Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Tribal

Tribal

Centenas de índios exibem os trajes das suas tribos durante o Pow-wow de Albuquerque, Novo Mexico.

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Chega o fim-de-semana e Albuquerque muda para o seu modo lúdico. Vários eventos desportivos e musicais têm lugar nas instalações da universidade local.  Conscientes da inevitável irreverência estudantil, um batalhão de polícias soberbos do Novo México patrulha as vastas instalações académicas com a missão de evitar estacionamentos e comportamentos demasiado caóticos. Um deles, extrovertido além de altivo, apercebe-se da matrícula do nosso carro e do ar desorganizado do interior e não resiste a comentar: “Califórnia?? Vocês chegaram mesmo de longe. Vêm por causa do concerto ou dos índios ??” Por essa altura, não fazíamos ideia nem de uma coisa nem da outra. Comparando a excentricidade das hipóteses, optamos por questionar a autoridade sobre a última. O agente diz-nos que o The Pit - a grande arena desportiva que serve de casa à equipa de básquete local, os Lobos – está prestes a acolher um Gathering of the Nations. Mais depressa do que contávamos, confirmamos a informação.

Deixamos o velhinho mas elegante Buick Le Sabre arrumado dentro da legalidade entre os pavilhões da instituição. Atravessamos uma avenida movimentada e damos com outro parque de estacionamento repleto. Reparamos que, ali, em vez de teenagers eufóricos, saem dos carros e cruzam a estrada indígenas atrapalhados, trajados, pintados e enfeitados com penas, plumas, jóias e outros adereços étnicos que formavam visuais por vezes semelhantes, noutros casos, em tudo díspares.

Aproximamo-nos das roulottes que fazem de bilheteiras e  descobrimos os posters que, mesmo já não sendo preciso, provavam que ali tinha lugar um dos maiores pow-wows (encontros de indígenas) da América do Norte. Elementos de mais 500 tribos tinham vindo dos quatro cantos dos E.U.A. e do Canada para celebrar as suas culturas-mãe e renovar crenças espirituais. Dividiam-se em diferentes escalões de idades, dos anciãos às crianças com o propósito de participarem em 32 provas de danças, noutras de canto, em competições de tambores e ainda na da Miss Indian World.

Entramos no pavilhão. Centenas destes participantes e muitos mais apoiantes percorrem o corredor superior para cá e para lá entretidos a conviver, a comprar comida e bebida ou a espreitar as inúmeras bancas de pequenos negócios. 

Achamos a abertura de uma escadaria e conseguimos finalmente espreitar a arena. As bancadas estão repletas de gente e de cor. Lá em baixo, um exército exuberante de índios dança em volta do ringue, sincronizado com a banda sonora hipnótica produzida por grupos de tocadores de tambores e por cantores de um falsetto tribal profundo.

Os vários tambores distribuídos em redor do recinto são enormes e ecoam o bater do coração da Terra. Castigam-nos grupos de homens poderosos, alguns de dimensões também exageradas. Tínhamos já reparado no tipo de alimentação fast food servida pela maior parte das bancas e bares do exterior e no piso superior, em tudo condizente com a que mina a saúde da nação norte-americana. Exibiam-se perante nós algumas das vítimas mais improváveis da obsessão yanquee pelo lucro fácil e imediato. Na própria assistência que admirava os seus dotes musicais, contavam-se inúmeros indígenas volumosos. Em tempos, as suas tribos sobreviviam do que recolhiam da Natureza e caçavam. Séculos depois da conquista do Oeste, depois de repetidas perseguições, chacinas e enclausuramentos em reservas, os índios foram reduzidos de muitos milhões a apenas 500.000, uma população ínfima se tivermos em conta o total de habitantes dos Estados Unidos e Canadá, quase 350 milhões. 

Vitimam-nos, agora, também, as bebidas açucaradas e os burguers king size, os cachorros, tacos, burritos, nachos e batatas fritas ensopadas em óleos e molhos, uma de várias agressões culturais que sofrem num já longo processo de conformação.

Propulsionada pela argúcia das suas marcas, a civilização capitalista desenvolvida pelos colonos europeus da América do Norte conquistou o mundo com relativa facilidade. Provindos de uma relação íntima com a terra, os nativos nunca poderiam resistir. Naquele fim-de-semana, os cocares, trajes típicos e rituais exuberantes de cada tribo têm destaque temporário.

