Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Pequeno navegador

Pequeno navegador

Criança diverte-se a bordo de uma canoa tradicional no mar cristalino de Saeraghi, na ilha de Ghizo.

Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2a Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Já tínhamos explorado várias outras paragens vizinhas da Polinésia e Melanésia mas, no mapa, o reduto insular com misterioso nome bíblico continuava a atrair-nos. Depois de meses de itinerância australiana, rendemo-nos finalmente ao apelo. Gastámos uma pipa de massa e comprámos voos internacionais. Descolámos de Brisbane. Umas poucas horas depois, estávamos prestes a aterrar em Honiara, a principal cidade da ilha de Guadalcanal e a capital das Ilhas Salomão.

A bordo do avião, seguem apenas uns quatro ou cinco ocidentais e nenhum nos parece o convencional turista ou mochileiro aventuroso. Quando chegamos, todos têm transfer à espera. Nós somos abordados por um bom-samaritano nativo. À conta dele e da escassez de alojamento turístico, acabamos por nos juntar à comunidade cristã da casa da Irmandade Melanésia, a Chester Rest House.

O velho táxi sobe uma ladeira pedregosa e deixa-nos na base de um edifício branco, de madeira. Brother Henry desce os últimos degraus da escadaria e acolhe-nos no seu templo, num quarto simples mas imaculado, dotado de duas camas separadas, folhas com orações penduradas nas paredes e vários crucifixos. O aposento dava para uma varanda com vista sobre Honiara, um estreito contíguo do Pacífico do Sul e Malaita, a ilha em frente.

A tarde estava prestes a começar. Já meio recuperados do massacre da longa viagem desde Sydney, descemos a encosta em que tínhamos dormitado por um caminho quase de cabras para a avenida principal Mendana.

Brilha um sol castigador. Centenas de transeuntes caminham pesarosos, numa longa peregrinação de dois sentidos sob os telheiros ou na sombra dos edifícios da cidade. São quase todos melanésios, de pele bem escura como indica o termo geográfico. Só encontramos excepções de cada vez que espreitamos para dentro das lojas atafulhadas, invariavelmente pertencentes a emigrantes chineses. Viríamos a entrar em várias mas, por essa altura, não resistimos à Frangipani, uma geladaria de uma expatriada neozelandesa em que dezenas de clientes se alinhavam até ao exterior. Antes do anoitecer, fazemos umas compras de frutas e vegetais no mercado e de umas conservas numa das muitas sino-mercearias.

Exploramos o mais que podemos de Honiara. Convictos de que muito melhor das ilhas Salomão nos esperava, perdemos de novo a cabeça e investimos num voo doméstico. No dia seguinte, viajamos 380 km para Ghizo, considerada uma das ilhas mais atractivas do vasto arquipélago.

Durante este voo, apreciamos o exotismo marinho daquela nação retalhada em tons de turquesa e esmeralda num Pacífico do Sul coralífero, pouco profundo e salpicado de florestas densas.

Aterramos na ilha próxima de Nusatupe, de onde nos transportam de barco até a um molhe de Gizo, a capital de Ghizo.

Instalamo-nos numa tal de pousada Naqua.Tal como em Honiara - onde já tínhamos espreitado dezenas de lojas e conversado com uma jovem cantonesa que nos exibiu o seu pigeon (dialecto com base anglófona) de Guadalcanal -  voltamos a comprar fruta no mercado e a visitar lojas chinesas. Eram - também em Gizo - escuras, abafadas, repletas de tudo o que pudéssemos imaginar e geridas por chineses auxiliados por uns poucos empregados e seguranças nativos.

Aproveitámos para continuar a satisfazer a curiosidade sobre como tantos chineses mudavam as suas vidas e abriam negócios nas Ilhas Salomão e noutras paragens da Melanésia e Polinésia. Pedimos para conversar com os donos. Os irmãos Chan acedem, conduzem-nos ao recato de um escritório e contam-nos a sua história: “o nosso pai e o nosso tio evitaram a invasão japonesa de Guangdong (sul da China). Fugiram num barco a vapor que demorou um mês a chegar. Nessa altura, já cá existiam chineses. Tiveram que voltar a fugir quando os japoneses invadiram as ilhas Salomão.” Volta a vir-nos à memória a famosa batalha de Guadalcanal de que acompanhámos inúmeras narrativas nos documentários históricos da TV.

