Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Budismo XXL

Budismo XXL

O mosteiro budista de Tawang, o maior da Índia e segundo maior do mundo, atrás do de Potala, Lhasa, Tibete.

Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Arrasta-se, longo, íngreme e sinuoso, o percurso da planura de Assam para o âmago rugoso de Arunachal Pradesh. A certo ponto, aproxima-se dos 4170 metros de altitude do Sela Pass, uma portela frígida e ventosa que separa Kameng Ocidental de Tawang. Cruzamos o pórtico budista entre as suas bandeiras de oração esvoaçantes. Contornamos o lago semi-gelado que a moldura nos desvenda e continuamos pelo último dos distritos adentro. Tanto alguns quilómetros aquém como para lá de Sela, os esses da estrada surgem salpicados de lona verde e de camuflado de campanha.

Sucedem-se tendas e paióis dissimulados, camiões e outros veículos menos pesados. Milhares de soldados, oriundos um pouco de toda a Índia, povoam e operam estas estratégicas colónias bélicas, que veríamos repetir-se até aos derradeiros metros do norte indiano.

Das alturas de Sela, atingimos a vertente que conduz à orla do vale de Tawang e as povoações que nele se instalaram: Dungkhar, Khalengche, Tongsheng. Tawang, a cidade, mantinha-se destacada, bem acima, na encosta contrária. O plano era nela nos abrigarmos para a noite. Antes de o concretizarmos, impõe-se um derradeiro desvio a Thinmey, lugar de um mosteiro de monta, ainda assim, na sombra do maior e mais famoso da região.

Chegamos sobre o último estertor da tarde. Distraímo-nos algum tempo com uma roda gigantesca de oração até que uma súbita algazarra vinda das traseiras do complexo nos desperta a curiosidade. Um barracão delgado que servia de aposento separava o edifício principal de um pátio elevado de terra batida, munido de uma rede de vólei e de badminton. Lá se concentravam os monges do mosteiro, em pleno torneio do desporto arraquetado. Dois pares aguerridos tinham-se já livrado da quase totalidade dos trajes cor-de-vinho. Defrontavam-se com uma fúria contida em função da sacralidade do lugar e da presença de jovens discípulos. Estes, acompanhavam o dramatismo da partida a bebericar chá. Ansiavam pela sua vez de jogar. E por que o fumo libertado pelas grandes panelas estorricadas que atravessava o telhado de zinco da cozinha e subia aos céus, se sublimasse na hora do jantar comunal.

O ocaso ditou o término do torneio, a hora de nos refugiarmos no Hotel Yangzom e a iminência do nosso próprio repasto. Vínhamos de doze horas de fascinante mas dolorosa expedição rodoviária. Não resistimos muitas mais. Despertamos para o novo dia bem antes do sol. Espreitamos a casa que viu nascer Tsangyang Gyatso, o sexto Dalai Lama, um jovem da etnia mompa predominante nestas paragens. Na sequência, atravessamos a Tawang urbana e visitamos uma enorme estátua do  seu inspirador: Bhudda.

Mal tinha ainda amanhecido. Um pelotão de crentes circundava a base vermelha do trono colorido do sábio, a desfiar as contas dos seus malas, os rosários budistas. Os raios solares começaram a dourar um santuário longínquo, de tal forma resplandecente que nos arrebatou de vez o olhar.

Era muito mais que apenas outro mero mosteiro, o castro de edifícios brancos e amarelos que admirámos e fotografámos até a exaustão, contra um recorte caprichoso de montanhas sombrias.

Fundado em 1680-81, a 3000 metros de altitude, o mosteiro budista de Tawang mantém-se o maior da Índia. É, aliás, o segundo maior do mundo, logo a seguir ao de Potala que resiste à sino-invasão chinesa no coração tibetano de Lhasa.

Por volta das oito, o mosteiro e os monges residentes estavam entregues às suas rotinas. Vimo-los concentrarem-se em frente a uma longa ala escolar, logo, agruparem de frente para o edifício, costas voltadas para cidade e o cenário de cordilheira que a envolvia. Outros, surgem do interior das salas de aula e de partes distintas do complexo. Trazem cadernos e blocos. Formam novos grupos no terraço e dão início a uma animada sessão de debate budista, repleta de palmas, gritos silogísticos e réplicas desafiantes.

Uma hora e meia depois, o debate e os ensinamentos são encerrados. Um batalhão de monges e monginhos forma sobre o terraço e assiste a um discurso vagaroso de um dos mentores do mosteiro. Segue-se uma oração de grupo que os mais novos acompanham, os da fila da frente compenetrados e de olhos fechados, sob a supervisão bafejante dos velhos tutores. Entretanto, também aquela sessão de fé e disciplina chega ao fim. Os adolescentes e a criançada dispersam entre um óbvio alívio e o êxtase, muitos deles para a alameda de acesso de mosteiro que não tardam a varrer em cadeia.

Deixamos os monges ocupados com a sua fascina. Tawang acolhia também um convento, o de Ani. John, o guia local era da opinião de que o devíamos visitar. Fizemo-nos, assim, ao caminho mas, sem que alguma vez o esperássemos, vimo-nos emboscados por um batalhão militar que controlava não só a estrada de acesso, como uma vasta área em redor.

Por motivos que não tardaremos a explanar, Arunachal Pradesh é uma das províncias indianas mais delicadas em termos de segurança e presença de estrangeiros. Fazíamos parte de uma comitiva de jornalistas, todos munidos de vistos especiais que lhes granjeavam a cobertura do lugar. Mesmo assim, quando um enorme soldado sikh faz deter o carro em que seguíamos, ocorre-nos pensar que podemos estar em sarilhos. É pobre o inglês do militar, pelo que nos assiste a tradução do motorista. “Organizaram uma festa Punjabi lá no batalhão deles. Fazem questão de que participem.”

