Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Jingkieng Wahsurah

Jingkieng Wahsurah

Outra ponte de raízes de Nongblai que atravessa o rio às margens da povoação logo acima de uma queda d'água.

Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Cria(ra)m Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes vegetais deslumbrantes às futuras gerações.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Estava longe de ser a realidade dos dias de Natal que por ali passamos: solarengos durante o dia, mais frescos após o ocaso, mas secos. A província de Meghalaya que se traduz como “morada das nuvens”, é, de longe, a mais chovida da Índia. Conta com várias povoações no top 10 da pluviosidade mundial. Delas, Cherrapunjee e Mawsynram ostentam números na ordem dos 25.000 mm anuais. Disputam o recorde absoluto entre si e com outras povoações colombianas.

Por norma, quando chega Maio, o calor gera uma intensa evaporação do oceano Índico, Mar Arábico e Baía de Bengala. Nuvens carregadas de humidade são empurradas sobre o subcontinente por ventos de sul. Quanto mais elevada é a terra próxima mais chuva proporciona. Ora, Meghalaya ocupa o planalto acima do aluvial Bangladesh, a poucos quilómetros do litoral da Baía de Bengala. Não tardamos a observar a ruptura na paisagem entre as duas regiões.

Tínhamos como base Shillong, a capital do estado. De lá partimos manhã atrás de manhã rumo a sul. Numa dessas jornadas, saímos com Cherrapunjee como destino final. Muita curva e contracurva por montes e vales depois, Gus e Don, o condutor e o guia que nos auxiliavam na descoberta da província, fizeram o carro deter-se na beira de um precipício em forma de ferradura, repleto de vendedores. Mal nos aproximamos da falésia, percebemos como o cenário e os diferentes visuais que dele antes tínhamos visto espelhavam o contraste entre as duas épocas meteorológicas do ano.

Uma queda d’água longínqua - por sinal a mais alta da Índia, com 340 metros - precipita-se do cimo florestado da meseta para dentro de uma lagoa entre o verde e o azul.

O seu nome anglófono, Seven Sisters Falls, alude ao facto de, na época chuvosa, o salto que ali víamos se multiplicar por sete, cada qual representativo de um dos estados do distinto Nordeste Indiano: Assam, Anurachal Pradesh, Tripura, Nagaland, Manipur, Meghalaya e Mizoram. Em plena fase mais-que-ensopada da monção, as nuvens preenchem o anfiteatro natural no sopé. Invadem e irrigam também a maior parte da zona rugosa e luxuriante acima das Nohkalikai, o nome khasi (dialecto local) da queda d’água, inspirado numa lenda que envolve Likai, uma mulher local, o seu filho, marido e canibalismo familiar. De tal forma macabra que nos furtamos a entrar em pormenor.

Nos dias realmente chuvosos, mais que uma sequência de torrentes verticais, as Nohkalikai provêm de todo e qualquer sulco no relevo. Tornam-se um listado fluvial dissimulado pela névoa que por ali sempre paira. Após o derradeiro chuáa do embate nas rochas na base, os seus caudais prosseguem, fartos, rumo às planícies arenosas do Bangladesh. Pelo caminho, passam por uma série de aldeias Khasi e Jaintia autodegredadas no fundo dos vales.

Uns dias depois, na ascensão de regresso de Nongblai, uma dessas povoações, perguntamos ao jovem guia nativo Morning Star Kongthaw o que tinha feito as pessoas habitarem lugares de tão doloroso acesso. Morning Star pouco adorna a explicação: “Há séculos atrás, a sobrevivência não era como hoje. As famílias tinham que encontrar fontes de alimento fiáveis. Os rios passavam lá em baixo. Além de lhes garantirem peixe e outros animais, permitiam o cultivo de vegetais e frutas. Para as pessoas, o cansaço tinha pouco significado quando comparado com o terem a vida assegurada. Para muitas, ainda é assim.”

