Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Maikos a fingir

Maikos a fingir

Visitantes de Quioto vestidas de maikos.

Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e estas acompanhantes de luxo estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


A derradeira luz do dia dissipa-se e os candeeiros balão destacam-se e animam a ruela de Ponto-cho que a história transformou no coração da vida nocturna de Quioto. A esta hora, as gueixas da cidade afluem para os bares e restaurantes preparadas para os compromissos que têm marcados. Aparecem sem aviso, com faces fantasmagóricas desafiadoras da penumbra. E somem-se em pequenos edifícios tradicionais térreos identificados por letreiros em kanji estilizado.

Por respeito à sua arte milenar e aos muitos milhares de ienes que auferem, um patrono não pode esperar. Mas, tão importante como a pontualidade, cada minuto de companhia deve ser usufruído como um momento especial.

Para o garantir, uma gueixa (gei=arte + sha=pessoa) desenvolve várias aptidões. Aprendem cedo a tocar koto (arpa japonesa), a declamar poesia e prosa, contar anedotas, interpretar canções e danças tradicionais japonesas. Mas, se estes são atributos superiores, também a conversação, a forma de servir chá ou outras bebidas, o simples caminhar, o riso e, em certas situações, até o choro se esperam graciosos. É suposto o nível cultural das gueixas alimentar diálogos requintados incluindo sobre política e arte mas, quando os efeitos do saqué e da cerveja se fazem sentir, as acompanhantes não se podem furtar aos piropos e a comportamentos eróticos.

A questão do sexo permanece envolta em mistério e polémica. O facto de fazer parte das funções ou chegar a acontecer é motivo de discórdia entre as gueixas quanto mais entre observadores gaijin (estrangeiros) da cultura nipónica. Algumas gueixas e maikos (jovens em aprendizagem) mostram-se ofendidas com a simples insinuação. É o caso de Ichimame, uma aprendiz que mantém um blogue sobre a profissão e para quem o filme “Memórias de uma Gueixa” se revelou abusador quer por ter envolvido actrizes chinesas na cultura nipónica, quer pela componente sexual acrescentada à narrativa. Também Susumu Harema, um dos gerentes da casa de chá que forma Ishigame se escandalizou: “uma gueixa não dorme com um cliente” a sua função é apenas divertir a clientela”.

Algumas admitiram, no entanto, que o sexo é pouco habitual mas nem sempre descartado e que certos clientes recusariam patrociná-las se lhes fosse interdito. Basta recuar no tempo para considerarmos a sua versão.

No fim do século XVII, começaram a proliferar, no Japão, as odoriki, dançarinas de aluguer que eram contratadas pelos samurais e senhores feudais mais abastados. Cem anos mais tarde, vendiam também serviços sexuais. Aquelas que tinham deixado de ser adolescentes (e, como tal, não se podiam considerar odorikis) adoptaram outros títulos. O que mais se popularizou foi gueixa, tomado de empréstimo aos animadores masculinos de então. A primeira mulher que assim se auto-denominou foi Kikuya, uma prostituta de Fukagawa. Fê-lo por volta de 1750, quando era já conhecida como cantora e jogadora de shamisen dotada. À medida que outras começaram a usar o título, muitas passaram a trabalhar apenas como animadoras (não como prostitutas), frequentemente nos mesmos estabelecimentos dos homens. Em 1800, ser gueixa era já uma ocupação feminina (apesar de ainda hoje existirem alguns gueixas homens) e aquelas tornaram-se bem mais desejadas que as cortesãs antiquadas rivais, as oirans.

Entretanto, as autoridades japonesas promulgaram leis que procuraram consolidar o estatuto cultural das gueixas. Tornou-se obrigatório que atassem o obi (faixa) nas costas para dificultar a remoção do quimono. E também o  penteado e a maquilhagem passaram a ser mais simples que os das oirans para que a sua beleza fosse encontrada na arte e não nos corpos.

A partir da Restauração imperial Meiji, o papel da gueixa foi gradualmente valorizado pela sociedade masculinizada japonesa. Por volta de 1920, atingiu um clímax de importância.  

