Unified Marxist-Leninist, um dos principais partidos comunistas nepaleses, até à sua fusão de 17 de Maio passado com o CPN (Communist Party of Nepal – Maoist Center) que redundou no NCP (Nepal Communist Party).

Inflamados de comunismo, o intrincado cenário político da nação e o da povoação fizeram-nos lembrar a famosa cena Monty Python de “A Vida de Bryan” em que várias frentes políticas – Judeans People Front, People’s Front of Judea, Judean Popular People’s Front e afins se confundiam e confundiam os seus membros na disputa do poder rival ao dos colonos romanos.

Como os devíamos conceber, era suposto os partidos nepaleses serem incompatíveis com o budismo que se insinuava por toda a parte. Tal coexistência intrigava-nos. Mas não nos preocupava como sucederia noutras zonas do Nepal – por exemplo, em áreas em redor do Monte Evereste – em que forças maoistas continuam activas e subtraem doações aos forasteiros que entram nos seus domínios.

Por ali, por Chame e restante Circuito Annapurna, os nativos veneravam os estrangeiros itinerantes como a fonte de rendimento legal, garantida e fácil que representavam. Faziam-nos contribuir quando pagavam as refeições mais dispendiosas do país, mesmo assim, justas e acessíveis no ver de quase todos os hóspedes, tendo em conta a localização remota das povoações.

Chegamos ao pórtico de Chame e damos meia-volta. Regressamos ao Himalayan Hotel. Despedimo-nos dos rapazes que arrumavam os quartos recém-vagados.

Colocamos as mochilas às costas, sentimos o seu peso excessivo  como uns Atlas caminhantes rendidos à pena imposta pelo fascínio da cordilheira. Com os ombros e as costas já sensibilizados para o castigo, pomo-nos, por fim, em marcha Annapurnas acima.

Àquela hora, o sobe-e-desce enlameado da rua no seguimento do Himalayan acolhia os mais distintos modos de vida de Chame. Todas as suas lojinhas estavam abertas. Impingiam aos transeuntes uma panóplia de mercancias Made in China e Made in Nepal, ou os vegetais, carnes e restantes produtos da horta e do campo fornecidos pelas redondezas. Os proprietários de jipes e motorizadas aguardavam pelos derradeiros passageiros e fretes do dia, atentos às condições físicas dos viajantes que, como nós, passavam tarde e a más horas.

Apreciamos a azáfama comercial sem nos determos. Umas centenas de metros para cima, passamos sobre o Marsyangdi por uma ponte suspensa de ferro repleta de estandartes budistas coloridos que esvoaçavam ao vento. Entre as suas últimas casas dispostas no sopé da vertente rochosa do lado de lá do rio, e galináceos ziguezagueantes, a derradeira ruela da povoação conduz-nos à estupa que abençoava a entrada e saída norte da aldeia. Quando a cruzamos, Chame para fica de uma vez por todas para trás.

Continuámos o caminho pela margem esquerda do Marsyangdi, ora rasa e pouco elevada, ora íngreme e sobranceira ao leito repleto de rápidos. Sem povoações a salpicá-lo, o cenário tornou-se cem por cento alpino, preenchido por abetos, faias e pinheiros encavalitados nas encostas do vale que o rio aprofundava.

Duas horas depois, damos entrada em Bhratang, um lugarejo agrícola ocupado por um grande pomar de macieiras, pelo seu armazém e por uma pousada recente e moderna, que carecia da alma nepalesa de tantas outras e, talvez por isso, estava às moscas.

Outros caminhantes recuperavam energias no pátio ajardinado. Como alguns  deles, compramos um saco de maças encarquilhadas, sobras da já vencida época da colheita. Como eles, roemos duas ou três, reabastecemo-nos de água e alongamos os músculos ainda a estranharem o inesperado massacre. Após o que regressamos ao caminho.

O trecho seguinte revelou-se longo e bem mais extenuante. Sobe acima do Marsyangdi por um trilho que os nepaleses conquistaram à falésia quase vertical por meio de dinamite e muita picareta. Volta a cruzar o Marsyangdi por duas pontes vizinhas, uma suspensa e estreita, outra mais pesadona, em estilo de campanha.

Prosseguimos na base da montanha Swargadwari Danda (4800m), um enorme paredão arredondado surreal, com a sua metade superior coberta de neve, sobre o amplo sopé rochoso.

Superamos as primeiras subidas dignas desse nome, mesmo assim, sem comparação com outras que viríamos a vencer.