Duas etnias em particular, ocuparam os recantos ribeirinhos férteis de Meghalaya. Foram elas a Khasi e a Pnar, ou Jaintia, ambas matrilineares e que os missionários Britânicos converteram ao ponto de os Khasi e os Pnar formarem, em Meghalaya, o estado mais Cristão e eventualmente menos “indiano” da Índia, onde as pessoas partilham uma noção de espaço individual e de recato perante o próximo incomuns no subcontinente. Enquanto a explorávamos, Meghalaya mantinha-se rendida a intensas celebrações de Natal, como nenhum outro estado indiano o fazia.

Quando se instalaram no fundo dos vales dos Montes Khasi, tanto os Khasi como os Pnar tiveram que aprender a obter víveres dos caudais e das suas margens. Mas não só. Viram-se obrigados a prever as enormes oscilações sazonais no volume dos rios e o espaço de manobra a salvaguardar as suas habitações e cultivos. A outra questão a requerer o melhor do seu engenho foi como garantir a travessia dos caudais aumentados. A solução a que chegaram primou por um espantoso pragmatismo orgânico, bem mais moldável e resistente às torrentes furiosas que aço e betão e virtualmente sem custos. Agora que o turismo chega a toda a parte e lhes bateu à porta, fascina o resto do mundo. Em muitos casos, também representa um meio de subsistência profícuo.

Demos início à incursão a Nongblai, desta feita, conduzidos por Sadam, um chofer hindu, mais que peculiar, tragicómico. Apanhamos Morning Star a poucos quilómetros do início da longa escadaria que tínhamos que percorrer. Durante uma boa hora, descemos pelos degraus de pedra altos e irregulares e, em zonas de sombra, cobertos de musgo escorregadio, diz-nos o guia que, durante a época das chuvas, formava um enorme tapete verde. Nessa hora, só vimos a vegetação diversificada que envolvia as escadas e o lado de lá do vale. Deparamo-nos apenas com dois ou três aldeãos vindos do sentido ascendente, menos cansados do que poderíamos supor. Por fim, percebemos o sulco do rio e vislumbrámos o casario da povoação algumas dezenas de metros acima.

Mandava o ritual que nos recebesse o chefe da aldeia. Morning Star ainda nos ensina umas palavras em dialecto khasi – por exemplo, o sempre útil obrigado, khublei shibun - mas Longneh Khong Sni, de inglês, nada falava pelo que toda a comunicação fluiu através do guia.

Morning Star conta-nos que as autoridades de turismo de Meghalaya o haviam avisado da nossa visita à última hora. Por arrasto, a família do chefe não pudera acolher-nos como gostaria.

A descida tinha-nos deixado esfomeados. Os anfitriões sabiam-no. De acordo, dizem-nos para nos instalarmos no chão de madeira da pequena palafita e servem-nos chá, logo, arroz branco com omelete que devoramos como se do mais irresistível pitéu se tratasse.

Findo o repasto, o chefe puxa umas baforadas do seu cachimbo. Eu, aproveito a boleia de Morning Star e experimento pela primeira vez mascar noz de bétele, tão popular por aquelas paragens, um pouco por toda a Índia e Ásia.

O sabor revelou-se horrível. Como se não bastasse, o líquido semi-ácido causou-me uma enorme afta. Após dez minutos de salivação acentuada, cuspi, aliviado, o líquido avermelhado, lavei a boca e jurei que nunca mais. “Só lá vai com o hábito!” assegurou-me Morning Star, a conter uma risada. Por essa altura, estava convencido que era algo a que nunca me iria habituar.

Deixamos o lar do chefe apontados ao rio. Há mais de três horas que tínhamos deixado o conforto do hotel de Shillong com um propósito bem vincado em mente. Dez minutos de caminhada adicional depois, deparamo-nos com a razão de ser superior da excursão: Jingkieng Wahlangseng. Uma ponte arbórea massiva e musgosa abraçava o vasto leito rochoso, com raízes aéreas profusas esticadas a partir dos troncos mais grossos, alinhadas, entrançadas e esculpidas para formarem um passadiço seguro. Outras, mais jovens e finas, caíam sobre a água cristalina em jeito de franjas decorativas. Por intervenção dos aldeãos de Nongblai que as orientam com canas-de-bambu, a árvore-da-borracha (ficus elastica) que a gerara, crescera para o lado, com ramificações poderosas apontadas à direcção onde o sol se arrastava antes de sumir atrás da montanha.

