Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Febre vegetal

Febre vegetal

Singapurenses de origem indiana compram vegetais numa banca de rua da Little India.

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Como quase todos, o semáforo da Bukit Timah Rd permite aos peões conquistar o direito à luz verde. Em forte aceleração, vários carros disputam a recta mas a sua velocidade não assusta algumas dezenas de singapurenses de origem indiana que, em vez de carregar no botão, se precipitam sobre o asfalto, obrigando os condutores a derrapar.

Estamos na Little India e a noção da Singapura das multas, ordeira e intransigente cai aqui por terra, ainda mais aos Domingos, quando se realiza o mercado local.

Logo abaixo, na Orchard Rd, e nesta cidade-país, em geral, a tolerância é distinta. Nenhum indiano, chinês, malaio ou singapurense de outra origem se atreve a desrespeitar a lei. A punição para travessias  desregradas, ou jaywalking - como são denominadas em inglês e no seu singlês - pode ascender a milhares de dólares de Singapura, moeda que vale sensivelmente metade do Euro. Mas quando se trata da Little India, as autoridades rendem-se às evidências e fecham os olhos, como se os infractores não passassem de crianças.

À imagem de Mumbai, Calcutá ou Nova Deli, a partir do meio da tarde, preenchem as ruas do bairro milhares de indianos, quase só homens. Chegam de todas as partes, em caixas de camiões adaptados para o transporte e formam correntes humanas que fluem em sentidos opostos. Percorrem, apertados, as arcadas dos edifícios seculares e vão parando a espaços para comprar vegetais e outros bens básicos em bancas de lojas que cheiram a todas as especiarias da Ásia ou à frente de armazéns de DVD’s e VCD’s, fascinados pelos êxitos bollywoodescos que passam em grandes ecrãs de TV.

A origem da Little India teve pouco de glamoroso. Segundo os registos históricos, o bairro formou-se a partir de um presídio para convictos de etnia tamil, durante a época em que o fundador e governador Stamford Raffles desenvolvia Singapura a serviço da coroa britânica. Vencida a sua função penal, a localização próxima do rio Serangoon fixou, de início, vários novos criadores de gado. Mas, à medida que a política de segregação étnica de Raffles sobrelotou a área de Chulia Kampong, mais e mais trabalhadores tamil encontraram espaço disponível para as suas actividades e, no princípio do século XX, tinham já formado a base do bairro actual.

A partir de 1959, os ensinamentos de Raffles inspiraram o predominante People’s Action Party (liderado por sino-singapurenses) a desenvolver uma política de harmonia racial que continuou a compartimentar o país. Nos dias que correm, o PAP ainda governa mas a população indiana não tem que se sujeitar, como dantes, a áreas habitacionais e laborais pré-definidas. Por uma questão de herança cultural, no entanto, os seus negócios mantêm-se onde sempre estiveram, sustentados por uma vasta e fiel clientela de tamiles, de indianos de outras etnias, de sino-singapurenses e ocidentais expatriados. Além destes, a Little India beneficia também do marketing exemplar do turismo de Singapura e é visitada por milhares de estrangeiros curiosos que aproveitam para acrescentar um gosto indiano à sua viagem sem a miséria que encontram no sub-continente e, ao mesmo tempo, neutralizando as sensações de esterilidade e de superficialidade tantas vezes transmitidas pela cidade-estado.

A Serangoon Road é a principal artéria comercial do bairro. Nela se dispõem o Tekka Centre, o The Verge mall e as arcadas da Little India. Os primeiros são lugares emblemáticos da multi-etnicidade de Singapura, especialmente o Tekka Centre que acolhe um mercado de géneros e refeições onde muitos vendedores chineses falam tamil e outros dialectos indianos, e alguns indianos se expressam em mandarim ou cantonês. Já as arcadas são um caso distinto. Predominam, ali, os estabelecimentos indianos, ainda, em grande maioria, de origem tamil. São mercearias clássicas abastecidas por todos os produtos que a comunidade indiana consome, em que se destacam visualmente embalagens da pátria-mãe com designs já históricos. Abundam também as lojas de tecidos e pronto-a-vestir quase sempre assinaladas por manequins demasiado brancos para a clientela alvo. E bancas de floristas que vendem grinaldas e pétalas de todos os tipos, indispensáveis para os rituais dos templos hindus em redor, estes facilmente detectados pela arquitectura exuberante e pela imposição excêntrica dos seus gopurams, torres repletas de figuras divinas ou semi-divinas que assinalam as entradas.

Mas, num território ínfimo como o de Singapura, partilhado por quatro grupos étnicos e crenças distintas, nem a religião nem a política conseguiram, até hoje, garantir uma convivência imaculada.

Mais tarde, enquanto conversamos com a directora de origem chinesa do Scarlet Hotel - localizado em plena Chinatown - em jeito de provocação, trazemos a Little India e o jaywalking à baila. A reacção é imediata: “Pois ... esses indianos … estamos a ficar um bocado fartos do seu caos ...”. E, de volta à Little India, procuramos explorar melhor a questão 
e conversamos com Ranveer Singh, um sikh carismático que se justifica com a devida altivez: “Nós temos a nossa cultura, os “chineses” têm a deles. Eles têm o primeiro-ministro, nós temos o Presidente ... Somos todos parte deste país. É verdade que eles são a maioria e que há muito ditam as regras mas está na altura de perceberem que não podem exigir a todos os singapurenses o mesmo rigor asfixiante em que vivem...”

Como que a apoiar a sua reinvindicação, numa esplanada logo ao lado, uma plateia tão espontânea como descontraída bebe lassis e cerveja e solta gargalhadas atrás de gargalhadas, em êxtase com as cenas de um musical cómico rodado em Mumbai. O chão está sujo e as cadeiras e mesas surgem dispostas sem qualquer preocupação estética ou geométrica.

Estamos na Little India. O bairro e os indianos até podem ter pouca influência nos destinos na nação mas, aqui, Singapura cheira a especiarias e veste sari.