Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Açores Longe dos Açores

Açores Longe dos Açores

Vacas num ervado próximo da Praia do Matadeiro, um dos locais usados para finalizar a caça à baleia que proliferou no século XVIII.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


A vista a partir do cimo do Morro da Cruz não era a ideal para alimentarmos o imaginário histórico-lusitano daquelas paragens. Para oeste, espraiava-se o casario triangular formado pelos prédios de Floripa com uma interrupção marítima estreita para a sua extensão no continente sul-americano.

A expressão arquitectónica da nova prosperidade da ilha encobria por completo a herança urbana dos colonizadores portugueses que a começaram a viabilizar, pelo que não tardámos a regressar ao coração ribeirinho da capital.

Ainda é cedo e falta ao velho mercado municipal readaptado a proliferação musical e de gente que o anima a partir do meio da tarde. A maior parte dos negócios já estavam ou a abrir ou já abertos e essa constatação, só por si, compensava qualquer lacuna. Tínhamos acordado com as galinhas e a caminhada íngreme no derradeiro percurso para as alturas panorâmicas do antes chamado Pau da Bandeira, quando servia de semáforo para avisar da entrada de embarcações nas imediações da ilha, deixou-nos a precisar de um segundo pequeno-almoço. Foi, assim, com enorme agrado, que encontramos um boteco especializado em frutas, seus sucos e afins.

Numa viagem anterior pelo sul do Brasil tínhamo-nos já familiarizado com a maravilha nutritiva e gustativa das tijelas de açaí. As moças do estabelecimento diminuto ainda tratavam de limpezas mas não nos recusaram a confecção da delícia. Enquanto o faziam, falámos de tudo um pouco, incluindo dos familiares que tinham por terras patrícias. Nem sempre a comunicação fluiu como desejávamos. “Oi ?” atiravam-nos de cada vez que acelerávamos mais o português original. Tantos foram os “ois” que decidimos voltar a recorrer ao sotaque brasileiro genérico, estratégia sempre útil quando, de visita ao Brasil, se tem pouco tempo a perder.

Hoje, belo, amarelo e branco, o Mercado Público Municipal em que ambas trabalhavam funciona no mesmo edifício peculiar construído pelo governo da capitania de Santa Catarina, em 1899, para acolher vendedores e compradores remediados da ilha e redondezas que haviam sido removidos do lugar em que habitualmente comerciavam. O magnânimo soberano brasileiro Dom Pedro II estava prestes a visitar a povoação na companhia do Bispo do Rio de Janeiro e havia que higienizar e aperaltar o centro urbano. O monarca acabou por ficar um mês e concedeu farto beija-mão.

Por essa altura, a cidade chamava-se ainda Desterro (de Nª Senhora do Desterro). Os moradores abominavam a semântica de exílio que dela provinha. Em pleno processo de rebaptismo, a hipótese Ondina foi descartada. No final da revolução federalista, em homenagem ao segundo Presidente brasileiro, Floriano Peixoto, o governador Hercílio Luz fez valer Florianópolis.

Antes de Desterro e de Florianópolis, esteve em vigor por muito tempo Santa Catarina, o nome dado à povoação pelo fundador Francisco Dias Velho por lá ter chegado no dia da santa. Encarregue pela Coroa de uma bandeira colonizadora do sul do Brasil, Dias Velho instalou-se na ilha com a esposa, três filhas, dois filhos, dois padres jesuítas e uns quinhentos índios semi-convertidos. Mandou erguer uma capela que deu origem à Catedral Metropolitana actual e uma série de habitações. Pouco depois, solicitou a posse daquelas terras e a sua colonização. Interessava-nos sobremaneira o povoamento que se seguiu. Não tardámos a sair à procura dos seus vestígios.

A conversa estava tão boa como o açaí mas a Ilha de Santa Catarina não era propriamente pequena. De acordo, conduzimos directos para a praia da Armação, um dos seus recantos mais genuínos, situado no sudeste, entre uma tal de Lagoa do Peri e o oceano.

Ali, damos com um litoral verdejante e grandioso limitado por morros ora cobertos de Mata Atlântica desbastada ora por grama rasa. Vacas que poderíamos jurar serem, no mínimo, parentes das arouquesas aparavam a erva natural. Para diante, um casal de tarambolas coroadas enfurece-se por invadirmos o seu território e expulsa-nos com um dueto de avisos estridentes e voos rasados.

Ainda são oito da manhã. Na enseada contígua, dois barcos de pescadores aportam. Os homens saltam para o areal, empurram os barcos praia acima e descarregam as redes. Rodrigo César, membro do projecto ecologista TAMAR, já os esperava. Não tarda a detectar uma tartaruga  enrodilhada. Com a licença dos pescadores, remove-a, anilha-a, retira amostras da carapaça para análise e devolve-a ao oceano.

