Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Café quente

Café quente

Jukka Nordman serve café acabado de ferver.

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


O pequeno-almoço robusto e bem quente de papa de aveia deixa-nos aconchegados para novo dia boreal. Uma viagem sobre estradas semi-nevadas em redor de Kuusamo leva-nos ao Centro de Visitantes do Parque Nacional Oulanka. O normal, por estas paragens, no início do Inverno, é sermos recebidos por gente com trajes sintéticos sofisticados que os protegem da frigidez que se apodera dos cenários. Também surgem equipados com a mais recente tecnologia de telecomunicações, nem sempre de produção nacional, para mal das finanças e auto-estima finlandesas. Quando nos deparamos com Era-Susi, a excepção salta de tal maneira à vista que nos chega a inquietar.

Vemos pela frente um espécime humano de baixa estatura, algo raro para a população suomi. Longas barbas castanho-claras ligeiramente grisalhas pendem-lhe da face rosada de que se destacam olhos de um azul profundo. As barbas fundem-se com uma gola e colarinho quase da mesma cor e roçam numa camisola de pele integral que faz conjunto com calças já gastas e luvas amarelo-torradas. A vestimenta vem toda na mesma matéria-prima de origem animal e confecção artesanal. Remete para uma espécie de estilo Crocodile Dundee do árctico. Percebemos que o modelo a usa há muito tempo. Que nela se sente confortável e integrado na Natureza que nos rodeia.

“Olá, eu sou o Jukka Nordman, mais conhecido por Wolf, sejam bem-vindos. Estive a ver como evoluía o tempo e... começou a nevar a sério tarde demais. Só vai chegar para um passeio a pé mas puxados pelos cães. E, por falar neles, estes são o Miska e a Funny, os vossos motores. Como podem ver, estão desejosos de correr. Vamos embora?“

Wolf passa-nos dois arneses para as mãos. Colocamo-los e o dono atrela-nos aos seus huskies. Miska é um líder alasquense, Funny é siberiana. À vontade no cenário florestado e polvilhado de branco mas destacados das habituais equipas de oito ou dez outros cães, a dupla arranca tresloucada caminho fora. O percurso começa por se revelar plano ou a subir o que nos ajuda a controlar o seu ímpeto mas as primeiras descidas não tardam. Nas mais íngremes, perdemos a tracção. Somos forçados a correr e a patinar para evitarmos quedas eminentes e trechos a reboque mas espojados no chão gélido.

Avançamos desta forma trôpega por alguns quilómetros ao longo do rio Oulanka que, por sua vez, serpenteia pelo parque nacional a que deu nome. Vencida uma distância considerável, Wolf rejubila por termos todos os membros intactos e constata a desadequação das botas que usávamos. Aproveita e dita uma pausa já merecida para descanso e reaquecimento. Instalamo-nos numa clareira humilde, cercados de faias enregeladas e a pouca distância do caudal fluvial azulado. Ali, sob a vigilância ansiosa de vários gaios da Sibéria, apressa-se a trazer cavacos de lenha de uma cabana próxima e prepara uma fogueira piramidal que acende em três tempos. Instantes depois, já tem uma cafeteira chamuscada ao lume. Despeja parte de um saco de Paulig Juhla Mokka que abre com uma faca até então enfiada num coldre pendurado das calças.

“Café está bem para vocês?”, pergunta-nos. “Cá na Finlândia bebemos em quantidades industriais. Sabem como é. Há pouca luz, metade do ano faz frio a sério, nós próprios não somos lá muito expansivos. Com o café lá vamos mantendo o ânimo mais elevado.”

O fumegar vaporoso da cafeteira indicia um ponto de quase ebulição. Wolf dá-nos canecas com visual e textura orgânica, serve-nos a bebida escura e espessa, passa-nos o açúcar e sandes de salmão. Também nos prenda com salsichas que espetamos em varas para as assarmos no fogo, um dos rituais de convívio ao ar livre incontornáveis da Lapónia.

A partir dos ramos mais próximos, os gaios ganham confiança e aventuram-se em raides calculados sobre pedaços de pão oferecidos ou extraviados. Susi também recompensa os três canídeos pelo seu empenho.

São mais de duzentos e cinquenta os cães que Jukka Nordman e a sua parceira Mirja Pyysiainen criam em três bases distintas, com o covil principal no Parque Oulanka, a apenas dois quilómetros da fronteira com a Rússia. Por ano, só de Novembro a Abril, o casal leva mais de 5000 visitantes a passear nos seus trenós.

Wolf diz-nos que sabem os nomes de todos os cães e que os conseguem reconhecer pelos seus visuais e pelos uivos. “Mas, na realidade, o seu carácter tem mais importância que os nomes. “É o que determina onde os colocamos nas equipas que puxam os trenós.” Continuamos a falar dos cães, por largo tempo, polvilhados por flocos de neve flutuantes que entretanto haviam começado a cair.

Falamos-lhe de experiências nossas de dog sledding em Ushuaia e em diferentes partes do Alasca e os olhos do criador-tratador brilham ainda mais. “Mas esses são os meus grandes rivais!” Encontro-os quando participamos nas maiores provas internacionais. Já ouviram falar na Iditarod, certo? “ Já tínhamos ouvido e de que maneira.

“Pois eu participo com os meus melhores cães. Mas são competições duríssimas. E, no Alasca, cruzam os huskies e outras raças com lobos. Em Ushuaia, a última moda é cruzarem-nas com dingos australianos. Dão origem a cães incríveis, os mais rápidos de todos! “

À imagem dos flocos de neve cada vez mais abundantes, a conversa flui e deriva. Confessamos-lhe que nos fascina há muito um animal  da tundra em particular, o glutão. Wolf compreende a nossa admiração e professa-nos a sua. “É um animal realmente incrível. Se os conhecem sabem por certo que podem matar dezenas de renas só numa noite. Arrancam-lhes os olhos e mordem-lhes os tendões de Aquiles até ficarem muito feridas. Depois, perseguem-nas o tempo que for necessário e acabam por comer as que conseguem. Os criadores de renas odeiam-nos. E não há lobo ou urso que os consiga derrotar”.

Voltamos a falar da Iditarod e Wolf confessa-nos ainda que se considera um privilegiado. Já viajou por 25 países. “Gosto muito da Rússia. Ao contrário de muitos finlandeses que preferem cultivar o ressentimento pela perda de parte da Carélia no fim da 2a Guerra Mundial, tenho até muita admiração por eles. “A Rússia tem as suas particularidades burocráticas, chamemos-lhe assim. Eu vejo-as como uma boa maneira de o país se proteger dos ricos e ambiciosos. São Petersburgo é uma cidade cultural incrível. Moscovo é mais uma espécie de grande aldeia. Têm que lá ir o quanto antes.”

Não demorou muito. No ano seguinte fizemos uma longa viagem pelo lado de lá da fronteira e descobrimos ambas as cidades e a maior parte da Carélia agora russa, infelizmente não a zona remota do parque Panajarvi que se prolonga para lá dos limites orientais do Oulanka.

Também regressámos à Finlândia, em pleno Inverno. Em Rokua - nos arredores de Oulu – como por todo país, a neve era já muito mais abundante. Voltámos andar de dog sled. Não tardámos a perceber que até ali, a centenas de quilómetros do quartel-general de Oulanka, os cães que nos puxavam eram do grande Era Susi.