Mas a 2ª Guerra Mundial destruiu esse ascendente. Enquanto o milagre da recuperação económica transformava o Japão na nação altamente industrializada e tecnológica das últimas décadas, o número de gueixas diminuía de 80.000 para um máximo de 2000 e o seu ofício tornou-se numa verdadeira relíquia que, malgrado, sobrevive por detrás de tantas portas e paredes de papel de arroz de Tóquio e Quioto.

Nos últimos anos, alguns empresários nipónicos dedicaram-se a explorar o fascínio dos japoneses e estrangeiros pela estranha profissão.

Gion tem duas hanamachis (comunidades de gueixas), a Kobu e a Higashi. Estes bairros preservam a tradição com uma base sólida na arquitectura antiga das machiyas, as casas “velhas” da cidade. As suas ruas são o ambiente fidedigno que inspirou um fenómeno da criatividade empresarial japonesa que começa a fazer furor. 

Enquanto deambulamos pelo bairro de Gion, deparamo-nos com estúdios coloridos e sofisticados que alugam trajes, serviços de caracterização, de guias e de fotografia a adolescentes japonesas e gaijin. Pautado pelo perfeccionismo nipónico, o seu trabalho é tão fiel que quase só os nativos detectam as diferenças. As clientes agradecem a dedicação e rejubilam com a sua nova imagem.

Encontramo-las protegidas da timidez em grupos de amigas e aconchegadas em quimonos extra-coloridos. Passeiam-se de faces alvas ao longo dos cenários perfeitos das ruas Hanami-koji e Shinmonzen-dori, hirtas sobre sandálias de madeira okobo-geta e orgulhosas de cada passo da sua curta vida de geikos (outro termo para gueixas). Como se tratassem das personagens originais, são frequentemente seguidas e interpeladas por forasteiros de máquinas fotográficas em riste e por grupos de alunos fardados a caminho das aulas ou de casa. Não nos fazemos rogados e acompanhamos os seus movimentos.

Mas estas encenações descartáveis não compensam o desaparecimento gradual das verdadeiras gueixas.

Em Nara – outra antiga capital nipónica – só existe uma maiko. Enquanto inúmeros adolescentes nativos se queixam do excessivo tradicionalismo e atraso civilizacional da sua cidade, Kikuwaka, a tal aprendiz, sempre se orgulhou do passado nipónico. Por sugestão da mãe, inscreveu-se no Ganrin In, uma espécie de escola que continua a ensinar as antigas artes requeridas às gueixas. Em menos tempo do que esperava, tornou-se numa atracção única e incontornável. Só que a ausência de concorrência revelou-se, ao mesmo tempo, um trunfo e um fardo.

Durante um espectáculo a que assistimos numa associação cultural que a acolhe vezes sem conta, os seus passos sobre o palco acompanham a música dramática e minimal. São tão belos e arrastados quanto possível e os restantes movimentos pausados, como as expressões que mudam com suavidade, iluminadas pelo fundo brilhante de biombos dourados.

Quando a actuação termina, pelo contrário, a pretendente de gueixa deixa as instalações a grande velocidade. Está atrasada para um dos quatro compromissos culturais que assumira para essa noite.

Apesar do stress a que foi condenada, Kikukawa não tem as piores razões de queixa da sua actividade.

O Japão também foi assolado pela nova crise económica e cada vez menos homens se atrevem a pagar os honorários elevadíssimos contabilizados ao minuto pelas mama-san e cobrados por algumas gueixas de Quioto e Tóquio. Estas tiveram que improvisar. Ignoraram regras milenares da profissão e tornaram-se menos exclusivas, misteriosas e furtivas.

A partir do virar do milénio em diante, todos os anos, em Fevereiro, várias gueixas servem 3000 pessoas numa cerimónia do chá ao ar livre realizada durante o Festival das Ameixas em Flor da cidade dos templos. E, no Verão de 2010, começaram a servir imperiais e canecas e a dançar no jardim de cerveja de um teatro local. A evolução (ou degradação) da sua arte dificilmente ficará por aí.