Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Baía profunda

Baía profunda

O casario de São Lourenço, encaixado numa enseada verdejante de Santa Maria.

Santa Maria, Açores

Ilha-Mãe dos Açores há só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


O avião faz-se à costa sul para se alinhar com o princípio da pista, que ocupa uma boa porção do extremo nascente da ilha. Partilharmos a janela oval e acompanhamos a manobra e as vistas inaugurais. Surpreende-nos o castanho-terra predominante. Nas oito vizinhas do arquipélago, o tom monopolista provara-se o verde com desvios de amarelado. Tudo indicava que o derradeiro reduto meridional e oriental dos Açores abrigava a excepção. Santa Maria é o Algarve açoriano, afiançam-nos alguns nativos. “Temos o melhor clima e as melhores praias mas também os Açores mais convencionais. Esperem só até passar para o lá do Pico Alto que já vão ver. Não tardamos a fazê-lo.

Antes disso, já instalados nos arredores de Vila do Porto, invertemos o sentido habitual das coisas e descemos aos Anjos. Encontramos a Ermida da Nª Senhora local de portas fechadas. Por pouco tempo. Ao ver-nos rondar a porta, uma senhora à janela de uma casa térrea ao lado começou por investigar se a Santa Trindade nos avalizaria a visita àquela que se crê ter sido a primeira igreja mandada erguer pelo Infante Dom Henrique nos Açores, em 1439, na sua versão original em madeira e feno, alguns anos depois substituída pela actual.

Aparentemente a guardiã aprovou-a ou, pelo menos, decorreram apenas uns breves minutos até nos aparecer com a chave na mão e uma única, simples prece: “depois, voltem, por favor, a fechar e devolvam-ma.” Um Cristovão Colombo em estátua magnificada de bronze contempla o horizonte do Atlântico mas parece acompanhar-nos os movimentos de soslaio. Mal deixamos o interior singelo mas peculiar do templo, somo nós a revivê-lo e à história da sua passagem efémera pela ilha.

Pouco demorou após o início do povoamento até que a ilha sofresse ataques de piratas e corsários berberes. O próprio Colombo foi vítima desses ataques, se bem que por tabela. No início 1493, regressava da sua viagem de descobrimento da América. A caravela Santa Maria já se havia afundado nas Caraíbas. Em pleno Atlântico, a Niña e a Pinta perderam-se. Colombo conduziu a Niña até Santa Maria. Ao aportar, começou por receber víveres de três dos nem cem habitantes de então. No dia seguinte, enviou um batel com dez homens destinados à Ermida dos Anjos em busca de um sacerdote que rezasse uma missa de graças pela boa fortuna da viagem. A embaixada começou por correr mal. Receosos de que se tratassem de piratas, os moradores, liderados pelo lugar-tenente Capitão João de Castanheira, aprisionaram cinco desses homens. Os restantes fugiram para o navio. Três dias depois, Castanheira conferiu as credenciais de Colombo e acolheu-o. O navegador só deixou Santa Maria seis dias após ter aportado, com o navio reparado e abastecido. Rumou a Lisboa onde chegou sob uma terrível tempestade. A população que acompanhou a nau batidas pelas enormes vagas rejubilou com a sua sorte.

Colombo ficou nove dias em Lisboa e arredores. Neste período que permanece envolto em controvérsia e em que conferenciou com D. João II, ele e a tripulação terão sido recebidos como heróis e recompensados com avultadas dádivas. Uma das mais persistentes teorias históricas defende que, debatida a estratégia diplomática a seguir, o rei português deixou claro que a Espanha deveria concentrar-se nas novas Índias descobertas por Colombo e não interferir com África e o caminho para a Índia via Cabo da Boa Esperança.

Invertemos caminho. Não tardamos a acertar com a estrada de terra para o Barreiro da Faneca. À entrada deste vasto descampado árido, argiloso e ondulado pelas torrentes de água das chuvas, cercado de vegetação arbórea verdejante, partilhamos a sensação de ter aterrado em Marte. De lá, seguimos para o Pico Alto (587 m), o ponto mais elevado daquele retalho terráqueo.

Vencidos os derradeiros degraus, já sobre este zénite florestado contemplamos a ilha a toda a volta, a mesma secção mais seca para sul que tínhamos avistado do avião. E quanto mais meridional, mais ervada e molhada a paisagem. Em 8 de Fevereiro de 1989, os pilotos a bordo do Boeing 707-301 da Independent Air provindo de Bergamo e destinado a Punta Cana pouco ou nada viam em redor antes da ocorrência daquele que se tornou no acidente aéreo em território português com mais vítimas. Uma dupla falha na comunicação entre a torre de comando e os pilotos e, acima de tudo a péssima preparação e desempenho destes fez com que falhassem a altitude de abordagem da pista despenhassem o avião contra o Pico Alto. Isto apesar de a pista do aeroporto de Santa Maria – construída pelos norte-americanos na 2ª Guerra Mundial para reforçar o seu esforço de guerra – receber, a essa data, frequentes Concordes em escalas das suas viagens transatlânticas, como recebeu o igualmente supersónico Antonov 124. Com o passar das décadas, a autonomia das novas aeronaves aumentou. O aeroporto de Santa Maria perdeu grande parte do seu antigo tráfego.

