Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Sonhos e Cocktails

Sonhos e Cocktails

Barmen exibe as suas habilidades a uma Freemont Street sobrelotada.

Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Freemont Street.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


A noite vai a meio mas não param de chegar motoqueiros. Reno fica a mais de 700 km para noroeste do estado do Nevada, uma distância que não chega a importunar estes easy riders norte-americanos, perseguidores destemidos dos eventos que lhes dedicam as cidades mais luminosas e barulhentas do Faroeste dos EUA.

Na procedência, a festa tinha encerrado ao início da tarde. À hora a que chegávamos às imediações da Fremont Street, aquela rua e Las Vegas, em geral, ainda aqueciam. Os bikers desmontavam e desentorpeciam as pernas e os braços que as suas Harley Davidsons e afins condenaram a posições pouco naturais.

John Charles Fremont teve bem mais trabalho para chegar às imediações da via a que emprestou o nome. O explorador foi o primeiro americano a vislumbrar estas paragens e a deparar-se com a grande Sierra Nevada. A narração das suas expedições guiadas pelo emblemático Kit Carson a estes confins ocidentais inspirou várias comunidades mórmones a instalarem-se no vizinho Utah. Tendo em conta o que se passa hoje em Reno, Las Vegas e outras, aqueles colonos religiosos acertaram ao não optar pelo Nevada.

De quando em quando, alguns visitam-nas com o propósito sagrado de alertar os frequentadores da má vida para os pecados. A Fremont Street é, claro está, um dos seus alvos predilectos.

Uma banda de hard rock com roupas negras e ar  gasto ensaia para um concerto que está prestes a inaugurar. Confluem para a frente do palco centenas de figurões barbudos e cabeludos de wrestlers reformados, envoltos em cabedal e lenços com caveiras e bandeiras dos E.U.A. A longa viagem despertou-lhes o apetite. Bebem incontáveis cervejas em copo de plástico e fazem o dia ao vendedor ambulante de hambúrgueres e cachorros quentes que, numa jogada de mestre, se tinha instalado ali por perto.

O vocalista sabe ao que vêm. Nos momentos musicais protagonizados pelas guitarras estridentes, provoca-os com chavões infalíveis e posturas desafiadoras: “C’mon guys, lets rock this town”. A audiência rejubila com o show e absorve os decibéis que extravasam qualquer escala admissível. Retribui com headbangs descontrolados que se disseminam como por acção de um qualquer vírus entre a multidão excitada. Ainda  vamos no início da rua mas a Fremont está definitivamente ligada à corrente. Não é coisa de agora.

A Fremont Street recebeu o primeiro asfalto de Las Vegas, em 1925. Seis anos depois, seguiu-se o semáforo inaugural da cidade. A febre dos casinos chegou entretanto, muito antes de o jogo ter sido legalizado. O Northern Club conquistou uma das 6 licenças pioneiras emitidas no Nevada e a primeira para a rua. Daí em diante, a Fremont acolheu mais e mais casinos e a sua aura de néon foi-se intensificando.

O famoso Golden Nugget foi erguido do nada, completamente dedicado ao jogo, em 1946. No ano seguinte, o Pioneer Club instalou a iluminação ainda hoje icónica do cowboy Vegas Vic. A concorrência não quis ficar para trás e criou as suas próprias atracções eléctricas. Concretizou-se, assim, a imagem de marca da Fremont Street e o seu extremo Oeste transformou-se na visão colorida que todos os filmes e espectáculos televisivos queriam mostrar de Las Vegas. A coexistência dos néones granjeou-lhe o título de Glitter Gulch (ravina do brilho), uma fama duradoura que foi frequentemente renovada.

Em 1964, a rua entrou nos créditos iniciais de “Viva Las Vegas” com Elvis Presley. Sete anos depois, acolheu uma das cenas de perseguições jamesbondianas de “Diamonds are Forever”.  Em 1987, os membros dos U2 percorreram-na no videoclip de “I Still Haven’t Found What I’m Looking For”. Outra banda, os Flaming Lips, filmaram ali parte do seu teledisco de “Do You Realise” e Tom Waits faz-lhe várias referencias no tema “Mr. Siegal”.

A Fremont Street inspira até a versão San Andreas do popular jogo de vídeo Grand Theft Auto, em que aparece como “Old Venturas Strip”.

Mas, a determinada altura, a rua já não tinha espaço para mais casinos e a população de adeptos e viciados de jogo não parava de aumentar. Alguns empresários relocalizaram os seus investimentos para a bem mais desafogada Las Vegas Boulevard (6.8km) e criaram ali uma espécie de nova Fremont que viria a atingir dimensões e fluxos de pessoas e de dinheiro muito superiores. Esta avenida viria a ser baptizada por The Strip.

À medida que avançamos ao longo da Fremont Street, os sentidos são-nos despertados vezes sem conta mas reforça-se a noção de um inesperado surreal. Mais para diante, há um bar instalado mesmo a meio da via em que vários barmen servem bebidas ao som da música, de forma hiperactiva e acrobática. Os transeuntes fluem em ambas direcções semi-hipnotizados pelas luzes dos néones e da longa cobertura em que são projectados temas visuais alucinantes da Freemont Street Experience, uma instalação luz & som concebida em 1990 para atrair mais gente à área downtown de Las Vegas que sofria devido à cada vez mais forte polarização da Strip.

No tecto côncavo, são exibidas imagens com design irreverente e irrepreensível que jogam com a cor e a luminosidade, com visuais excêntricos e futuristas ou simplesmente queridos da nação americana: a ida à Lua, a bandeira, o patriotismo, o jogo.

Cá em baixo, Carmen Mirandas espalhafatosas e outros iscos femininos desinibidos convidam os homens e até casais a entrarem nos casinos ou nos Gentleman Clubs que representam. Um destes últimos, o Girls of Glitter Gulch tornou-se popular à sua maneira.

Ali, sobre um longo palco-passadeira dotado com três varões, dezenas de modelos sexys desfilam, dançam e insinuam lapdances praticamente nuas. É frequente a presença de actrizes porno famosas e de estrelas centerfold das revistas do género. Cada hora que lá passam é-lhes paga a peso de ouro mas este novo clube de strip é o único da baixa de Las Vegas e tem obtido lucros astronómicos, de tal forma que gastou há algum tempo quase 3 milhões de euros numa remodelação de visual. A sua vaqueira de néon Vegas Vickie surge sentada sobre o pórtico de entrada ou, se preferirmos, sobre uma verdadeira mina.

Nem todos os americanos a apreciam, ou à Fremont Street e até Las Vegas em geral. Caminhamos mais um pouco e damos com dois pastores de uma das milhentas casas de Deus que se instalaram mais tarde no estado. Munidos de megafones, pregam sem temor a culpa e a possível salvação dos gentios: “ainda estão a tempo de se arrepender”, “Não há amor nestas vossas vidas”, entre outros chavões morais.

Complementam ainda a sua indignação verbal com um cartaz que exibe o desenho de Cristo flagelado numa cruz com uma inscrição de “Pecado, Pecados, Pecadores” e impinge a passagem bíblica de Gálatas 3:13: “Cristo resgatou-nos da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; pois está escrito: “Maldito seja todo aquele que for suspenso no madeiro”.

A multidão de pecadores passa pelos religiosos e ignora-os ou observa-os como uma mera expressão de loucura que muitos transeuntes fazem questão de fotografar. Depois, seguem caminho para a próxima diversão. A vida é curta e esta Fremont Street fica no coração de Las Vegas. "The show must go on".