Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Príncipe da Selva

Príncipe da Selva

vista aérea de Príncipe, com a habitual cobertura de nuvens que abafa o seu clima tropical.

Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


O voo fica-se pelos quarenta minutos. E, no entanto, o facto de seguirmos quase só nós na cabine e de, lá em baixo, o azul-marinho profundo monopolizar o cenário, faz com que o tempo se pareça arrastar. A monotonia não tarda a ser recompensada. Um súbito vislumbre revela-nos um manto de nuvens densas. Pairam sobre um pedaço luxuriante de Terra salpicada de protuberâncias geológicas. O piloto ajeita o avião à ilha. Passados uns minutos, estamos a aterrar os pés no solo morno de Príncipe. E, na manhã que se segue, numa das mais belas beira-mares de África, a da Praia Banana. Nos anos 80, o rum Bacardi exibiu-a num dos seus anúncios. Esse crédito mediático perdura.

O vaivém das vagas esmeralda sobre a areia dourada sugere um memorável recreio balnear mas, não nos demoramos. Atrai-nos, em simultâneo, um miradouro no topo de uma pilha de grandes rochedos basálticos. Damos com o caminho para as suas alturas por entre o coqueiral sombrio da Banana. Vários meandros íngremes depois, recuperamos o fôlego apoiados no seu muro decrépito, a contemplarmos a sumptuosidade do que, ao nível do mar, nos havia já deliciado.

Aquele mirante e a sua propriedade Belo Monte marcaram a primeira de várias visitas a antigas roças de Príncipe. A Belo Monte estava, contudo, transformada em hotel. Limitám-nos a espreitá-la.

De volta ao Bom Bom resort, apanhamos boleia de uma das pick ups de serviço para Santo António, a cidade solitária da ilha. Pelo caminho, o Sr. João dá boleia a boa parte dos caminhantes na beira da estrada. Às tantas, a carrinha carrega uma lotação considerável. Todos a bordo se conhecem. Todos estranham a nossa presença naquela caixa metálica por norma indigna dos clientes. Mal a admiração se desvanece, os parceiros de viagem entregam-se às suas galhofas e gargalhadas descomplexadas. Não tarda, convocam-nos para conversas entre a curiosidade e uma forçada formalidade.

Passamos uma série de casas básicas em que cirandam uma criançada reguila e animais domésticos. Deixamos o aeroporto para trás. Por fim, descemos para o vale rumo à baía em que se alojou a capital.

O fluir de um rio, o Papagaio, cavou a planície aluvial em que hoje se espraia o casario semi-colonial gasto, delimitado por todos os lados por uma selva de montanha, excepto a oeste-noroeste, onde o caudal negro do rio encontra um Atlântico domado pela baía.

Descemos da carrinha em frente à igreja amarela e vermelha da cidade. Ali mesmo, um cartaz da operadora angolana UNITEL que exibe um surfista de telemóvel colado ao ouvido profetiza “Para Melhor Muda-se Sempre”. Basta-nos uma hora de deambulação para percebermos que, salvo raras excepções, Santo António evoluía devagar devagarinho. Ao lado da igreja, sentados em quatro bancos de jardim, número igual de moradores veem o dia esvair-se, impávidos e serenos, à sombra de uma árvore frondosa.

Só a estrada principal, ostenta real animação urbana, em redor das suas mercearias desarrumadas, das lojas de roupa, do parque central das mototáxis e, mais abaixo, da escola secundária. Ali, num intervalo das aulas, Cremilda, Márcia e Eula compõem as trancinhas afro de Kélsia. Esta, de olhos enfiados no telemóvel, mantém-se em modo multichat com amigos online e as colegas “cabeleireiras”.

Do lado oposto da avenida, a velha sede do Sporting Clube de Príncipe já teve melhores dias. Só uma árvore que desponta do betão musgoso de um dos seus recantos, dá sinais de saudável verdura. Na fachada do edifício roçado, um painel de prevenção de saúde aconselha: “Prolongue a sua vida bebendo água tratada”. Examinamo-lo quando, do meio da estrada, Chico Roque, nos confronta. A hora é matinal, mas Chico já vem bebido e se de água se tratasse, só poderia ser ardente. Após uma introdução arrastada, promove-se como músico. Convence-nos a gravarmos um show musical dele e de um colega. Combinamos às duas horas de daí a dois dias na praça Marcelo da Veiga, o coração administrativo de Santo António, um dos seus agradáveis jardins e retiros lúdicos.

