Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Glamour vs Fé

Glamour vs Fé

Casal indiano posa diante da Igreja da Divina Providência durante uma produção fotográfica casamenteira

Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Turistas em catadupa, casinos, venda livre de álcool, subsídios regionais e estatais e outras benesses dotam Goa de fundos e investimentos a condizer. Tínhamos visitado à província uma primeira e única vez faziam 17 anos. Mal podíamos crer na revolução que por lá agora encontrávamos. Desde que deixámos o aeroporto de Dabolim, as obras e respectivos estaleiros não paravam de se repetir numa mescla de betão, aço e maquinaria que remexera sucessivos quilómetros de solo açafrão, a mesma terra seca e ocre que guardávamos num profícuo imaginário histórico-colonial. Retocámo-lo de acordo com a inesperada desilusão. Dias depois, já conformados, inaugurámos o compromisso de redescoberta com que lá tínhamos voltado.

“Eles começaram a chegar por volta de 2002. Daí em diante não pararam de aumentar” conta-nos Raj, o proprietário do apartamento de Calangute que alugámos, a referir-se aos inúmeros charters que desde então aterram em Goa e assim prolongam uma já longa invasão russa. Inúmeros estabelecimentos assumiram nomes, menus e a sua comunicação em cirílico. Nas ruas, taxistas e vendedores de tudo um pouco abordam-nos em russo convictos da nossa procedência da nação dos czares. O equívoco satura-nos. Deixa-nos ansiosos de comprovarmos que ainda por ali temos raízes ou, vá lá que seja, alguma razão de ser.

O apartamento antes pertencente a um tal de R.S. Coutinho que o decorou com imagens e mensagens cristãs, veio com uma scooter. A motoreta não nos salvou da modernidade rebuscada e poeirenta em que Goa se tinha metido. Permitiu que nos evadíssemos da inesperada salada indiana-russa.

No fim de uma das manhãs que por lá passámos, saímos disparados para a Velha Goa, onde a história portuguesa da província havia começado. Cruzamos uma ponte em construção sobre o rio Mandovi, onde uma brigada de trânsito preparada para alvejar turistas, nos desvia duzentas rupias. Do lado de lá do rio, somos obrigados a seguir por uma via rápida também ela em obras. Duvidávamos cada vez mais do antigo encanto de Goa mas, quando deixamos a tal estrada e passamos para o reduto tropical e ribeirinho da antiga capital da Índia Portuguesa, tudo muda de figura.

O calor tórrido e húmido, próprio dos meses de Abril e Maio em que se choca a Monção, faz-nos suar a bem suar. Quase que cozemos ao longo da alameda de palmeiras-imperiais que nos separa - e à casa de Deus - do domínio da vizinha Sé Catedral, nem mais nem menos que a maior igreja das Ásias. O momento em que passamos para o interior sombrio e fresco da basílica, chega, assim, com muito de misericordioso.

Photography of people not allowed”, estabelece um dos vários avisos e proibições com que o templo brinda os visitantes. Depreendemos num ápice que os padres e fiéis conservadores procuravam exorcizar a heresia indiana das selfies. Não é que precisássemos de provas mas a visão de um grupo de jovens amigos a fotografar-se na companhia forçada de um Jesus de túnica branca, não lhes passou despercebida. E foi com um misto de devoção e de prazer que estes os despacharam para o claustro recolhido da igreja, sem direito a paragem diante do túmulo dourado e alegadamente milagroso de São Francisco de Xavier, o missionário lendário das Descobertas. Ao longo dos tempos, a Velha Goa, gerou respeito e admiração nos quatro cantos da Terra. Não seria agora, decorrido mais de meio-milénio da sua fundação, que uns catraios hindus dela zumbariam.

A povoação já era, aliás, imponente quando os portugueses a capturaram a um tal de sultão de Bijapur. Agrupava num reduto cercado de muralhas e fosso, o palácio do xá, mesquitas e outros edifícios. Intolerantes para com a arquirrival civilização muçulmana, a partir de 1510, Afonso de Albuquerque e os seus homens pouco mais lá pouparam que algumas fundações. Viriam a usá-las como bases dos muitos solares, palacetes, igrejas e catedrais (12 magnificentes em pouco mais que 1km2) que, sendo hoje difícil de imaginar a realidade de então, tornaram Goa uma das mais esplendorosas cidades do Oriente, fulcro da cristianização das Ásias, diz-se que lugar de sete distintos mercados a que afluíam mercadores da China, das Arábias de Zanzibar e de outras paragens da Índia.

