Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Chapéu Lenticular

Chapéu Lenticular

Cume do Aoraki/Monte Cook acompanhado de uma nuvem lenticular.

Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Após várias dezenas de quilómetros numa de tantas planícies bucólicas de Canterbury, a estrada ascende e interna-se no domínio majestoso dos Alpes do Sul. Vemos o turquesa do lago Pukaki desafiar o azul celeste e, na margem oposta, a visão porque viajávamos. Uma névoa persistente mancha o cenário com laivos de branco e, por detrás, ao estilo das caixas de lápis de cor Caran d’Ache, impõe-se o grandioso Aoraki/Monte Cook.

O pequeno povoado de Twizel aparece pouco depois e permite-nos reabastecer o carro e as energias. Apreciamos, por momentos, o panorama de uma perspectiva lateral e prosseguimos caminho em direcção ao sopé elevado da cordilheira. Mount Cook, a aldeia homónima e derradeira paragem do percurso confirma-se no extremo de um vasto aluvião pintado de amarelo por um feno curto e ensopado. Acolhe aventureiros há décadas e prova-se uma espécie de primeira conquista para os ciclo-turistas que vemos chegar, extenuados, ao International Youth Hostel local.

Foram muitos os montanheiros prendados com o aconchego dos pequenos chalés ali instalados, momentos preciosos de estímulo para um mesmo desafio: a conquista da grande montanha.

Desde 1882 que o Mount Cook atrai alpinistas. A primeira expedição foi formada pelo reverendo irlandês William Green, o suíço Emil Boss e pelo guia de montanha também helvético Ulrich Kaufman. Bafejado por uma meteorologia misericordiosa, este trio subiu a montanha sem percalços de maior e festejou o feito nas alturas, de regresso à base e por algum tempo mais. Até que rivais e juízes supostamente imparciais os confrontaram com uma cruel realidade: tinham ficado a 50 m do verdadeiro cume da elevação.

Para vários montanheiros kiwis, as notícias da sua humilhação trouxeram alívio. Tom Fyfe, George Graham e Jack Clark ambicionavam há algum tempo aquele triunfo. Oito meses depois, pressionados por boatos da visita de outros alpinistas europeus conceituados, apressaram-se a mudar-se para a base da montanha, venceram o glaciar Hooker, prosseguiram pela vertente norte e atingiram o cume, no dia de Natal de 1884. Nos dias que correm, a sua proeza jaz num segundo plano sombrio da memória.

O hotel Hermitage instalou-se em Mount Cook no mesmo ano. Passamos junto às suas instalações renovadas na manhã seguinte à nossa chegada e constatamos como os hóspedes nipónicos – mas não só - se fotografam, entusiasmados, junto a uma estátua negra que contempla a montanha. Depressa comprovamos tratar-se da homenagem a Edmund Hillary, o neozelandês apicultor que ofuscou a fama dos três compatriotas e de todos os alpinistas do mundo, ao ascender com o sherpa nepalês Tenzing Norgay, ao seu tecto.

Desde cedo Hillary se sentiu atraído pela descoberta e pela concretização de façanhas. Na escola secundária já sonhava com os Alpes do Sul.  Começou a praticar aquela que viria a ser a sua grande aptidão a meio da década de 30 e conquistou o primeiro cume, o Monte Ollivier (1933 m), em 1939.

A determinada altura, juntou-se à Royal New Zealand Air Force e serviu na 2ª Guerra Mundial como navegador. Esta missão inesperada salvou-o de uma produção de mel estival de que já estava meio farto e que era cada vez menos rentável. Deu-lhe acesso a um mundo real, de que tinha construído um vasto imaginário com a leitura de inúmeros livros de aventuras.

Uma vez regressado a casa e recuperado de um acidente militar nas ilhas Salomão, voltou a ceder ao chamamento da montanha.

Conquistou o Monte Cook com tal facilidade que repetiu a ascensão, no ano seguinte, como uma espécie de treino para os desafios bem mais exigentes que estava prestes a enfrentar. 

Em 1951, integrado em expedições de reconhecimento, iniciou a sua relação montanhista com os Himalaias. Dois anos depois, juntou-se a uma expedição britânica de mais 400 pessoas (incluindo 360 carregadores e 20 guias sherpas) liderada por John Hunt. Segundo instruções deste, Hillary fez equipa com o sherpa Tenzing, um dos poucos que, contra a superstição predominante na etnia, ambicionava os mesmos sucessos que os escaladores ocidentais. Entre diversos percalços, Hillary e Tenzing acabaram por receber ordem de Hunt para avançarem para o cume. Alcançaram-no com enorme  esforço, às 11 da manhã de 29 de Março de 1953.

