Esconder Legenda
Mostrar Legenda
O limite sul

O limite sul

Visitante de Key West faz-se fotografar junto ao marco do Southermost Point of the Continental USA

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Um marco em jeito de bala multicolor destaca-se junto à South Beach. Assinala o “Southernmost Point Continental USA”. Em época alta, mal o sol se eleva do Mar das Antilhas, ali se forma uma fila de forasteiros de inúmeras paragens determinados a fotografar-se no local. Quando lá chegamos, a multidão é tal e geram-se tantas altercações que decidimos fotografá-los em detrimento de uma dispensável selfie.

À imagem do Alasca, Key West ganhou fama de tresloucada. Como teorizam, orgulhosos, certos moradores “é como se tivessem abanado os E.U.A. e todos os maluquinhos tivessem caído para o fundo”. Alguns revelaram-se verdadeiros wackos, outros nem tanto. Tennessee Williams viveu uma vida sóbria, em Key West, durante cerca de 30 anos. A actriz Kelly McGillis, a musa de Pete “Maverick” Mitchell (Tom Cruise) no êxito adolescente dos anos 80 “Top Gun” (“Ases Indomáveis”) chegou a lá gerir um bar, mas sem grandes escândalos. O escritor laureado Ernest Hemingway, provou-se de longe o mais notório dos inquilinos da cidade. Foi dono de vários gatos com seis dedos, fiel à pescaria de alto-mar e a sucessivas noites de boémia fortemente alcoolizada, interrompidas apenas pelas suas incursões jornalísticas a cenários de guerra ou pré-guerra do Mundo de então.

O clima quente e húmido e a sensação de liberdade e de evasão transmitida pelo mar sem fim, inspiraram e atraíram, a Key West, formas alternativas e descontraídas de ser e de estar. Existências em tudo distintas das do Norte onde o pragmatismo financeiro e o individualismo há muito tinham levado a melhor. E, no entanto, vítima do influxo crescente de forasteiros, Key West viu-se atafulhada de lojas, bares, restaurantes, casas de espectáculo e museus, muitos abertos pelas companhias de cruzeiros com o fim de entreter os passageiros que lá faziam desembarcar. A cidade e a ilha ganharam, assim, uma estranha aura de parque temático sem entrada, aberto a todas as excentricidades e propostas de diversão e facturação.

Em frente da casa de Hemingway, uma senhora numa pequena banca motorizada vende cocos, sumo de cana-de-açúcar e limonada. Cada coco - que noutra partes do Caribe nem um dólar vale - custa ali, mesmo que ínfimo, nem mais nem menos que cinco dólares. Um galo com visual garrido e garboso de guerreiro de luta de galos circunda a sua venda, atento aos petiscos que consegue extraviar. Malgrado a sofisticação e devassa turística dominante, Key West preserva destas coisas. Na sequência de casas caribenhas recém-restauradas, demasiado brilhantes e faustosas, encontramos outras, desgastadas e decadentes. Por perto, alguns nativos partilham alpendres e bancos de rua à sombra. A seus pés, mais galos e galinhas vasculham o solo, para cá e para lá, como membros de direito do lugar e quase que das famílias de sangue misto que com eles coabitam.

Em termos culturais e étnicos, as Florida Keys – como boa parte da Florida - são intensamente cubanas. Foi um dos seus traços que mais encantou Ernest Hemingway e o levou a residir em Key West, antes de, em 1942, se mudar para a Finca Vigia. Assim se chamava a fazenda dos subúrbios havaneses de San Francisco de Paula que viria a habitar até 1960, com um papel cada vez mais activo no sucesso estrondoso da Revolução Cubana.

A Florida, as Florida Keys e Key West andaram, aliás, quase sempre de braço dado com Cuba. A origem desta intimidade caribenha tem o aroma intenso dos melhores habanos.

No final do século XIX, as empresas americanas de charutos começaram a mudar-se de Cuba para a Florida para assim evitarem os impostos levantados pelo governo. Por essa altura, os trabalhadores cubanos moviam-se livremente entre Havana, Tampa e Key West, entre 50 e 100 mil, todos os anos. Muitos, acabaram por se radicar a norte do Estreito.

Ora, em 1953, quando Fidel Castro liderou o seu exército revolucionário, tomou Cuba e a atirou ao fosso ideológico e social do Comunismo, milhões de cubanos desiludidos pela limitação da sua liberdade e degradação das condições de vida, inauguraram uma série de vagas de emigração ilegal balsera. Demasiados sucumbiram às condições precárias em que empreendiam a travessia. Ao longo do século XX, centenas de  milhares de cubanos insatisfeitos – muitos, sobreviventes dessa mesma travessia -  inundaram as Florida Keys, a Florida e outras partes do E.U.A.

A própria Key West frenética e rendida aos dólares a que nos tentávamos adaptar teve os seus momentos ideológicos e revolucionários. Em 1982, a Marinha dos E.U.A. respondeu a um fluxo de emigração cubana para a Flórida denominado Mariel Boatlift, com um bloqueio naval e rodoviário. A US Hwy 1 (Overseas Highway) foi barrada e todos os veículos revistados. O bloqueio paralisou as Florida Keys e despoletou a fúria de Key West. Como resposta, a sua população solidária declarou a independência de uma tal de Conch Republic, baptismo inspirado no termo que designa os nativos e colonos pioneiros das Florida Keys e das Bahamas. Mesmo idealista e quimérica,  a sua micronação espontânea nunca seria esquecida. Perdura em bandeiras, instrumentos musicais como o Conchalele e numa miríade de itens comemorativos do género, casos das t-shirts que admiramos lado a lado com outras que ridicularizam ou louvam Donald Trump e nos fazem sorrir a condizer: “We shall overcomb” versa uma delas, que exibe o cabelo de fios-de-ovos do agora presidente norte-americano de forma a desenhar uma águia alourada de bico aberto. Noutra ainda, Trump abre o seu fato protocolar e revela um traje icónico de Super-Homem.