Duas horas e várias paragens fotográficas depois, um meandro no seguimento de um vasto pinhal silvestre revela-nos Dhukurpokhari, o lugarejo em que tínhamos planeado deter-nos para novo descanso e almoço.

Saídos de um nada arbóreo e sombrio, avistamos um arruamento preenchido por edifícios modulares elaborados com escadarias que conduziam a terraços protegidos por vedações, tudo embelezado por pinturas listadas, como se ali tivesse lugar uma qualquer competição de carpintaria.

Mal nos veem aproximar, várias proprietárias-empresárias nepalesas colocam-se a postos à entrada das suas estalagens. “Instalem-se, descansem. A nossa comida é mesmo muito boa” tenta a primeira deter a nossa marcha. “Temos tarte de maça e queijo de iaque!” acrescenta a anunciar a disponibilidade de dois dos petiscos mais reputados do Circuito Annapurna.

Numa situação normal, normal seria que não nos instalássemos no primeiro estabelecimento, sem antes darmos uma olhada nos seguintes. Dois factores determinaram que assim acontecesse: estávamos a ficar de rastos. E lá encontrámos Fevzi e Josua, a dupla turco-germânica com quem tínhamos partilhado o jipe entre Syange e Chame. Saudamo-nos satisfeitos pela surpresa. Eles convidam-nos para a mesa. Mesmo se mal nos conhecíamos, “almoçamos” chapatis e chá, em grande galhofa, com a companhia adicional de Sara Perez e Edoardo Berto, um casal hispano-itálico amigo de Fevzi. Os quatro tinham já decidido passar ali a noite e, só no dia seguinte se fazerem a Pisang. Do nosso lado, o plano inicial era dormirmos em Pisang. Durante o almoço, Josua e Fevzi informam-nos que Pisang se dividia em duas áreas - uma “Lower” e uma “Upper”. “Toda a gente nos diz que a Upper é mais difícil mas que tem vistas fabulosas.” afiançam-nos. “Nós não temos pressa, seguimos por lá amanhã cedo.”

O termo “Upper” não ia bem com o peso excessivo que o equipamento fotográfico e outros itens nos forçavam a carregar. Começa por nos deixar de pé atrás. Mas estava na altura de nos vacinarmos para as ladeiras bem mais exigentes que o percurso nos traria. Porque não à conquista da inesperada Upper Pisang?

Terminamos o repasto. Conversamos outra meia-hora. Logo, deixamos os compinchas mochileiros entregues aos seus afazeres de fim de caminhada e ganhamos-lhes avanço.

Cinco minutos de descida para lá de Dhukurpokhari, duas tabuletas douradas à entrada de um vale amplo sinalizavam as direcções opostas das distintas Pisangs.

Ao contrário do receávamos, o trilho da direita prova-se brando. Sobe aos poucos para meia encosta do vale e desvenda-nos a Lower Pisang nas suas entranhas, disposta por ambas as margens do Marsyangdi que nos continuava a escoltar.

Upper Pisang não tarda, estendida encosta acima, bastante acima da irmã. Desde a base da povoação que nos deparamos com as suas pousadas mas, uma vez que tínhamos escolhido Upper Pisang pelas vistas, entregamo-nos a um derradeiro esforço. Partilhamos um dos trilhos exíguos da povoação com iaques e cães felpudos e espreitamos as hospedarias instaladas no seu cimo que pareceriam oferecer os melhores panoramas: a “New Tibet”, a “Teluche” a “Annapurna” a “Mount Kailash”, cada qual com a sua varanda ou terraço destacados acima do casario de pedra.

Eram quase cinco da tarde. O céu punha-se ainda mais fechado e tempestuoso do que já estava à saída de Dhukurpokhari. Mesmo se lá éramos os únicos hóspedes, decidimo-nos pela “Mount Kailash”. Mila, o gerente, acende a salamandra da sala de refeições e chama uma familiar para ajudar a nos tratar do jantar. Naquele momento, falta a electricidade e, claro está, o Wifi que, para não variar, o estabelecimento promovia à entrada.

Jantamos à conversa com o anfitrião. Quando este se ausenta, deixamo-nos adormecer sobre os bancos em redor da salamandra. Uma hora depois, arrastamo-nos para o quarto gélido, aninhamo-nos nos sacos-cama e dormimos tanto quanto conseguimos. Upper Pisang não tardaria a compensar-nos por a termos preferido.

Guias: +