Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Patrulha réptil

Patrulha réptil

Jacaré mantém-se atento aos movimentos de capivaras e outras possíveis presas nas imediações.

Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Amanheceu o Domingo na capital da derradeira província do nordeste argentino, Posadas. O dia não foi propriamente de descanso. Ainda não eram oito da manhã quando saímos da cidade conduzidos por Sancho, um jovem motorista falador e amante de música pop latina. Meia hora depois da partida, percebemos, em parte, porque nos tinha apanhado numa pick-up com visual rural, envelhecida e empoeirada. O asfalto terminou. Passámos para uma uma recta de terra vermelha batida, perdida nas terras planas da alta pampa, que nos pareceu ter mais de 100 km de extensão e que só os sucessivos altos, baixos e buracos e a charla contínua tornaram menos monótona.

Estávamos em pleno Verão do hemisfério sul. Esta região entalada entre o extremo meridional do Brasil e o misterioso Paraguai, aquecia a olhos vistos. “Acham que está quente agora?” alertou-nos o rapaz do volante quase indignado. “Isto não é nada. Por estes lados, em Dezembro e Janeiro, a temperatura galga os 50º”.

Quando chegámos a Colónia Pellegrini, pouco depois do meio-dia, tínhamos já cruzado das terras de Missiones para as menos verdejantes de Corrientes e o calor continuava a aumentar. De tal maneira que percebíamos a forte irradiação elevar-se no ar e a letargia a que aquele forno votava os poucos moradores porque íamos passando.

Não era esse o caso da porteña Doña Elsa, proprietária da Posada de La Laguna que oscilou entre um acolhimento curioso mas efusivo e o desdobramento exigido pelas várias tarefas do seu estabelecimento plantado à beira da lagoa de Iberá. Cumpridas as apresentações e explicações da praxe, instalámo-nos num quarto quase em cima da água doce. Um sino que soou da vivenda principal cumpriu o esperado sinal comunal para o almoço. Tínhamos planeado trabalhar nos computadores após a refeição mas a intensidade estival daquelas paragens cobrou o seu preço e obrigou-nos a uma longa sesta de recuperação.

Por volta das cinco e quarenta da tarde, o braseiro já se havia atenuado. Uma empregada de metro e meio e face sardenta que nos fazia lembrar uma das personagens excêntricas de “Gato Preto, Gato Branco” bateu à porta e anunciou num hispânico suave. “O senhor Máximo está à vossa espera para saírem para a lagoa. Mas, antes, passem pela vivenda. Têm lá um lanchinho.” Entusiasmados pela incursão pioneira ao domínio lacustre que nos atraíra de tão longe, despachamos os chás e as fatias de bolo e fizemo-nos ao pontão de onde era suposto zarparmos.

Máximo já se encontrava de volta do motor. Ao contrário do que esperávamos, tinha companhia. Um outro casal de hóspedes ainda mais ansioso havia dispensado o lanche mas não a dianteira da embarcação. Eram Fred e Lena. Ele austríaco, guia de viagens de grupo e fotógrafo de natureza, ela russa, modelo. Quando nos instalámos, não tardámos a perceber a quantidade inflacionada de equipamento fotográfico que, em conjunto, levávamos a bordo. O rechonchudo Máximo aproveitou a deixa para quebrar o gelo dos primeiros momentos: “com o que para aí trazem não vos vou sequer perguntar sobre expectativas. Imagino que se não virmos o melhor de tudo, me atiram aos jacarés.”

Depressa se confirmou que não seria necessário. A vastidão de pântanos, lamaçais, lagoas, lagos estagnados e leitos fluviais porque navegávamos estende-se por 20.000 km2, 13.000 dos quais (14% da área da província de Corrientes) fazem parte da Reserva Natural de Iberá. Trata-se da maior área protegida da Argentina e um dos reservatórios de água doce mais importantes da América do Sul. Ora, toda esta água flanqueada pelas terras, por comparação, elevadas nas margens dos rios Paraná (a oeste) e Uruguai (a leste) é vida. Muita vida.