Das alturas comedidas do Pico Alto, descemos, sem percalços, em direcção a Santa Bárbara. Nesta povoação, surpreende-nos a beleza arquitectura. As casas são brancas com esquinas e molduras azuis. Projectam-se delas grandes chaminés cilíndricas que os nativos chamaram “de chaminés de vapor” enquanto repudiam os autores de todas as conclusões de que foram trazidas por povoadores pioneiros vindos do Algarve. A sua verdadeira inspiração terão sido os barcos a vapor em que os emigrantes açorianos partiam rumo às Américas e delas regressavam. Hoje, propulsionam as viagens motores a jacto mas ainda são raros os marienses sem, no mínimo, parentes no Canadá ou nos E.U.A.. Encontramos dois deles a trabalharem na sua propriedade à entrada de Santa Bárbara. Artur e Vítor são irmãos, de apelido Luís. Um tractor chinês chama-os às tarefas. Nós, tudo fazemos para os desencaminharmos para uns momentos de conversa. Tímidos, de início, tentam despachar-nos. Insistimos com a máxima cortesia e humor possíveis. Por fim, silenciam o tractor, adiam os afazeres e dedicam-se só estes compatriotas do continente. Ao contrário de o que acontecera com outros agricultores com quem havíamos contactado em São Miguel, o seu sotaque era-nos perceptível. À medida que todos nos soltamos, o convívio revela-se tão divertido como estimulante.

Vítor Luís é o falador. Artur mantém-se à reserva. Completa, com achegos, o discurso do irmão. Como nos contam, a mãe de ambos tem uns vinte irmãos e eles não conhecem nem metade. “Alguns vivem na América, outros no Canadá. Pois, exacto. É por isso que trabalhamos com bonés destas equipas de lá!” (n.A. equipas de futebol americano de São Francisco e Seattle).

“Vítor confessa-nos ainda, sem qualquer pejo: “a minha mulher tem uma irmã gémea mas é raro eu conviver com a família dela.” Quando arriscamos perceber o porquê, refugia-se na piada. “É melhor assim mesmo. Já viu se eu, depois, me engano.” Vinte minutos depois, deixamo-los entregues aos afazeres. Apontamos para o centrinho de Santa Bárbara que encontramos disposto em redor da igreja homónima. Entramos num café-mercearia, descansamos e recuperamos forças. Prosseguimos, então, em direcção à costa leste. Ao chegarmos ao miradouro do Espigão, no cimo da encosta que esconde São Lourenço, a luz solar incide de forma intermitente nos currais, nas vinhas por eles protegidas, no casario afundado na meia cratera e à mercê do Atlântico para diante. As nuvens filtram essa luz. Tornam a povoação e a sua longa praia ainda mais mística do que a localização extrema já providenciava. Regressamos pela mesma estrada ziguezagueante acima e procuramos pelo Poço da Pedreira, um grande paredão rosado de uma pedra de cantaria mariense que tem, na sua base, uma lagoa em atapetada de relva viçosa. Pouco depois de com ele darmos, desata a chover forte pelo que apostamos na clemência meteorológica de Santo Espírito, a paróquia civil porque passava o eixo rodoviário da ilha. Nos tempos iniciais da colonização, as suas comunidades dispersas de povoadores recolhiam urzela nos penhascos da região de Malbusca bem altos, ao longo do mar. Faziam-no dentro de cestos que faziam descer à altura da falésia em que avistavam os fungos e subir quando terminavam encher os cestos. A urzela assim reunida era exportada para a Flandres onde os artesãos locais a empregavam na coloração de tecidos e outros.

Esta freguesia recebeu o nome por ter sido ali que foi dita missa, pela primeira vez após a colonização da ilha, antes de se mudarem para Santana. Nos dias que correm, o âmago religioso da actual Santo Espírito reside na igreja da Nª Sª da Purificação, de construção do século XVI, barroca em pedra basáltica semi-pintada de branco de forma a constituir um mosaico e com o seu frontispício acrescentado no século XVIII, recortado em formas arredondadas contra o céu. Chegamos a hora de trabalho e nem no bar-banda Recreio Espiritense a povoação se mostra animada.

Seja como for, faltam alguns quilómetros para o derradeiro recanto açoriano a oriente, o mais próximo do Continente português que dali dista 1436 km.

De Santo Espírito para leste, a estrada desce sem parcimónia e concede vistas grandiosas sobre os cenários costeiros abaixo, como o miradouro Vigia da Baleia de onde as antigas sentinelas patrulhavam o Atlântico em busca de cetáceos. Não vemos sinal de baleias mas o panorama do Farol de Gonçalo Velho a meia encostas e a escadaria que além conduzem pejadas de cactos, mantêm-nos entretidos por um bom tempo.

Deixamos de vez a via principal da ilha, com o objectivo de regressámos a Vila do Porto pela costa sul de Santa Maria. Apostamos em achar a Ribeira dos Maloás. Na aldeia de Malbusca, buscamos por alguém a quem procurar o caminho. Em vez de gente, damos com uma porca bamboleante que desce uma canada íngreme e se detém a cheirar-nos o carro, curiosa quanto ao obstáculo quente que lhe barrara a evasão.

Passada meia-hora, lá achamos o monumento geológico. Jazia no fim de um trilho ladeado por cactos, à beira de um abismo que dava para um Atlântico rude mas cristalino e de tons sedutores.

O exacto ponto em que, com o mar iminente, a Ribeira de Maloás se precipita numa queda d’água com cerca de 20 metros, esconde a impressionante Calçada dos Gigantes, formada por várias colunas basálticas pré-históricas. Sabendo o que sabemos hoje, só nos teríamos arrependido de ter ignorado um lugar assim. Nas derradeiras horas de luz, completamos o percurso para Vila do Porto com uma escala estratégica na Praia Formosa que a antecede. 

 

 

ESTA REPORTAGEM FOI REALIZADA COM O APOIO DE:

AZORESAIRLINES.PT

SATA.PT