Esconder Legenda
Mostrar Legenda

Bastião Ryukyu

O castelo de Shuri, reconstruido após a 2a Guerra Mundial para recuperar a história Ryukyu de Okinawa.

Okinawa, Japão | 18/04/2014

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.

Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)

O avião descolou, há minutos, do aeroporto Haneda. Ganha altitude sobre a baía de Tóquio. Aos poucos, desvenda os arrozais encharcados e o relevo acidentado que preenchem o sudeste de Honshu incluindo, à distância, o imponente monte Fuji. Até que, já próximo dos 11000 m de altitude, passa a sobrevoar a imensidão do oceano Pacífico e rende-se ao azul do céu e do mar. Para diante, estende-se o longo Nansei-shoto, uma sequência de ilhas que se alinham para sul da extremidade de Kyushu. Como gigantescas alpondras, estas ilhas conduzem a Okinawa, falham a aproximação a Miyako mas, dali, continuam, ponto atrás de ponto no mapa, até Hateruma-jima, o último estertor territorial nipónico do sul.

Uma hora depois da partida, aterramos em Naha, a capital e principal cidade da província de Okinawa e da vasta região insular em redor.

Esqueça por momentos tudo o que sabe sobre o país dos imperadores. Esqueça as gueixas e o Sumo, esqueça os ambientes futuristas de néon e gigantescos ecrãs outdoor, esqueça os comboios-bala, as cerejeiras em flor, as paisagens vermelho-amareladas de Outono e as montanhas quase afundadas em neve. O Japão que lhe vamos revelar fica a mais de 700 km do que conhece e pouco ou nada tem que ver com este seu imaginário.

Arrasada pelos bombardeamentos norte-americanos do fim da 2a Guerra Mundial, Naha foi rapidamente recuperada. Acolheu uma profusão de edifícios modernos que deram resposta a uma inesperada explosão populacional. Erguido como palácio real, o castelo de Suri continua a ser o seu coração e alma. Grandioso e elegante, sobressai na paisagem luxuriante como um testemunho arquitectónico e histórico imponente do reino Ryukyu que, entre os séculos XV e XIX, unificou Okinawa e várias outras ilhas a norte e a sul e teve um papel de destaque no comércio marítimo entre o sudeste e o leste da Ásia.

Durante séculos, esta estranha simbiose diplomática foi benéfica para todas as partes e em especial para o reino Ryukyu e para os nipónicos.

É com uma atmosfera dessa época que nos deparamos ao entrarmos no enorme pátio do palácio onde são reencenadas danças tradicionais ryukyuanas. O palco tem como fundo uma tela branca bordada com motivos florais. Ali, os músicos alinham-se munidos de sanshins (instrumentos comparáveis ao alaúde, mas forrados a pele de cobra) e de flautas. O ritmo dos primeiros e das sanba (tiras de madeira com funções de percussão leve) define a peculiaridade da música de Ryukyu mas são as flautas que anunciam a entrada em cena das dançarinas. No acto inicial, surgem uma de cada vez. Trajam quimonos garridos e chapéus hanagasa (em forma de flor), tal como o fundo, decorados com forte inspiração na natureza. Os seus movimentos, quase sempre sincronizados e tão lentos como graciosos, foram aperfeiçoados segundo a função de cada dança. Temos a honra de assistir a uma exibição de cada estilo e de apreciar as suas peculiaridades, como têm todos os visitantes do Suri Castle que as apresenta vezes sem conta.

Em 1879, o governo Meiji aproveitou fragilidades internas da China (o poder precursor do império nipónico) e anunciou a tomada das ilhas Ryukyu. A medida teve uma oposição apenas diplomática por parte dos chineses que reclamaram a mediação do então presidente dos Estados Unidos Ulysses S. Grant. Este, ignorou as pretensões dos indígenas e apoiou a posição do governo japonês que, legitimado pelo ocidente, assassinou parte substancial dos políticos e civis que continuavam a opor-se à anexação. Daí para diante, a cultura japonesa passou a ser imposta como forma de diluir a civilização ryukyuana que, em termos étnicos, sempre foi absolutamente distinta e mais íntima da China que da esfera nipónica. Mas, apesar de os indígenas terem perdido a sua já comprometida liberdade, o destino, de novo traçado pelos influentes E.U.A. guardava-lhes piores provações.

Estávamos em Abril de 1945. Várias das ilhas do mar azul-celeste para sul tinham já sido tomadas pelos norte-americanos mas, devido à sua importância estratégica, a conquista de Okinawa era essencial à invasão final do Japão. De acordo, cento e oitenta mil aliados foram mobilizados para o ataque e cerca de 115.000 japoneses tentaram evitar um desfecho que, o desenrolar furioso da batalha - conhecida por Tufão de Aço pelos ocidentais e por Chuva de Aço pelos nipónicos – tardou a anunciar. Quatro meses depois, encerradas as hostilidades, Okinawa encontrava-se devastada e mais de um quarto da sua população (cerca de 100.000 pessoas, o mesmo número dos militares nipónicos mortos) havia perecido.