Até lá, deambulamos por aquela que chegou a ser capital e assento da diocese da colónia de São Tomé e Príncipe, de 1753 a 1852, três séculos após a descoberta do arquipélago em 1471, alguns anos antes de D. João II a ter baptizado em honra do Príncipe Afonso, seu filho favorito, que viria a falecer, apenas com 16 anos, tombado de um cavalo nas imediações do Tejo.

Quando regressamos às margens do Papagaio, contrariado pela praia-mar, o rio local fluía na direcção do Pico homónimo que desde sempre se impõe à cidade. Metemos o nariz numa barbearia sobranceira à margem. Mesmo surpreendido, o artista capilar proprietário dá-nos as boas-vindas e continua a embelezar o cliente do momento. Mais para dentro do estabelecimento de madeira azul-celeste, uma catrefada de miúdos sentados num banco comprido, mal descola os olhos de um filme que passa na TV daquele seu “Cinema Paraíso” remediado.

Numa rua paralela, damos com o restaurante da Dª Juditinha. É lá que evitamos o pior da brasa vespertina e repomos energias.

Durante o repasto, vemos passar pais com os filhos pela mão, carregados com bolos e outras sobremesas. Tão elegantes quanto possível, dirigem-se a uma escola daquela rua. “Sabem, hoje é dia da Criança!” informa-nos Dª Juditinha enquanto nos serve cervejas Rosema que provamos pela primeira vez, em detrimento das marcas portuguesas do costume. “Cá em Príncipe, tratamos a data com carinho.”

Outra das escolas em festa ficava de frente para o longo muro branco que separa a cidade do Atlântico. Ali, à medida que o ocaso se insinua, os adultos e as suas crianças, confraternizam, uns debruçados, outros sentados sobre o muro, todos eles com a vista hipnótica da baía viçosa por diante.

Durante o almoço, tínhamos recebido uma chamada do Secretário Regional da Economia. Convocava-nos para o seu gabinete, paredes meias com a estação de correios da cidade que mais parecia tirada de uma vila portuguesa dos anos 50.

Entusiástico, Silvino Palmer explana-nos projectos para o futuro de Príncipe e os obstáculos ao seu desenvolvimento, em particular, a escala anã da economia, vítima do isolamento e de a nação ser a segunda mais diminuta de África, atrás apenas das Seicheles. Silvino, também faz fé na nossa missão divulgadora. Prenda-nos com o uso da sua pick up de serviço e com a ajuda de dois guias.

Às oito em ponto do novo dia, já saudámos o condutor Armandinho, Francisco Ambrósio e Eduardo. Apontamos ao sul da ilha.

A selva que envolve o Papagaio sufoca o caminho sinuoso aberto na profundeza dos tempos coloniais. Mesmo assim, prova-se bem menos cerrada que a abaixo no mapa, esta, parte da Reserva da Biosfera de Príncipe. Ao longo da história, admitiu roças e povoados, hoje, relíquias umas mais decadentes que outras. Como o que resta da mansão e propriedade de Maria Correia, filha de uma nativa de Príncipe e de um emigrante brasileiro que ficou para a história como dona e senhora dos seus dois maridos e de centenas de servos. Apesar dos bloqueios britânicos à escravatura portuguesa no arquipélago popularmente abordados por Miguel Sousa Tavares em “Equador”, Maria Correia terá ludibriado as suas verificações vezes sem conta. Mesmo mulata, até falecer em 1862, foi uma das maiores proprietárias de escravos da ilha. Com o tempo, tornou-se uma personagem lendária, digna de aturada investigação, ou vá lá que seja, de um bom filme.

A próxima roça porque passamos, a de Porto Real, guarda bem mais da sua era auspiciosa. Foi desenvolvida pela Sociedade Agrícola Colonial, com áreas laborais, habitacionais, com hospital e um caminho-de-ferro de 30km que escoava uma produção agrícola diversa, incluindo um óleo de palma prodigioso. Agora, abriga uma comunidade que, longe de a conseguir recuperar e explorar, se limita a subsistir em boa parte do que a terra e os animais domésticos providenciam.