Findas as participações, a maior parte dos nativos cede aos jeans, sneakers e cumprimentos da moda, às t-shirts e bonés de basquetebol e de basebol, às expressões feitas e às noções empacotadas da nação que destroçou as identidades das suas tribos. O Gathering of The Nations a que assistíamos, como outros realizados um pouco por toda a América do Norte, eram manifestações de resistência e de sobrevivência ainda assim impressionantes.

Durante a Grande Entrada sagrada da Eagle Staff – o estandarte que simboliza a união de todos os nativos-norte americanos – os representantes de cada tribo alinharam-se para ouvir a Eagle Staff Song e o discurso do MC (Master of Cerimonies) do encontro. Partilharam também uma oração ao criador do Mundo, uma prece comunal pela felicidade e pela cura dos males provocados pelo homem na Mãe-Terra.

Já tínhamos descido ao campo de jogo quando prosseguiram as competições de danças inter-tribais, todas com nomes simplistas inspirados pela Natureza ou pelo dia a dia: Dança do Xaile Bonito, Dança do Fumo, Dança do Cobertor ou Dança da Coruja. Seguiam-se as de canto, intercaladas por mais exibições majestosas dos tocadores de tambores e por curiosas provas juvenis. Ao nível em que a acção se desenrolava, os participantes contornavam o campo vezes sem conta. Alguns passavam bem rente a nós, entregues ao ritmo, de cabeça baixa oscilante, a repetir movimentos de puro transe. 

Certas exibições irradiavam profunda espiritualidade. Quando menos esperávamos, a música  terminava e o MC anunciava a marca patrocinadora da competição que se seguia, ou o valor do seu prémio em dólares. Todo o misticismo se desvanecia. Não foi a prova seguinte que o trouxe de volta.

O apresentador dá sinal e os dançarinos apressam-se a deixar o campo. Aos poucos, substituem-nos mulheres de distintas tribos e regiões da América do Norte, da Flórida ao extremo boreal do Canadá. Começam por se alinhar de frente para a bancada principal mas, terminada a apresentação, libertam-se para mais uma dança que um painel de júris avalia com critérios rigorosos. Ao resultado da dança somam-se os do Discurso Público, Entrevista Pessoal, Apresentação Tradicional e o do Ensaio. A pontuação final determina a eleição da Miss Indian World.

Por norma, a vencedora do ano transacto aparece ao público para resumir nalgumas palavras a honra do ceptro. Observamos a canadiana Dakota Brook Brant, do clã Mohawk Turtle fazê-lo com uma segurança e orgulho algo automatizados que fazem jus ao título: “Fiquei feliz por ter sido a escolhida para servir como embaixadora. Foi um prazer ajudar a construir relações saudáveis entre os nossos parentes de todo o território índio.”

Marjorie Tahbone, uma Inupiaq/Kiowa alasquense, baixa, redonda e, de certa forma, patusca é tudo menos o protótipo de uma Miss Mundo ou Universo convencional. Apesar da surpresa que nos suscita, arrecada a nova coroa, atribuída segundo valores que pouco têm que ver com aqueles a que estamos habituados nestes certames. Como recompensa, passou o ano em viagem pelo mundo a promover a cultura das tribos nativo-americanas.

Entra em cena Fawn Wood. No centro da arena e das atenções, esta cantora famosa entre os indígenas entoa um tema que os presentes parecem conhecer. Fá-los vibrar alternando com a sua voz estridente e poderosa sons guturais muito apreciados e letras em inglês que falam de ciúme, de amor e de entes queridos mas já partidos.

No intervalo das canções, o MC volta a intervir: “não se esqueçam que temos os CDs da Fawn para venda. Aqui a Dallas, não para de me pedir que repita o aviso!”

Fawn passa para outro tema. A meio, dois espectadores aproximam-se dela e deixam dinheiro a seus pés. Em pouco tempo, centenas de outros fazem o mesmo e expande-se a mancha de dólares que completará o seu cachê.

O último dia do Gathering of The Nations aproxima-se do fim mas as bancas no exterior do The Pit não desarmam. Ao jeito americanizado de fazer as coisas, enquanto o encontro se prolongar the profit must go on.

Abandonamos o recinto a pensar por quanto tempo mais conseguirão os nativos norte americanos evitar a falência total das suas culturas.