A resistência da ilha foi feroz e destrutiva também para os aliados. De tal maneira que vários historiadores militares acreditam ter levado à decisão dos Estados Unidos de lançar bombas atómicas sobre o Japão para apressar a sua rendição.

Tão ou mais devastadas que Okinawa, Hiroshima, Nagasaki e a quase totalidade do Japão viram-se livres dos norte-americanos em 1953, ano em que foi devolvida ao país a sua soberania.

Já Okinawa, permaneceu na posse dos ocupantes até 1972. Representa 1% do território nipónico, nos dias que correm, acolher mais de 75% da presença dos Estados Unidos. A maior parte dos nativos tem dificuldade em aceitar, em especial quanto ocorrem abalos sociais como o de Junho passado em que um trabalhador da base assassinou uma mulher local de 20 anos, duas décadas depois do rapto e violação de uma criança de 12 por três militares norte-americanos.

Ao mesmo tempo, muitos indígenas rejeitam a integração das ilhas Ryukyu no Japão. Outros - os mais preocupados com a debilidade económica da ilha resignam-se. A permanência norte-americana é, aliás, um tema fulcral que determina o resultado tanto das eleições regionais como das nacionais.

À medida que exploramos, os sinais desta ocupação são omnipresentes. Voam caças e helicópteros a toda a hora nos céus de Okinawa. Enquanto percorremos as suas estradas perfeitas, a única sintonia a que o rádio se mostra fiel é a American Forces Network-Okinawa e cruzamo-nos frequentemente com veículos com matrículas Y, em que os japoneses evitam a todo o custo bater por saberem pertencer aos todos poderosos yankees. Especialmente em Okinawa City e no corredor de terra que se estende para oeste, até à Kadena Air Force Base, sucedem-se mais e mais evidências que se concentram de forma singular na Mihama American Village de Chatan. É este o paraíso shopping-entertainment do norte de Okinawa, um mega-complexo reconhecido à distância pela sua roda panorâmica de Ferris. Esta atracção emprega mais de três mil locais e atrai cerca de um milhão de visitantes por ano, incluindo os militares norte-americanos, sempre fascinados pelas inesgotáveis sugestões de consumo da cultura ocidental e pela atmosfera festiva que se apodera do lugar durante a noite, quando os artistas de rua dão um ar da sua graça.

Situada em plena capital, com uma aparência nipónica mas muito conteúdo ryukyuano, a avenida Kokusai é a principal artéria de Naha e contrabalança a sul a oferta comercial e de diversão da American Village. Dela ramificam a longa arcada Heiwa Dori, e o shotengai Makishi, um mercado interior público repleto de peixe fresco, carnes e uma panóplia inesgotável de outros produtos que tanto encantam como surpreendem ou assustam os forasteiros.

Vagueamos entre as bancas fascinados com o exotismo tanto das mercadorias como dos vendedores tímidos mas, à sua maneira, bem dispostos. Aqui e ali, encontramos representantes da famosa longevidade de Okinawa, conseguida sem esforço - apesar das atribulações passadas pela ilha - com base num estilo de vida simples e numa alimentação leve e equilibrada assente na combinação vegetais-peixe-soja que, contra qualquer lógica, pouco diz da riquíssima gastronomia de Ryukyu.

A comida de Okinawa e das ilhas do Sudoeste pouco ou nada tem em comum com a das grandes ilhas japonesas. Reflecte o seu isolamento histórico e geográfico. É descendente tanto do esplendor da corte ryukyuana como das vidas empobrecidas do seu povo, de uma preocupação em comer saudável que vem de tempos longínquos em que a medicina e a comida eram vistas como uma só e os alimentos se dividiam em kusui-mun (os medicinais) e os ujinimum (os nutritivos).

Hoje, malgrado o contágio da fast food trazida pelas cadeias americanas, estes princípios sobrevivem. Duas iguarias tornaram-se mais representativas que toda as outras: o porco e o konbu local (um tipo de algas). Todas as partes do animal parecem ser cozinhadas na região, segundo uma miríade de receitas que envolvem os mais inesperados ingredientes e sabores. As algas, essas, compensam a riqueza nutritiva e ácida do suíno. Têm zero calorias, são alcalinas e conferem às sopas e restantes alimentos um sabor distinto.

Nos apertados intervalos para almoço, no entanto, os trabalhadores optam por pratos mais digestíveis e fáceis de comer. Quando subimos ao andar superior do mercado Makishi, todo ele dedicado à restauração, depressa nos vemos cercados de executivos e empregados de lojas que devoram soba de Okinawa e Yayama, massas robustas servidas em caldos de porco. E de outros comensais que não resistem ao suculento bife de Ishigaki, oriundo da ilha homónima do arquipélago Yayeama, por coincidência, a nossa próxima paragem.

Guias: Japão+