No mesmo itinerário, deparamo-nos com a de São Joaquim, uma antiga dependência da de Porto Real. Encontramo-la arruinada, então, entregue a mulheres e crianças que partilham as antigas sanzalas e o pátio ervado com uma manada de vacas, porcos malhados e outros animais domésticos. Intriga-as a nossa inesperada visita, para mais, num veículo do governo.

“Cheguem, aqui! Vão gostar disto.” apela-nos Francisco Ambrósio, professor da ilha que as crianças com que nos cruzamos provocam a chamar de vampiro (com os erres longos e carregados, à boa moda nativa) devido à sua parecença com o Wesley Snipes que os assombra, em “Blade”, nas TVs da cidade.

Ao longe, entre a selva que cobria o Monte Papagaio e parte das nuvens que havíamos avistado do avião, impunham-se dois rochedos graníticos. A erosão esculpira o menor à laia de pilar.

Àquela distância, o duo megalítico resplandecia, projectado do estranho panorama clorofilino. Estimulou-nos a irmos até Terreiro Velho, roça ainda repleta de cacau, histórias e vistas litorâneas de encantar. Já só regressamos à cidade em cima do anoitecer. A jornada seguinte, dedicamo-la ao extremo noroeste da ilha.

Foi ali, a oeste do ilhéu do Bom Bom que os descobridores portugueses fundaram Ribeira Izé, a primeira povoação de Príncipe. Exploramos as ruínas da igreja percursora que a abençoou e que a predação secular das figueiras-da-índia envolveu de enigma. Em seguida, o sr. Armandinho mete-nos num atalho encosta acima, de tal forma sumido na vegetação e no solo encharcado que reclama da pick up toda a sua potência. Mesmo assim, conduz-nos ao destino desejado: a roça Sundy.

Na origem, a Sundy, surgiu como mais uma plantação de cacau e café da ilha. Num determinado período áureo, os seus lucros determinaram a expansão e uma maior complexidade orgânica. Também a Sundy sucumbiu à produção menos dispendiosa e em maior escala de outras partes do Mundo. A roça acabou como casa de férias da realeza portuguesa. Não seriam os novos condóminos quem mais contribuiria para a sua notoriedade.

Em 1919, o astrofísico britânico Sir Arthur Stanley Eddington estimou em Príncipe um lugar ideal para examinar um eclipse previsto. Visava exemplificar que a luz das estrelas era desviada pela gravidade solar e provar, dessa forma, a Teoria da Relatividade de Einstein sobre a há muito vigente Lei da Gravidade de Newton. Eddington certificou a esperada curvatura da luz, instalado na roça Sundy. Tal honra permanece assinalada numa das varandas aterraçadas do edifício principal que, na altura em que o espreitámos, sofria - à imagem da já terminada na roça Belo Monte - uma séria conversão em hotel histórico. Esperava-se que o projecto viesse a contribuir para melhorar a vida da verdadeira povoação em que Sundy se transformou, com dezenas de famílias a residir lado a lado em sanzalas exíguas e espartanas, outras, em casas recentes, instaladas em redor.

Percorremos as suas ruelas cinzentas para lá e para cá, logo, as muralhas até aos seus recantos e os dos palacetes no coração colonial e funcional da enorme fazenda. Fazemo-lo com o fascínio de quem assiste à História a reciclar e baralhar algumas da suas já quase esquecidas variáveis. Até que nos lembramos do compromisso com Chico Roque e antecipamos o regresso a Santo António.

Pouco passava da hora combinada e os dois músicos esperavam-nos sentados junto aos canhões que protegem a imagem de Marcelo da Veiga. Ao nosso sinal, desfilam um reportório de canções ora populares, ora da sua autoria. Assistimos e registamos a sua actuação quando um grupo de miúdos que brincava no jardim, se aproxima e debruça sobre os canhões. O duo rejubila. Cantam, então, um tema ecologista popular em São Tomé e recrutam a criançada para coro. É com esta banda sonora infantil e orelhuda de “Biosfera” na cabeça (cantada Biosferrrrrrra) que nos despedimos de Santo António. Na tarde seguinte, da tão ou mais memorável ilha de Príncipe.

 

A TAP voa para São Tomé 3as, Sábados e Domingos com partida de Lisboa às 09h35 e chegada às 17h35. A viagem de São Tomé para Lisboa faz-se 3as Sábados, Domingos e 5as com partidas às 20h e chegada às 04h10 do dia seguinte.