Atravessamo-la para cá e para lá num absoluto êxtase vegetal. Enquanto isso, o chefe instala-se sobre o tronco na companhia de dois dos seus filhos infantes. Puxa de algumas derradeiras baforadas e fica a contemplar, na mais pura tranquilidade, o cenário abendiçoado em que vivia.

“Gostaram desta?” indaga-nos Morning Star. Em Meghalaya existem centenas. Demoram quase meio século até atingirem esta dimensão mas, se ninguém as cortar, só ficam maiores e mais fortes. Aqui, na aldeia, são umas outras cinco. Vamos à próxima?”.

Claro que fomos. Com pena de não termos tempo para acompanharmos Morning Star dias, semanas a fio, pelos vales de Meghalaya. Para as descobrirmos, apreciarmos e cruzarmos a todas, de preferência, na época das chuvas quando a paisagem é ainda mais luxuriante e verdejante.

Jingkieng Wahsurah, a ponte que se seguiu, surgiu num sector do mesmo rio cortado por um grande socalco e que abrigava uma queda d’água. A luz entrava ali bem menos que na zona da ponte anterior. Ainda assim, durante mais de um século, a ficus elastica residente tinha-se ali desenvolvido e largado os seus tentáculos de forma sôfrega. Mal percebíamos se os ramos e raízes atapetados pelo musgo pertenciam a uma ou a mais espécimes.

Morning Star some-se. Quando o descobrimos a partir do passadiço, estava empoleirado num dos ramos que se prolongavam para jusante, a fotografar a ponte de baixo para cima. Não resistimos a ele nos juntarmos pelo mesmo trilho íngreme. Para espanto dos filhos do chefe da aldeia e de duas outras crianças recém-aparecidas, pouco ou nada habituados a ver forasteiros em tais aventuras.

O sol já se insinuava ao limiar sul do vale e ainda tínhamos duas horas ou mais de volta às terras altas. Consciente da dificuldade adicional da subida no escuro, Morning Star apressou-nos. Retornámos à casa de Longneh Khong Sni, agradecemos o privilégio da visita à aldeia e despedimo-nos da esposa e filhos. O chefe tinha uma reunião na povoação no cimo da escadaria pelo que subiu connosco.

Até mais de meio, cumprimos a ascensão cansados mas sem demasiado queixume. A partir da hora e três quartos, com o breu instalado e as pernas a cederem ao peso das mochilas fotográficas e ao intenso desgaste, quase nos arrastámos para atingirmos o derradeiro degrau, sempre estimulados por Morning Star que se entreteve a renovar a promessa de que só faltavam cinco minutos.

Ainda bebemos juntos um chá masala numa casa de chá local. Por fim, enfiamo-nos no carro entregues aos caprichos de Sadam. Estávamos os dois prestes a adormecer, embalados pelas curvas, quando reparamos que o motorista tinha um leitor de vídeo instalado sobre o volante. Assistia a um qualquer êxito Bollywoodesco enquanto nos conduzia pela estrada, quase sempre ladeada de precipícios. Mesmo assim, chegámos sãos e salvos a Shillong. Passámos o dia seguinte doridos como há muito não sentíamos.

A tareia não nos demoveu de repetirmos a dose. Dois dias depois, descemos (e, claro está, subimos) 3000 degraus tão ou mais torturantes às profundezas de Nongriat. Lá encontrámos e reverenciámos Umshiang, de 180 anos. Uma das incríveis mas raras pontes duplas de raízes de Meghalaya. Provavelmente a mais visitada do estado, digna da sua própria estória.

 

Os autores agradecem o apoio na realização deste artigo às seguintes entidades:  Embaixada da Índia em Lisboa; Ministry of Tourism, Government of India e Meghalaya Tourism.

Agradecem e aconselham ainda os interessados em descobrir esta região única da Índia a contarem com o "especialista nativo em Pontes de Raízes e na natureza e cultura de Meghalaya" Morning Star Kongthaw:

Telm e Whats App: +91 80144 70908​

Facebook: MorningStar Kongthaw (Bah Morning) 

Guias: Índia+