“O nosso pai juntou-se aos americanos e foi cozinheiro, continua Charlie. Com a derrota dos japoneses, ele pôde escolher ir para os E.U.A. ou para a China. Decidiu ficar nas Salomão e trouxe a nossa mãe. Nós já somos a terceira geração. Antes da independência do Reino Unido (1978) vivia-se muito melhor. Agora, como já repararam, começaram a acumular-se demasiados chineses, muita concorrência.”

Esse foi um dos problemas mais suaves que Laurie e Charlie, educados em Hong Kong, tiveram que enfrentar. Em 1998, deflagrou em Guadalcanal e Malaita um conflito étnico que opôs Guales, Malaitinos e outras etnias, de um ou do outro lado. Visto de uma forma simplificada, a contenda teve origem no descontentamento dos Guales pelo domínio populacional, territorial e político dos malaitinos. Milhares de habitantes foram vítimas dos confrontos populares e entre milícias recém-formadas. Nenhuma medida política parecia ter sucesso.  

Como tal, em Julho de 2003, forças policiais australianas e de outras ilhas do Pacífico assentaram arraiais sob o nome de RAMSI (Regional Assistance Mission to Solomon Islands). O caos não se ficou por aí.

Em Abril de 2006, alegações de que o recém-eleito primeiro-ministro tinha usado subornos de chineses e taiwaneses para comprar os votos de membros do parlamento foi o pretexto para incendiar um já antigo ressentimento contra a crescente sino-comunidade. A Chinatown de Honiara foi destruída e a China teve que enviar aviões para evacuar os seus cidadãos. “Nós, aqui, não fomos atacados mas tínhamos armas preparadas e carregadas para o que desse e viesse, confessam-nos os irmãos Chan.”

Mas a maré calamitosa das Salomão estendeu-se ainda mais no tempo.  

Apanhámos boleia na caixa de uma camioneta repleta de nativos e percorremos toda a costa sul e oeste da ilha em direcção a Saeraghi, uma das suas praias mais apelativas. Pelo caminho, conseguimos perceber o poder do último dos cataclismos a afectar o arquipélago. Em Abril de 2007, a região tremeu sob os efeitos de um sismo de 8.0, próximo de Ghizo e a pouca profundidade. Ao primeiro tremor, seguiram-se 45 réplicas com intensidade superior a 5.0. Se estes abanões provocaram uma destruição limitada na pouco urbanizada nação, o tsunami consequente varreu quase mil casas, matou 55 pessoas e deixou milhares sem lar.

O litoral que percorríamos foi um dos mais afectados e, mesmo muitos anos depois, quando chegamos a Saeraghi ainda é visível o impacto da primeira onda com mais de 10 metros de altura e da torrente de água que se seguiu.

O camião larga-nos em frente à enseada que, apesar de vermos algumas casas de madeira, nos parece abandonada. Já sobre o areal, deparamo-nos com um grupo de crianças nativas todas nuas e em plena diversão balnear dentro e fora do mar raso, quente e esverdeado. Sem qualquer consciência do passado dramático daquele lugar ou do porquê da presença dos forasteiros, os miúdos largam as canoas e a câmara d’ar com que se entretêm e vêm investigar-nos. Acabamos por passar a tarde com eles, em plena brincadeira anfíbia. O camião que é suposto apanhar-nos de volta, apareceu com quase duas horas de atraso. Para compensar, a criançada prendou-nos com uma pequena gala dos pequenos cantores de Saeraghi. Entre tantas outras tropelias, enquanto partilhavam a câmara d’ar rodopiante, entoaram em modo hip-hop e com enorme entusiasmo, um qualquer êxito contemporâneo das ilhas Salomão.