Esconder Legenda
Mostrar Legenda

Verde sem fim

O minifúndio impressionante da Terceira visto de um miradouro da Serra do Cume,

Terceira, Açores

Terceira: e os Açores continuam Ímpares

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. Estes são apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da Terceira especial não têm conta.

Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)

A pitoresca Quinta dos Figos dista apenas quinze minutos das mundialmente famosa Lajes, lugar do aeroporto em que tínhamos acabado de aterrar e da famosa base norte-americana. Mesmo assim, instalamo-nos no quarto em modo de toca-e-foge. Saímos à pressa para espreitar as ruas de Praia da Vitória e damos de caras com um de tantos Impérios coloridos que abençoam e enfeitam a Terceira. O cubo exuberante destaca-se do casario branco com telhas cor-de-tijolo predominante. Como uma espécie de diva arquitectónica, exibe as suas fachadas repletas de arabescos cristãos, arcos, ogivas, colunas, degraus, um frontão arredondado que o identifica. Invade o conjunto um verdadeiro festival de cores: azul, amarelo, verde, vermelho e branco. Por si só, a estrutura deixaria qualquer admirador estupefacto mas, como se não bastasse, aquele Império da Caridade concentrava sérias festividades. Logo ao lado, uma banda filarmónica local toca temas pomposos de fanfarra. Um fogueteiro despacha os seus projécteis um atrás dos outros para mais próximo de Deus. Com as sucessivas explosões arrítmicas, ensurdece-nos e aos crentes da terra, todos enfiados nos melhores trajes domingueiros. Alguns entram e saem do Império com tabuleiros de comida abençoada, outros, seguram lanças e estandartes do Divino. Fazemo-nos de turistas inocentes e auscultamos o coração da cerimónia. No interior, sobre um altar branco erguido em socalcos e decorado com grinaldas a condizer, repousam diversas coroas rendilhadas e reluzentes. Por pouco tempo. Com a banda já fora do palanque de cimento e a percorrer a estrada por diante, diversos participantes do ritual fazem-se à escadaria munidos dessas mesmas coroas antes sobre as bandejas. Outros, carregam lanças. Nós, perseguimo-los determinados em registar o momento. A banda segue-nos a todos.

Já tínhamos acompanhado uma Festa do Divino Espírito Santo. A primeira e, até então, única vez, em Pirenópolis, no interior brasileiro de Goiás. Ali, Manuel Amâncio da Luz, um padre português híper-motivado, transformou a crença numa incrível expressão cultural que a fé e o entusiasmo do povo, ainda hoje preservam. Em Praia da Vitória, constatámos como tudo se passava no principal reduto português do Divino Espírito Santo. Até que o Imperador e os seus “súbditos” se sumiram ao som da charanga e nos deixaram entregues ao nosso destino. Um fotógrafo da imprensa local vê-nos indecisos e aborda-nos. Decorridos alguns minutos de conversa técnica, o colega realça a nossa sorte. “É que vocês não estão a ver bem. Não só apanharam o Divino aqui hoje como, daqui a pouco, vão poder assistir à tourada à corda. Mais ilha Terceira que isto é difícil.”

Mesmo se representavam uma viagem do sagrado para o profano, eram coordenadas que não estávamos dispostos a ignorar. De Praia da Vitória, prosseguimos pela costa norte da ilha, com paragens aqui e ali para espreitar piscinas marinhas e outras particularidades do litoral acidentado.

A meio da tarde, em redor dos Biscoitos, damos com a turba instalada. Centenas de carros estão estacionados num domínio de lava coberta de vegetação que separa a estrada e a beira-mar. Encontramos um recanto ainda longínquo para o nosso carro de onde descemos rumo à povoação. A meio caminho encontramos os primeiros foliões entregues a comes e bebes ora piqueniqueiros, ora ao balcão de roulottes e carrinhas afins, alimentadas por geradores e que serviam aos clientes entusiasmados de tudo um pouco, de especialidades açorianas aos mais óbvios pregos, bifanas, farturas e churros.

