Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Por pastos anfíbios

Por pastos anfíbios

Vaqueiro conduz uma manada pelo leito diminuído do rio Matukituki.

Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas. 


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


O Domingo amanhece esplendoroso. Caminhamos sem destino pela marginal relvada da povoação, quando nos detém o desafio caricato a que se havia entregue uma adolescente. “Ganhe 50 ou 100 dólares” alicia o cartaz. A participante agarra-se como pode à escada flexível de plástico. Para surpresa do dinamizador do jogo, vence os seus caprichos e sai com uma das notas em disputa, a passear pela espécie de feira da ladra e ao mesmo tempo de garagem que tem lugar em redor.

Wanaka distrai-se como pode e com pouco. Situada a apenas 70km, Queenstown é a capital neozelandesa da adrenalina. Há décadas que não descansa um segundo. Ao invés, a maior parte dos habitantes de Wanaka orgulha-se da paz bucólica que se habituaram a idolatrar e partilham um certo terror pela perspectiva de a sua vila se tornar como a vizinha. Até à data em que por lá passámos, não existia fast-food em Wanaka, nem chegavam hordas de forasteiros adolescentes com o propósito quase único de fazer bungee jumping ou outra radicalidade do género. O mais extremo que se pratica nestas partes é esqui e snowboard, mesmo assim, a boa distância da vila.

A origem do nome Wanaka vem da corrupção de Oanaka, “O Lugar de Anaka”, tendo sido Anaka um dos primeiros chefes maori desta área. Já a povoação, assemelha-se a tantas outras no vasto domínio dos Alpes do Sul da Nova Zelândia. Surge nas imediações de montanhas nevadas, nas margens idílicas de lagos alimentados pelo degelo. O seu visual tem, no entanto, algo de especial. E se não fosse só o cenário, faria sempre uma boa diferença a cultura vinícola e gastronómica e o perfil da comunidade.

Quem é da terra conhece-se e cumprimenta-se de forma afável sempre que se encontra na rua ou num estabelecimento. Mais que o mero cumprimento, os moradores envolvem-se em frequentes actividades e passatempos ao ar livre. Veem assim reforçado o à vontade uns com os outros e, mais importante, a solidariedade que os ajuda a vencerem momentos complicados das vidas.

Mas quem vive em Wanaka não nasceu necessariamente por lá. Chegam migrantes fartos do rebuliço cosmopolita e desalmado de Auckland, a grande cidade da nação. Mudam-se de Wellington, a capital bem mais comedida. Provêm de Christchurch que os tremores de terra insistem em assolar e até de países europeus ou da América do Norte.

Mal se instalam, os novos moradores deixam-se contagiar pelo amor próprio do lugar. Passam a reverenciá-lo e a louvá-lo em cada conversa de café, entre moradores ou com visitantes de passagem.

Enquanto parte da última categoria, maravilhamo-nos com cada passo que damos em redor do lago azulão Wanaka, com os picos nevados que se projectam para lá da sua margem oposta e com os outeiros verdejantes que os ajudam a destacar.

Internamo-nos no casario, em boa parte de madeira, disposto ao longo da planície aluvial e verdejante do lago, entre o seu areal de pequenos seixos deslavados e uma amostra de cordilheira quase limpa tanto de vegetação como de neve. Não nos deparamos com lares ostentosos. À boa moda kiwi, tudo se mantém tão terra-a-terra quanto possível. Quando confrontados com a incontornável questão de o que fazer para se sustentaram, vários residentes limitaram-se a activar a criatividade orgânica que prolifera entre os neozelandeses: determinada família inaugurou uma quinta de lavanda. Um grupo de amigos abriu um bar de cerveja artesanal, hoje, obrigatório. Um casal acompanha visitantes a descer um rio em Paddle Board. Uma senhora que colecionava velhos carros Citroën, começou a levar as gentes mais entusiasmadas pelo vinho às adegas locais. Vários caminhantes e alpinistas guiam expedições pelos vales e montanhas das redondezas. Afinal, estamos em pleno Mount Aspiring National Park, parte de um reduto Património Mundial da UNESCO (Te Wahipounamu) que cobre mais de 3500 km2 do Sudoeste da Ilha do Sul.

Não sendo o pico supremo da Nova Zelândia – título detido pelo Aoraki/Mount Cook que ascende aos 3724m, o Mount Aspiring, é de longe, o mais emblemático da zona. Seduz os adeptos dos Great Outdoors a caminhadas e escaladas memoráveis. Não tivemos como resistir à primeira modalidade.

Deixamos a povoação bem cedo, ainda o sol luta para se livrar do bloqueio duplo das montanhas e das nuvens matinais. Contornamos a margem do lago. Embrenhamo-nos numa sucessão de enormes prados verdejantes salpicados de ovelhas, em desfiladeiros cavados pelo deslizar pré-histórico dos glaciares e, a espaços, em bolsas de floresta meridional e do frio. O asfalto depressa se  entrega à gravilha e à imponência dos cenários do Rob Roy Valley, baptizado em honra do herói escocês Rob Roy MacGregor, o mesmo revisitado repetidas vezes por Hollywood, incluindo pelo êxito de bilheteira protagonizado por Liam Neeson.

Seguimos por uma estrada que avança lado a lado com o rio Matukituki e nos sujeita a tantos ou mais meandros que os do rio. Mas não são só as curvas. A via exígua sobe e desce em toda a sua extensão e quase nos faz sentir em mar alto. Como se não bastasse, de tempos a tempos, deparamo-nos com grandes sinais de trânsito que exibem “FORD”. Após cada um deles, sujeitamo-nos à travessia de um riacho, todos eles, por sorte, nessa altura, pouco profundos.

