Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Lagoas fumarentas

Lagoas fumarentas

Lagoas e fumarolas na base do vulcão Tongariro.

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


A encarregada da guest house não tem boas notícias para os hóspedes ansiosos: “gostava de vos dar melhores notícias mas a coisa parece complicada. Está previsto para amanhã vento ainda mais forte. Se se confirmar, os rangers fecham o trilho.”

Afectados pela notícia e contagiados pelo desalento comunal que se instala, impressiona-nos o silvar poderoso, audível no interior apesar do isolamento do edifício. Percebemos, cada vez melhor, a razão de ser do nome polinésio atribuído pelos indígenas ao domínio que todos desejávamos percorrer. “Tonga” significava vento do sul. “Riro”, levado. Para mal dos nossos pecados, o padrão meteorológico não parecia disposto a dar tréguas. Devido à força com que persistia, tornava arriscada até a mera descoberta rodoviária dos cenários em redor.

Deixamos esse dia passar no conforto da pousada, entregues a distintos afazeres e prazeres online, a um convívio internacional e a bebidas aconchegantes. Para não variar, deitamo-nos tarde. Temos mais dificuldade que o costume em despertar com a alvorada mas, curiosos para verificar que fortuna traria o novo dia, acabamos por nos obrigar a levantar. Espreitamos pela janela embaciada e não vemos já o balouçar da vegetação. O céu permanece tão limpo quanto antes mas, com o vento desistente, foi-se também a poeira que antes esvoaçava. Mal acreditamos naquela benesse dos deuses maori. Arrumamos nas mochilas o que temos que levar e fazemo-nos à estrada.

Chegamos em três tempos à entrada do parque. Estacionamos e interpretamos o painel com o mapa do trilho e restantes avisos. Entusiasmados pela significância daquela caminhada, inauguramos os 20 km do Tongariro Alpine Crossing.

As primeiras centenas de metros são planas, percorridas sobre um passadiço de madeira, entre arbustos amarelados resistentes. Mas, a determinada altura, o trilho rende-se à pedra-lava e faz-se às montanhas. Entregamo-nos ao coração fumegante de Te Ika A Maui, a ilha do norte da Nova Zelândia.

Mais que um mero vulcão, o reduto de Tongariro consiste num maciço vulcânico que agrupa 12 cones em redor do monte homónimo que chega aos 1978 m. Foi cedido pelo chefe maori todo-poderoso Te Heuheu Tukino aos colonos europeus de forma a apaziguar conflitos já duradouros e evitar a exploração comercial do lugar, com a exigência única de respeito pelas crenças indígenas.

Aos poucos, acercamo-nos da sua base e o trilho transforma-se numa rampa tão sinuosa como dolorosa. Eleva-nos a um planalto castanho, semi-nevado e à proximidade do vizinho ainda mais elevado, o Ngauruhoe, um colossal cone secundário do Tongariro que entrou em erupção em mais de 70 ocasiões, desde 1839, mas que, ao contrário do principal, se tem mantido tranquilo.

Durante 2012, foram duas as erupções de monta do Tongariro. A segunda, no fim de Novembro, seis meses após a inaugural, obrigou o professor Lomi Schaumkel e um grupo de 90 alunos que se encontravam a apenas 1 km da cratera a correr, preocupados como nunca, pela vida: “estávamos bem próximos e foi realmente espectacular e assustador ver toda a cinza a ser projectada. Parecia uma daquelas explosões de bomba atómica. Fez um som subterrâneo impressionante.” 

Nessa ocasião, as autoridades tiveram que evacuar outras 40 a 50 pessoas do trilho por que continuávamos a avançar. Não foram esses os únicos percalços. A uma escala bem mais contida do que se passou com o congénere islandês Eyjafjallajokull, a erupção do Tongariro causou também a interrupção de grande parte tráfego aéreo neozelandês.  