Quanto mais para baixo na estrada, mais as suas bermas se revelavam repletas de gente e os lugares com melhor vista eram disputados. Conseguimos enfiar-nos num espaço recém-abandonado e, por fim, apreciamos o fulcro de toda a atenção. Em redor de uma pequena enseada envolta de rochedos de lava, num ervado acima e na rua que o separava do casario, um touro hesitava entre contemplar a loucura em redor ou investir sobre os pseudo-toureiros que o acirravam entre a multidão. Aos poucos, conseguimos estimar as áreas a salvo de eventuais marradas, que acontecem em abundância, como os feridos e, de quando em quando, até mortos, apesar de na tourada a corda, o touro ter os seus movimentos limitados pela acção dos “pastores” que lhe dão mais ou menos folga consoante a iminência de determinados danos. Um foguete anuncia a remoção do touro e nova pausa nas hostilidades. Mudamo-nos de uma zona ainda alta da encosta para o cimo de um terraço com vista panorâmica e privilegiada sobre a rua em que a maior parte da tourada decorre. O terraço é partilhado por famílias, com predomínio de mulheres e crianças. Algumas famílias são emigrantes nos E.U.A. e no Canadá. Mesmo de olho nas nossas câmaras, divertimo-nos a escutar como insinuam os prodígios das suas vidas do outro lado do Atlântico a outras que ficaram na origem. “Ah!! Mas a nossa casa de lá não têm nada a ver com as de cá. É muitíssimo maior. Havia de lá ir! Ganha-se mais e, por isso, podemos construir sem preocupações.” Essa mesma açoriana canadiana que não se continha de tanto orgulho na volta que a sua vida levou, não tardou a interpelar-nos: “vocês são retratistas? Queria muito tirar umas fotos cá, com a minha família. Se vocês quiserem passar uns dias em Cambridge, Ontário, também podem fazer uns bons retratos. Lá é tudo muito bonito.”
Os foguetes e os touros sucederam-se nessa estranha tarde tauromáquica. Até que a tarde e a folia confluíram para um suave fim.

Pouco depois da alvorada, subimos ao miradouro do Facho e apreciamos o casario de Praia da Vitória, terra natal de Vitorino Nemésio. De lá, tomamos a velha estrada calçada que conduz ao cimo dos 545 metros da Serra do Cume, uma crista verdejante que se ergue a oriente da ilha, ventosa quanto ventosa podia ser e que revelava um cenário sem igual. Lá em baixo, a vastidão a sul e a oeste revela-se num incrível padrão geométrico verde-amarelo de fertilidade e trabalho. Inúmeros minifúndios demarcados por muros de basalto estendem-se até perder de vista, salpicados por pequenos armazéns agrícolas, currais e por vacas à solta. Excepção feita para o vendaval das alturas, o dia permanecia à altura da vista, com céu quase limpo e solarengo a condizer. Conscientes da imprevisibilidade da meteorologia açoriana e da abundância e exuberância histórica e arquitectónica de Angra do Heroísmo, decidimos apontar o quanto antes às suas paragens.

Angra foi a primeira das povoações açorianas a ser promovida a cidade, em 1534. Pouco depois, o Papa Paulo III escolheu-a para assento da diocese de Angra, com autoridade sobre todo o arquipélago.

Por essa altura, já o seu porto tinha um papel decisivo no comércio com o Oriente, razão porque o trânsito e ancoragem de caravelas e galões se intensificou, contribuiu para a prosperidade da cidade, com destaque para a edificação ostentosa das igrejas, conventos e fortificações militares que a tornaram única. Admiramo-los e ao impressionante panorama do casario angrense da base do obelisco amarelo que se projecta do Alto da Memória, dedicado a Pedro IV, o rei triunfante das Guerras Liberais portuguesas. Tal como receávamos, nuvens escuras aproximavam-se de norte pelo que aceleramos a entrada na cidade, Ladeira de São Francisco abaixo até darmos com a respeitosa Praça Velha, o âmago secular e alma da cidade.