À medida que nos internámos na grande Iberá, os cenários salpicados de plantas e ervas aquáticas – nalguns casos, verdadeiras ilhas flutuantes de juncos, jacintos e nenúfares – provaram-se sumptuosos, ainda mais admiráveis já que abrigavam veados das pampas, bandos de capivaras e de lontras, estes controlados e perseguidos por jacarés, caimões e anacondas furtivas. Avistámos ainda garças, colónias de mergulhões a secar ao sol e outras aves, de rapina, incontáveis peixes e anfíbios, entre tantas distintas espécies daquele prodigioso ecossistema lacustre.

Tal biodiversidade atrai e apaixona biólogos e fotógrafos de todo o mundo que regressam ano após ano. Era o caso de Fred que, como nós, apontava as suas teleobjectivas de forma frenética para os espécimes que mais o inspiravam a registar. Esta hiperactividade contrastava com a contemplação descontraída e elegante de Lena, a Lolita loura acompanhante do rude, quase bruto, austríaco, ela que nos deslumbrara com uma confissão inesperada: “Eu nasci em Kamchatka, não sei se conhecem? Fica lá do outro lado da Rússia.” Conhecer até conhecíamos, mas só de ver e de ler, nunca tínhamos era lá estado. Como qualquer viajante sempre insatisfeito com os lugares por que passou, sonhávamos explorá-la o quanto antes, ou não se tratasse de uma das regiões vulcânicas mais remotas, indómitas e majestosas à face da Terra.

Voltámos ao embarcadouro da Pousada Laguna sobre o ocaso. O céu acima da Iberá ardia. A água estava tingida de um azul quente, aqui e ali, salpicada pelos vultos irrequietos de centenas de corvos-marinhos à tona, assustados pela intrusão tardia e estridente da embarcação.

Uma hora depois do desembarque, voltámos a reunir-nos com Fred, Lena e outros hóspedes em redor de um jantar que Doña Elsa tinha mandado preparar ao estilo gastronómico que o filho Chef de um restaurante conceituado de Buenos Aires criara para a pousada da família.

Hoje, a Laguna é um de uns poucos negócios instalados nas margens vastas dos Esteros del Iberá, em grande parte em redor da aldeola com visual de parque de roulottes de Colónia Pellegrini.

Nem sempre a região foi erma. À chegada dos conquistadores espanhóis, no século XVI, povoavam estas paragens diversas sub-etnias guaranis ou “guaranizadas” à força após ataques avassaladores que terminavam com rituais canibais atemorizantes. Segundo narram os anciãos de Mercedes e Colónia Pellegrini, até pouco depois da viragem para o século XX, ouviam-se gritos vindos das zonas mais recônditas e ainda por descobrir pelos colonos brancos da lagoa. Supunha-se, então, que ainda eram habitadas por descendentes desses nativos.

Fosse como fosse, devido à inacessibilidade da região dos Esteros del Iberá, foram raras as povoações que ali se instalaram. As missões jesuíticas chegaram a dominar e a operar em territórios com limites próximos mas a área alagada foi durante muito tempo consideráda inabitável. Nela se refugiavam foragidos. Dela viviam caçadores e pescadores sem outros recursos.

Nós continuávamos no encalço de expressões e imagens daquela impressionante natureza anfíbia. No dia seguinte, madrugámos para nova rota embarcada na lagoa, em busca de mais e mais das espécies que ali continuavam a proliferar, sem grandes esperanças de encontrarmos algum dos papa-formigas e jaguares residentes que, além de escassos e esquivos, eram nocturnos.

Alcançámos zonas de grandes ilhas de terra firme preenchidas por palmares densos em que pulavam e ululuvam macacos-aranha agitados pela visita inesperada de um veado-das-pampas solitário. As palmeiras pouco tinham que ver com as que nos habituámos a ver quando em Portugal. Eram buritis, jataí e outras tão ou mais exóticas do tipo indaiá. Algumas das mais altas serviam de poiso de observação para várias tachãs, aves endémicas destas partes da Argentina e sul do Brasil.

No regresso da última incursão, Doña Elsa quis recompensar-nos pelo entusiasmo que dedicávamos ao trabalho e contemplou-nos com uma noite extra na pousada. Aproveitámos para investigar outros recantos ainda mais longínquos da lagoa, voltámos a espreitar a estranha Colónia Pellegrini e acompanhámos um veterinário e uma equipa de gaúchos durante uma longa vacinação de uma estância de gado chamada Swiss Agro. Entretanto, deixámos aquele pantanal argentino e viajámos mais para sul da pampa sem fim.

Guias: Argentina+