No regresso à base, Hillary comunicou ao companheiro George Lowe, a primeira pessoa que viu: “Well George, we knocked the bastard off”.

Passados três meses, recebera várias homenagens e condecorações entre as quais as de Knight Commander of the Order of the British Empire.

Enquanto percorremos a Nova Zelândia, vemo-lo, todos os dias, com o seu ar rude e simples, nas costas das notas de 5 dólares. Edmund Hillary foi durante muitos anos, o único kiwi vivo a merecer essa distinção. Insistiu para que montanha a acompanhar o seu perfil fosse o Aoraki/Mount Cook e não o Evereste, em honra à paixão que sempre teve pelos Alpes do Sul. Os neozelandeses e a gente do hotel Hermitage retribuíram-lhe com um Centro Alpino e Museu a ele dedicado, o mesmo em que nos sentamos em frente a um ecrã, tão deliciados como dezenas de outros visitantes, a rever a sua vida preenchida, antes de partirmos para o trilho que conduz à base da elevação que o inspirou, numa tarde solarenga mas fria e ventosa.

Apesar daquela atenção patriota, Edmund Percival Hillary continuou a escalar montanhas dos Himalaias, 10 no total. Não se ficou por aí. Chegou ao Polo Sul, parte de uma expedição Trans-Antárctica da Commonwealth.

Em 1977, não foi vítima do desastre aéreo do voo TWA 266 porque se atrasou. Voltou a fintar o destino dois anos depois, quando um amigo íntimo, Peter Mulgrew, o substituiu a bordo do Air New Zealand 901 que se despenhou contra o Monte Erebus, na Antárctida, vitimando as 257 pessoas a bordo.

Hillary manteve até muito tarde a paixão pela descoberta e pela aventura e só as acções beneméritas e ambientais no Nepal e outras partes do Mundo competiam com essa faceta. Mas a sorte não poderia sorrir-lhe para sempre. Em, 1988, com 88 anos, sucumbiu a um ataque cardíaco.

O Aoraki/Mount Cook da sua juventude resiste no topo de uma presumível eternidade mas também tem os seus contratempos. Em 1991, entre 12 a 14 milhões de metros cúbicos de rocha e gelo caíram do pico norte, reduzindo-o em cerca de 10 metros.

Deixamos o conforto do hotel Hermitage e metemo-nos no trilho que serpenteia ao longo do leito pedregoso do rio Hooker e o cruza sobre uma ponte suspensa. O vale é amarelo-esverdeado, repleto de uma vegetação suculenta que vários rebanhos devoram. À medida que avançamos sobre o feno ou sobre os seixos, aproximamo-nos do  cume nevado resplandecente que espreita entre o v escuro formado por duas encostas já à sombra. Quarenta minutos depois, estamos bem mais junto do sopé e o ângulo de visão é distinto. Desvenda-nos uma nuvem lenticular excêntrica que persiste sobre o cume como que a registar os tons com que o crepúsculo vai colorindo a montanha. Sentamo-nos sobre pedras polidas pela erosão glaciar e fazemos o mesmo. Até que a noite se fecha e o frio se torna impossível de suportar.

Segundo a lenda maori, foi o frio que criou aquela mesma montanha. Aoraki era um jovem rapaz filho de Rakinui, o pai Céu. Numa sua viagem em redor da Mãe Terra, a sua canoa encalhou e num recife e virou-se. Aoraki e os irmãos treparam para o topo e evitaram afundar-se. Mas o vento do sul gelou-os e transformou-os em pedra. A canoa tornou-se na Ilha do Sul da Nova Zelândia, Aoraki, no mais alto no cume homónimo e os irmãos nos restantes Alpes do Sul. Durante, séculos os colonos europeus ouviram-nos pronunciar a palavra Aorangi – a versão Ngai Tahu dos maoris da região - e interpretaram-na como querendo dizer fura-nuvens quando os indígenas se referiam, na realidade, a uma pessoa. A noção desviada popularizou-se mas, apesar do equívoco, a reivindicação dos nativos teve eco e Aoraki, equiparou-se na nomenclatura oficial neozelandesa a Mount Cook. Este último, por sua vez, foi dado à montanha por um tal de capitão John Lort Stokes – oficial que serviu a bordo do HMS Beagle - que assim decidiu honrar o mais famoso dos navegadores britânicos.