Metemos conversa com os homens da faina a ver se algum se atrevia a falar das origens daquelas povoações tão remotas. Mesmo atarefado, um deles, de cabelo e barba branca, peso da responsabilidade a condizer, resume-nos a história o mais que consegue: ”isso daqui foi tudo açoriano. Vieram para cá às centenas já faz muito tempo. Acharam esses lugares bons para caçar baleia e por cá ficaram. O “matadeiro” (deturpação popular de Saco do Matadouro) era aqui mesmo e essa praia ficava toda vermelha. A armação era logo ali ao lado. Tinha várias cá em Santa Catarina... parece que também havia no Rio e em São Paulo.”

Devido à necessidade de consolidar a posse da Colónia de Sacramento,  isolada no limite do território do sul do Brasil (hoje Uruguai), D. João V aprovou a construção de fortalezas na Ilha de Santa Catarina e o seu reforço militar. Também eram precisos habitantes. Como tal, a Coroa concedeu incentivos aos açorianos e madeirenses que se prestassem a emigrar. A partir de meados do século XVIII, mais de 6000 aceitaram mudar-se para o Atlântico Sul. Predominaram os açorianos, escolhidos com critério de virtudes morais e físicas, aos casais. Mais tarde, seriam, aliás, tratados por Casais.

Viveram da agricultura e da produção de algodão e de linho e também da caça à baleia que só trouxe proveitos até à viragem para 1800, ano em que a Coroa extinguiu o seu monopólio de extracção de óleo. Por essa altura, a ilha já tinha 24.000 habitantes livres (quase 75% de origem açoriana) e mais de 5000 escravos, à época, uma prova inequívoca de prosperidade.

Quanto mais explorávamos, mais lugares com história açoriana encontrávamos, como a Praia dos Naufragados, na ponta meridional da ilha que tem o nome que tem porque, em 1751, uma galera com 250 casais já instalados naufragou ao contornar a Barra Sul e quase todos ali deram à costa. A tragédia inviabilizou o plano de fundarem aquela que é hoje Porto Alegre.

Espreitamos esta extremidade batida por um mar temível e invertemos para norte, desta feita pelo litoral virado ao Brasil continental. “Não vão por essa estrada” avisa-nos uma residente. “Tá muito má e às vezes tem bandidos escondidos nos arbustos!”. Já era tarde demais. O conselho obrigou-nos a fazer o carro voar baixinho sobre os buracos. Aproveitamos o balanço e vamos até Santo António de Lisboa e Sambaqui, duas outras povoações fulcrais na ligação com Açores.

A primeira tornou-se muito cedo posto de Alfândega e recebeu colonizadores de várias das ilhas do arquipélago. Lá encontramos outros estabelecimentos que honram a génese açoriana, mais pescadores que esticam enormes fios de redes e senhoras que trabalham nas suas, de bilros, arte que viajou com as tetravós e pentavós de São Miguel, da Terceira, do Faial e por aí fora.

Em Sambaqui, investigamos grandes viveiros de ostras. Ao passarmos por barracos de armazenamento, um trabalhador solitário apanha-nos a pinta. “Bom, vocês com essa pronúncia só podem ser portugueses, né ?” provoca-nos.  “Eu também sou. Nasci na Madeira mas os meus pais vieram para cá ainda eu era bem pequeno. Ando a ver se acabo o curso superior de Agronomia com especialização disto das ostras para voltar para lá. Estagiei em França, em viveiros em frente ao Forte Boyard. Fala-se muito da qualidade vida de Floripa mas isto aqui, como em todo o Brasil, está é uma miséria. Esses políticos só roubam e protegem os seus.” Com este exemplo tardio, confirmámos a extensão da emigração pelo século XX adentro e a presença solidária dos madeirenses entre os açorianos.

Não ficámos por aí. Ainda espreitámos a Barra da Lagoa, um porto de pesca posicionado no fim do canal que liga a enorme Lagoa da Conceição ao mar. Foi esta uma das povoações criadas após a Galera Jesus, Maria e José ter atracado na ilha de Santa Catarina com o primeiro lote de emigrantes. Quando lá chegamos, pescadores jovens preparam barcos coloridos para saírem para o mar. Dois deles, têm pintado o mesmo baptismo sequencial e familiar: Sílvio da Costa II e III. Ao lado, duas bandeiras brasileiras deixam bem claro o destino a que se entregaram aquela e tantas outras famílias de Casais.