Estas e outras virtudes – casos de, a determinada altura, a sua população já suplantar a de Lisboa e a de Londres e de quase todas as ordens religiosas lá estarem activas – granjeou-lhe o epiteto de Roma do Oriente. Goa passou, todavia, do zénite ao declínio, bem mais depressa que a Roma do Lácio.

Em tempos, a entrada na cidade fazia-se directamente do molhe do rio Mandovi para a Rua Direita, com passagem sob o Arco do Vice-Rei mandado erguer por Francisco da Gama, neto de Vasco da Gama que, em 1597, assumiu ele próprio o cargo. A Rua Direita dava acesso ao centro, num percurso delineado por lojas e pelas mansões palacianas dos seus moradores abastados. De início, o Mandovi foi a via que permitiu a conquista e o desenvolvimento de Goa. O rio veio a revelar-se também o seu verdugo.

Os charcos, pauis e outras águas ainda mais estagnadas após o término da época das chuvas tornaram-se um fulcro de malária e de cólera, epidemias que, entre 1543 e 1630, devastaram quase dois terços da população. Como se não bastasse, nesse período, o rio começou a assorear. As embarcações de maior porte deixaram de poder aportar no molhe da cidade.

Desesperado com a situação, em 1759, o Conde de Alvor, o Vice-Rei de então, decretou a mudança forçada para a actual Pangim, até então uma aldeia junto à foz em que o Mandovi se rende ao Mar da Arábia.

Como resultado das sucessivas tragédias, de mais de 200.000 habitantes, em 1775, subsistiam em Goa apenas 1500. A cidade foi entregue de vez ao tempo. Daí em diante, passou a ser conhecida pelo seu cognome geriátrico.

Pangim assumiu o estatuto de Nova Goa. Em 1843, já funcionava como sede administrativa da Índia Portuguesa. Lá ganhou expressão um dos mais ricos legados coloniais urbanos deixados pelos portugueses na Índia. Uma herança que, como a de Velha Goa, nos sentíamos impelidos a revisitar.

Almoçamos no Viva Pangim, um restaurante pitoresco com comida e atmosfera goesa. Linda de Sousa, a dona, confessa-nos que já não fala português e remete-nos para um cliente esguio e elegante, de calça e camisa, numa mesa ao lado. Olavo de Santa Rita Lobo faz-nos sentir sem cerimónias que, quase 60 anos depois, estava longe de digerir a indianização de Goa “então e porque é que ficaram lá em cima em Calangute? Aquilo, agora, é só gente maluca, indianos que não têm nada a ver connosco. Bêbados, drogados. Tornou-se até perigoso. Deviam ter ficado cá em Pangim!”

Advogado de profissão, Olavo trata de resolver um crescente número de pedidos de nacionalidade portuguesa que os goeses – mas não só - lhe confiam. “O pessoal de cá, com este governo, não tem empregos. Nem com este nem com os anteriores. Eles são cada vez mais contra a herança portuguesa. Não querem saber de nós.”

Terminamos a refeição e de ouvir o seu queixume. Despedimo-nos. Deixamo-nos perder nas ruelas coloridas e ainda tão lusas do bairro das Fontaínhas. Quase de imediato, uns estranhos guinchos despertam-nos a atenção. Seguimos-lhes o rasto e damos com o que nos pareceu um violinista louco a praticar de janela aberta. O músico traja uma camisa e calça brancas que pouco mais são que farrapos. Expõe boa parte da sua pele, como o cabelo forte e farto, demasiado branca para que nos restassem dúvidas. “Ainda fala português?” perguntamos-lhe. “Falo, então não falo! Claro que sim.” Ivo Furtado interrompe a guincharia do violino, chama-nos e concentra o olhar nas nossas máquinas fotográficas. Mostra-nos algumas suas velhas fotos emolduradas e informa-nos que as tirou com uma boa Hasselblad. Perguntamos-lhe se o podemos fotografar a tocar violino o que o deixa meio aflito. “A mim não! Eu gostava de fotografar mas nunca gostei de me ver em fotos.” Continuamos a falar da sua vida em Pangim. A determinada altura abordamos o tema da integração de Goa na Índia. Ivo corrige-nos como que em brasa: “Independência, não! ... invasão. O que foi feito aqui pela Índia foi apenas e só uma invasão.” e disfarça a sua quase cólera com um silêncio estratégico. Temos o tempo contado pelo que nos vemos forçados a desperdir-nos.