De início, torcemos o nariz. A outra metade do nosso grupo tinha já chegado ao convento. Não queríamos perder o lado feminino da religiosidade budista de Tawang. Mas, quando o motorista nos diz que temos tempo; que não ia haver problema se chegássemos ao convento mais tarde, deixamos de sentir restrições e valorizamos o convite como merecia.

Momentos depois, damos por nós a conviver com dezenas de oficiais e soldados indianos: punjabis e sikhs, quase todos robustos e de postura altiva, como é seu apanágio. Oferecem-nos papad e outras especialidades em thalis sortidos. Depressa percebemos que nos faltava estômago para o picante usado, desculpamo-nos e passamos a suaves sobremesas de kheer, o arroz doce indiano. Mais e mais militares e populares se juntam ao convívio e ao ataque aliado de uma longa mesa de bufê. Soa musica festiva mas, contida pela seriedade da missão do batalhão, a festa nunca chega a descambar para devaneios bollywoodescos. Ali, como em redor do Sela Pass e noutros lugares de Arunachal Pradesh, a presença do exército indiano tem uma razão histórica e outra actual de ser. Entre ambas, jaz a segurança e a supremacia da sua vasta e megapopulosa nação.

Por volta de 500 a.C., a região de Tawang era já dominada pela etnia Mompa. Fez parte do reino do Butão. Mais tarde, viu-se incorporada no do Tibete e assim permaneceu durante séculos a fio. Em 1914, com os Britânicos cada vez mais predominantes nesta zona da Ásia, um tal de Acordo de Shimla entre a Grã-Bretanha, a Índia e o Tibete, forçou o Tibete a ceder várias centenas de km2 à Grã-Bretanha. O tratado foi desprezado pela China. Durante todo este período, mesmo separada do Tibete, Tawang manteve-se sempre acessível aos tibetanos. Em 1950, a China invadiu o Tibete. Tawang tornou-se-lhes gradualmente inacessível. Uma ferida aberta entre a China e a República indiana, declarada independente apenas três anos antes. Desde o início da sublevação e em especial durante as revoltas de 1959, a Índia prestou apoio aos tibetanos, incluindo ao Dalai Lama a quem concedeu, de imediato, asilo. Em simultâneo, deu início à sua Forward Policy em que estabeleceu diversos entrepostos militares, até mesmo a norte da Linha Fronteiriça de McMahon (definida pelo Secretário para os Assuntos Estrangeiros Henry McMahon).

Por seu lado, meses após o acordo de Shimla, a China tinha já estabelecido os seus próprios entrepostos a sul dessa linha. Como seria de esperar, a divergência levou ao confronto.

Incapazes de fazer valer os seus intentos, os chineses lançaram ofensivas na região de Ladakh e, ao mesmo tempo, através da Linha McMahon. Fizeram-no em plenos Altos Himalaias, num dos cenários de guerra mais agrestes de sempre. E em plena Crise dos Misseis Cubana quando o atrevimento soviético em Cuba deixou os E.U.A. em apuros e indisponível para apoiar a Índia. Em 1962, Tawang viu-se, assim, ocupada pela China, à imagem de uns quase 40.000 km2 antes pertencentes à Índia ou sob disputa.

Satisfeitos com o resultado da sua invasão mas cautelosos, os chineses declararam um cessar-fogo unilateral e recuaram de algumas das posições. Tawang foi uma delas.

A partir de Novembro de 1962, regressou a controlo indiano. Como seria de esperar, Dehli nunca recuperou do trauma. Com a casa roubada, colocou trancas à porta.

Deixamos o banquete, agradecidos pelo convívio e pelas gentis fotos de grupo, apostados em recuperar os planos originais. Quando chegamos ao convento, a outra metade do grupo estava de saída. Acolhe-nos apenas um pórtico com a mensagem tibetana de “Tashi Delek” traduzível como “Benção e Boa-sorte” ou “Saudações Auspiciosas”.

Chateamos, em segunda mão, as poucas freiras esquivas que por lá encontramos. Do convento, regressamos ao coração de Tawang e exploramos o seu mercado de rua frenético. À tarde, visitamos, Tipki, uma aldeia tradicional mompa no fundo do vale, onde somos recebidos com tal festa, pompa e cerimónia que o preferimos narrar num artigo dedicado. Deixamos a aldeia já sobre o pôr-do-sol e voltamos ao abrigo nocturno do hotel.

Novo dia, novo despertar sofredor, ainda mais madrugador que o prévio. Regressamos ao mosteiro de Tawang decididos a assistir à reza matutina dos monges aprendizes. Quando entramos no complexo ainda é de noite e não detectamos vivalma. Sentamo-nos à porta do templo principal, numa expectativa sonolenta. Por fim, com os primeiros raios solares a furarem as nuvens a leste, uma torrente de “pequenos budas” surge da ala habitacional do mosteiro, atravessa o pátio e irrompe templo adentro em grande correria. Os jovens monges sentam-se em várias linhas e recebem uma taça de leite que lhes quebra o jejum. Na sequência, um sacerdote adulto dá início à cerimónia com cânticos e orações ressonantes que nem a nossa cada vez mais dinâmica intromissão atrapalham.

Deixamos o mosteiro sob pressão de John que, nesse resto de dia, tinha que nos conduzir a todos de regresso a Guwahati, a capital da província vizinha de Assam. O sol que entrava em força pelas janelas do templo, atingia as faces de uns poucos monges eleitos. E reanimava a missão defensiva dos muitos batalhões do exército indiano por ali destacados.