Em época de chuvas esparsas, também o Matukituki flui diminuído, longe da torrente gerada pelo degelo que se intensifica com o aumentar primaveril das temperaturas.

Não tardamos a cruzar uma manada de vacas que se desloca em pleno leito, guiada por vaqueiros kiwis apoiados por uma velha carrinha pick up. Mas o trânsito animal não se fica por aí. Do outro lado do Matukituki, meio camuflado no ervado seco da encosta, um rebanho ovino avança, autónomo, numa longa fila e no sentido contrário ao dos bovinos, o mesmo em que nos deslocávamos.

Por fim, chegamos ao estacionamento do Raspberry Creek e deixamos o carro.  Inauguramos, ali, um caminho glorioso pela orla dos Alpes do Sul, na direcção de algumas suas montanhas conceituadas: o Pico Rob Roy, o Mount Avalanch e, visto ao longe, o culminante Mount Aspiring.

O trilho depressa se faz às primeiras vertentes e inclina-se. Por consequência, o Matukituki estreita e flui em modo rápido. Numa ponte suspensa que dá entrada para uma encosta e floresta sombria de faias, atravessamos o rio e cruzamo-nos com um casal de trampers.

Já na margem oposta, subimos a bom subir e suamos a bom suar. Maravilhamo-nos com a pureza da paisagem daqueles nenhures insulares do Pacífico do Sul. Estamos em pleno território da kea, um dos dez papagaios endémicos da Nova Zelândia que, com quase meio metro em idade adulta -vemos esvoaçar acima da copa das árvores.

Um outro caudal, o do riacho Rob Roy, desce furioso das alturas. Contorna enormes rochedos forrados de musgo espesso e aveludado. Corre num verde quase esmeralda, já não no branco lácteo do Matukituki a que, por altura da ponte suspensa, se havia rendido.

Quando pensamos que estamos sós, entregues à Natureza, chegamos a um cotovelo apertado do caminho e dois corredores de corta-mato quase nos arrastam ladeira abaixo. Os atletas atingem a ponte num ápice. Nós, arrastamo-nos ribeira de Rob Roy acima. Não tarda, chegamos a um ponto de meia encosta que, por fim, nos livra do mato lúgubre. A clareira prenda-nos com a visão inesperada do glaciar que alimenta o riacho e lhe empresta o nome. Mas uma névoa  torna o gelo difuso e, de tempos a tempos, esconde-nos o pico sobranceiro à geleira.

Tinham decorrido apenas duas horas desde o início da caminhada mas o seu derradeiro trecho apontado aos céus reclamava um descanso condigno. Por enquanto sem pressas, tiramos os lanches das mochilas e improvisamos um piquenique. Mal inauguramos o repasto, nuvens escuras como breu vindas detrás das montanhas emboscam-nos. Na certeza de que nos vão aprontar problemas, rearrumamos as mochilas e regresssmos ao carro, a tempo de evitarmos a maior parte do dilúvio. Completamos um regresso semi-anfíbio à povoação. Comemos algo mais substancial numa esplanada e planeamos uma passagem célere por Cardrona. Pelo caminho, deixamo-nos intrigar no “Puzzling World” local, um parque temático singelo repleto de enigmas e ilusões do dia-a-dia ou da ciência.

Cardrona não tarda. Identificamo-la pela fachada amarela e vermelha do seu velho hotel de beira de estrada, erguido em 1860, em plena febre do ouro desta região meridional da Nova Zelândia, quando várias povoações disputavam o estatuto de maior prosperidade da então colónia britânica. Havia Arrowtown nas imediações de Queenstown; Otago mais para sudeste, o litoral do Golfo de Hauraki na Ilha do Norte, e a Cardrona a que estávamos a chegar, entre outras. Hoje, em Cardrona pouco mais resta desse apogeu áureo que a história e o hotel. Cardrona acolhe ela própria uma pequena estância de esqui, humilde se comparada com Treble Cone, a mais reputada da Ilha do Sul.

Quer neve ou faça calor, cenários como os kiwis requerem vistas aéreas. De acordo, os neozelandeses mais endinheirados mantém uma paixão nacional pelas avionetas e pelos voos panorâmicos. Não tardamos a descobrir que, de novo, Wanaka vai mais longe. Abriga um museu dos Pilotos de Caças da Nova Zelândia que conta com elegantes Hawker Hurricanes, Havilland Vampires e Chipmunks. Visitamo-lo. No aeródromo, acabamos à conversa com Will, um piloto de Classic Flights vestido de casaco de cabedal espesso, óculos e touca, como o nome deixa antever, tudo condizente com a época clássica da aviação. Will está prestes a descolar para um voo de teste. Tem um lugar vago. À boa moda desprendida dos neozelandeses, mal nos conhece mas, do nada, pergunta-nos se um de nós o quer acompanhar. Ainda hesitamos mas são várias as condicionantes e atenuantes que nos vemos forçados a ponderar: tínhamos estadia reservada para essa noite, na distante Dunedin e as pousadas do downunder não perdoam atrasos. Só nessa visita à nação kiwi já tínhamos voado por três vezes sobre o cenário indescritível dos Alpes do Sul. Por último, não sabíamos se queríamos confiar no velho motor daquela relíquia asada de museu. Ainda assistimos à descolagem ruidosa de Will. Confirmado o desperdício da experiência aérea, apontámos via rodoviária ao confim sudeste da Nova Zelândia.