 “Estas escadas vão dar ao Altinho, certo?” Ivo confirma-nos a direcção. A meio da subida, damos de caras com o sr. Fernando, a arejar o tronco nu sobre a porta meio aberta da sua pequena casa de telha e perfil luso. Em nova conversa, confirmarmos que nenhum dos três nativos com que nos havíamos cruzado tinham alguma vez posto o pé em Portugal continental. Ainda assim, sentimos em todos eles, um desfasamento da Índia actual e um saudosismo da Goa portuguesa para o qual os anos que lhes restavam não auguravam qualquer solução.

Num ápice, chegamos à altura da colina que abrigava mais uma série de edifícios coloniais imponentes, incluindo o tribunal da cidade e o Palácio do Bispo. Recomeçamos a descer. Damos com o Consulado Português, com bastantes indianos no exterior à espera de resolver os seus pedidos de nacionalidade, à imagem do que nos descrevera Olavo.

Atingimos a base do monumento mais emblemático da cidade, a Igreja da Nª Srª da Imaculada Conceição. O sol quase poente ilumina-a e à sua estátua da Virgem destacada bem à frente da fachada, a contemplar o Jardim Municipal. Esplendorosa como se revelava, a igreja inspirava a adoração de uma dezena de veraneantes hindus irrequietos, com os smartphones sempre em riste, entretidos com repetidas poses sensuais. Longe de ser o caso da igreja vedeta de Pangim, demasiados edifícios históricos da cidade sucumbem à falta de proprietários e de cuidado das autoridades estatais que veem como prioridades a autoestrada que atravessará Goa de alto a baixo e a modernização da província em geral.

Goa deixou de ser portuguesa quando nos dias 18 e 19 de Dezembro de 1961 - 14 anos depois da Índia ter terminado o longo período do Raj colonial britânico e declarado a sua independência - as Forças Armadas Indianas levaram a cabo uma operação aérea, marítima e terreste de nome Vijay (Victória). Como seria de esperar, o confronto ficou marcado pela esmagadora superioridade indiana que mobilizou 45.000 soldados, um pequeno porta-aviões e mais de quarenta caças e bombardeiros bem como quinze outras embarcações contra poucos mais de 4000 homens portugueses, uma fragata e três barcos de patrulha.

Na ressaca, a Índia matou trinta homens do lado colonial. Fez 4668 prisioneiros. Mas, mais que isso, terminou com 451 anos de domínio português sobre os territórios que mantinha no subcontinente: Goa, Damão e Diu.

Entre os indianos em geral, a operação foi considerada de libertação. Em Portugal, e para uma boa parte dos goeses como Olavo e Ivo, como uma agressão contra o território português e os seus cidadãos. Boa parte deles, partiram de Goa para Portugal ou outras paragens.

Em Pangim, quase só os habitantes dessa geração que ficaram – mas nem todos – continuam a falar português que deixou de ser ensinado nas escolas. É sabido que a Fundação Oriente prestava apoio a escolas secundárias que optaram por a ter como segundo dialecto, em vez do inglês. No entanto, o número de alunos tem-se provado insuficiente para abrir turmas.

Chegamos a Janeiro de 2018. O Primeiro-Ministro português António Costa visita Goa a convite do Primeiro-Ministro indiano Narendra Modi. O pai de António Costa, Orlando da Costa, era goês, bramane e católico, nascido em Lourenço Marques, em 1929, mas criado em Goa, no seio da família de Margão, até à adolescência, altura em que partiu para Lisboa, se viria a tornar escritor e a casar com a jornalista Maria Antónia Palla. 

Na Goa actual, não são só os encantadores edifícios seculares que se encontram em risco de colapso. À medida que os moradores mais idosos falecem, a língua portuguesa colapsa.  

Durante a sua visita, António Costa manifestou  orgulho por ser o primeiro primeiro-ministro europeu de origem indiana e o desejo de que a sua visita lançasse fundações para uma uma parceria robusta entre a Índia e Portugal, no século XXI. Resta ver se essa parceria se tornará real. E se salvará a deslumbrante cultura colonial luso-goesa.