A cada 23 de Abril, a Conch Republic é comemorada por um festival cultural e gastronómico para que contribuem dezenas de estabelecimentos e organizações da cidade. E, no entanto, são notórias as razões porque o estado que os seus defensores almejaram nunca poderia ter passado do sonho. Após deixarmos a antiga casa de Hemingway, visitamos uma delas, um lar ainda mais pomposo e influente de Key West, simbólico do poderio incomensurável dos E.U.A. e pouco paciente para com movimentos independentistas, por mais quiméricos que sejam: a Little White House de Harry Truman.

Entre americanos híper-patriotas e estrangeiros surpreendidos pelo perfil elegante, mas quase museu-Playmobil da mansão, lá examinamos fotos, mobílias e objectos marcantes dos tempos despendidos por Truman e sucessores em Key West. Quase sempre por motivos estratégicos, distintos presidentes, antes e depois de Truman, lá protagonizaram reuniões familiares e políticas, encontros diplomáticos e até mini-cimeiras. Na verdade, por detrás da preferência da Little White House esteve quase sempre o desejo de descanso, de evasão ou de quebra da rotina.

Dwight Eisenhower marcou na propriedade uma série de encontros com o seu staff. Mas também lá se refugiou para recuperar de um ataque cardíaco. John Kennedy frequentou-a uma segunda vez, em 1962, em plena Crise dos Mísseis Cubanos e Invasão da Baía dos Porcos que se desenrolaram ali à porta. Em 2005, o Presidente Bill e a senadora Hillary Clinton partilharam toda uma semana naquela Casa Branca mais pequena, simplesmente a descansar. E, chegado o ano de 2009, as autoridades da Casa Branca de Inverno (assim é também chamada) tentaram exercer influência para que os Obamas e Bo, o seu cão de água português, lá passassem as férias. Nunca chegou a acontecer, por tudo excepto falta de segurança. A mansão goza da protecção adicional do vizinho Forte Zachary Taylor, a mais austral das instalações militares dos Estados Unidos continentais e ainda da Estação Aérea-Naval de Boca Chica, situada a meros 6km.

Com a tarde a consolidar-se, mudamo-nos para a marina da cidade em plena azáfama de acolhimento e embarque das tripulações e passageiros em dezenas de navios de recreio. Damos com programas para todos os gostos, do mero passeio e convívio regado a champagne em catamarãs sofisticados, a navegações participativas em escunas e veleiros, uns históricos, outros nem por isso. Subimos a bordo de uma dessas relíquias flutuantes. Jeff, o dono trintão da embarcação e timoneiro da pequena expedição inaugura um discurso bacoco-sentimental que quase leva alguns dos embarcados mais sensíveis à lágrima: “tenho que vos agradecer do fundo do coração por nos terem escolhido. A vida bafejou-me com este barco. Graças a ele - e a vocês, claro - tenho o melhor trabalho do Planeta e faço isto todos os fins de tarde como se fosse a primeira vez.” Em simultâneo, à boa-maneira americana, os tripulantes por ele contratados destacam do briefing, o lugar em que os passageiros já sensibilizados devem depositar as gorjetas.

O vento intensifica-se. Num ápice, afastamo-nos. Partilhamos o oceano ao largo de Key West com uma frota de naves concorrentes. Duas delas içam bandeiras piratas e levam tão a  sério quanto possível a missão de recrear o passado da região. Fazem-se cruzar uma, duas, três vezes. A cada uma das razias alvejam-se com tiros de canhão de pólvora seca que, mais que não seja, atingem os tímpanos dos passageiros surpresos.

Desde 1521 - quando o mesmo explorador e conquistador espanhol Juan Ponce de Leon que se diz ter almejado a Fonte da Juventude inspirou nestas paragens a colónia de Cayo Hueso – muitos combates reais e naufrágios por ali tiveram lugar. De 1761, a região alternou entre a Coroa Hispânica e a Britânica até que, em 1821, toda a Florida, incluindo as Keys foi oferecida pelo governador espanhol de Cuba a um oficial da Marinha Real Espanhola. Juan Pablo Salas entrou numa tal ansiedade para lucrar com ela que a vendeu por verdadeiras pechinchas a dois compradores norte-americanos. Desfeito o imbróglio, um deles assumiu-se como real dono. Daí em diante, Key West preservou-se como uma posse inquestionada dos E.U.A.

Regressamos à Marina. Mudamo-nos para a frente oceânica da tão ou mais atarefada Mallory Square. Cruzeiros recém-atracados inundam de forasteiros frescos a zona histórica da cidade. Uma multidão curiosa lá se  distrai com os espectáculos saltimbancos: sobressaem, pelo seu espalhafato, o do equilibrista Reidiculous e um outro, de um engolidor de espadas anónimo, que anuncia cada uma das proezas com voz de bagaço.

O iminente mergulho do grande astro dita o término das exibições. Centenas de espectadores deixam as estrelas de rua entregues à contagem das doações. Por fim, o sol desfaz-se sobre o Golfo do México. Suscita uma adoração fotográfica contagiosa e inaugura nova noite de boémia alcoólico-tropical nos confins caribenhos dos E.U.A.

 

COMO IR

A TAP tem voos diários de Lisboa para Miami, com partida às 10:35 e chegada a Miami às 14:30.