Encontramos na encosta que nos desgasta, dois ou três grupos de trampers que recuperam energias a devorar barras energéticas e chocolates junto às placas de orientação. Juntamo-nos à refeição por alguns minutos. Restabelecidos, alguns daqueles caminhantes desviam-se da rota para conquistar o iminente Ngauruhoe. Outros, como nós, mantêm-se no trilho principal.

Terminada a planura, anuncia-se nova subida. A segunda metade desta vertente surge coberta de gelo e de pedras soltas que resvalam. Pouco depois, chegamos aos domínios elevados e sulfúricos do Monte Tongariro e vislumbramos, escondida na sombra, a Cratera Vermelha, assim chamada por estar coberta de uma rocha ocre repleta de ferro oxidado, cercada pela lava escura libertada pelas várias erupções.

Acedemos à secção problemática do percurso, aquela que mais justificava o fecho do trilho caso o vento forte se tivesse confirmado. Ali, a caminhada é feita ao longo de uma aresta estreita do cume em que qualquer descuido pode significar cair muitos metros para o interior fumegante da cratera. Sem vento para importunar ou cansaço excessivo, seguimos sem sobressaltos até ao começo da próxima descida que fazemos quase a correr e semi-enterrados numa rampa poeirenta de areia e cinza.

A meio da descida, revelam-se três lagos que ocupam buracos abertos por antigas explosões vulcânicas. O trilho prossegue e chega a outro lago de maior dimensão e título a condizer, o Te Wai-whakaata-o-te Rangihiroa, lago azul na versão simplificada ocidental.

Paramos no topo de uma encosta intermédia com vista privilegiada. Observamos as vistas que ficaram para atrás. Abaixo, além do lago, estende-se uma superfície lunar com uma cicatriz escura de lava que mancha a base amarelada de um leito seco. Detectamos ainda, o cume aguçado do Ngauruhoe, destacado da paisagem surreal.

Foi nestes panoramas estranhamente grandiosos e, em particular, no visual enigmático das mais aguçadas montanhas de Tongariro que Peter Jackson se inspirou para recriar Mount Doom, a moradia incandescente e temida em que J.R.R. Tolkien fez Sauron forjar o poderoso Anel Um.

Nos planos mais longos da sequela, a montanha negra foi, no entanto, representada por um modelo de grande escala ou por uma imagem gerada por computador. Apesar de já dividido entre o bem o mal da obra que passava para o ecrã, Peter Jackson teve que se submeter a um outro poder, o da mitologia secular maori.

Os indígenas neozelandeses acreditam que o vulcão Ngauruhoe foi baptizado por Ngatoro-i-rangi, um alto sacerdote mitológico colonizador de Aotearoa (a Nova Zelândia). Crêem também que Ngatoro-i-rangi convocou para aquela montanha o fogo da sua pátria espiritual Hawaiki com o propósito de terminar com o frio que a enregelava e ao domínio circundante.

O vulcão é, há muito, tabu. De acordo, os chefes maori não permitiram que fosse filmado. O realizador kiwi Peter Jackson encontrou soluções alternativas na tecnologia assistida por computador e nas encostas da terceira grande montanha vulcânica de Tongariro, o mais afastado e ainda mais elevado vulcão Ruapehu (2797 m).

Mas, nem o respeito pela cultura ancestral nem o sucesso estrondoso da saga que promoveu a Nova Zelândia por todo o Mundo, contribuíram para sanar a velha polémica.

Como o vê a maioria dos indígenas, a passagem do território sagrado para as mãos dos pakeha (europeus) resultou de uma decisão precipitada do chefe Te Heuheu Tukino. Hoje, decorridos quase 127 anos, muitos maori mantêm-se revoltados pela oferta. Defendem que, por liderar apenas a tribo Ngati Tuwharetoa, o chefe não poderia ter alienado as montanhas à revelia da restante nação indígena e reclamaram num tribunal de Waitangi, uma participação directa nos destinos das suas montanhas de fogo.

À medida que regressamos ao parque de estacionamento, muito depois da hora prevista, extenuados e meio perdidos no breu que se havia instalado, passa-nos pela mente o que teria opinado o demoníaco Sauron de toda esta confusão.