Ao longo dos tempos, Angra teve o condão de acolher os aflitos, refugiados ou exilados de convulsões e afins a ter lugar no continente. Após ter sido derrotado pelo exército espanhol Habsburgo na batalha de Alcântara, António Prior do Crato resolveu prolongar o seu auto-proclamado reinado opositor do de Filipe I de Espanha, a partir da Terceira. Não só o fez de 1580 a 1583 como reuniu em seu redor uma forte resistência popular e de outros aventureiros europeus avessos à cada vez mais sufocante expansão hispânica. Os espanhóis viram-se obrigados a combatê-lo e assim se alastrou a Guerra da Sucessão aos Açores. Em 1667, junto ao término da Guerra da Restauração, Afonso VI foi exilado em Angra do Heroísmo por Pedro II, seu irmão mais novo, que o declarou inapto para governar. Em 1809, Almeida Garret e a sua família refugiaram-se em Angra da segunda invasão francesa. Garret só regressou ao continente em 1818. Durante as Guerras Liberais, Pedro, Imperador do Brasil e a filha a favor de quem abdicou do trono português estabeleceram o quartel-general das forças Liberais na Terceira e reprimiram um ataque do filho mais novo de Pedro, Miguel e das suas forças Miguelistas na batalha de Praia da Vitória. Foi, aliás, a resistência dos Liberais e este triunfo que inspirou o apelido “do Heroísmo” de Angra. Após ser capturado por Mouzinho de Albuquerque, Gungunhanha, o “Leão de Gaza” morreu em Angra onze anos depois de lá ser exilado. Estes são apenas alguns exemplos, muitos mais ficam por enumerar.

A relevância política, religiosa e militar entra-nos pelos olhos adentro quando admiramos a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, mais ainda, a azulona da Misericórdia e, do lado oposto da baía, as muralhas imponentes do Forte de Monte Brasil, erguida durante o reinado de Filipe I de Espanha, de aí em diante palco de sucessivos eventos cruciais da história portuguesa. Hoje, quartel-general do Regimento de Guarnição nº 1.

Percorremos o paredão que mantém a marina a salvo da fúria do Atlântico e voltamos à bênção da igreja. Logo, espreitamos a Prainha onde alguns camones se deliciam com a água tranquila enquanto um cinquentão angrense ginastica determinado em manter a sua impressionante forma. Mas não passa muito tempo até nos depararmos com novos combates. Vivíamos uma época de eleições. Provávamos uns bolinhos típicos da ilha quando João Pinho de Almeida e outros dignitários embonecados do CDS invadem a pastelaria Athanásio e nos impingem e a outros clientes folhetos e canetas do partido quase sem carga. Entretanto, deixamos Angra para espreitarmos a Quinta do Martelo, uma antiga propriedade repleta de edifícios rurais e utensílios de trabalho que ilustram sem mácula os seus velhos tempos e os distintos ciclos de produção porque passou: a laranja, o vinho e a nêspera. Batemos à porta do restaurante “A Venda do Ti Manel da Quinta”, durante algum tempo em vão. Por fim, aparece Emanuel. O empregado esguio e afável da quinta revela-nos a mercearia antiga do piso térreo. Instala-nos na sala do superior que agora serve de restaurante. À mesa mas de olho no pormenor, constatamos como o mentor Gilberto Vieira preservou e recuperou tudo, dos puxadores das portas à loiça, de acordo com os tempos em que a quinta operava. O ambiente do lugar, do mais pitoresco que temos visto em muitas viagens e a refeição tradicional servida pelo não menos genuíno Emanuel deixam-nos maravilhados com a Quinta do Martelo. Um pouco mais ainda com a peculiar ilha Terceira.

 

Azores Airlines

www.azoresairlines.pt

SATA

sata.pt

VisitAzores

visitazores.com