Esconder Legenda
Mostrar Legenda
1º Apuro Matrimonial

1º Apuro Matrimonial

Noiva entra com enorme dificuldade no carro que a transportará e ao noivo para fora do templo Meiji.

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


O parque Yoyogi surge como uma verdadeira floresta no centro da vastidão só aparentemente caótica de betão pré-fabricado e néon em que se tornou Tóquio. São mais de 700.000m2 preenchidos com 120.000 árvores de 365 espécies distintas doadas por japoneses de todas as partes aquando da construção do Menji Jingu, de 1915 a 1926.

O imperador homónimo tinha completado a mais produtiva reforma político-cultural de que havia registo, incluindo a passagem da corte de Quioto para Edo (a Tóquio de então). Após a morte do líder, o parlamento japonês (Dieta) aprovou a celebração da sua vida e obra, na forma de um santuário de cipreste e cobre no coração do jardim em que o Imperador e a Imperatriz Shöken costumavam passear.

Por essa altura, as vistas e as companhias pouco tinham que ver com as de hoje. Quem interrompe a viagem circular na linha Yamanote e sai pela primeira vez na estação de Harajuku, surpreende-se com o óbvio predomínio juvenil explicado pela confluência próxima dos bairros mais sofisticados e requintados da capital, Shibuya, Omotesando e o próprio Harajuku. Também percebe que os adeptos do cosplay bem como outros adolescentes à margem da sociedade rígida da capital, têm, naquele lugar, uma espécie de ponto de encontro privilegiado.

Logo ao lado, mas ao abrigo da vegetação, há um tori gigantesco. Deste portal xintoísta para diante, tem início uma avenida ampla de gravilha que liga a Tóquio maquinal da actualidade à urbe clássica que a precedeu até à grande destruição ditada pelo encerrar da 2a Guerra Mundial. Percorremo-la lado a lado com um destes clãs alternativos que destoam dos restantes transeuntes devido aos visuais excêntricos.

Chegamos ao que parecem as traseiras de uma ala do templo Meiji. Ali, ainda sobre gravilha, encontramos uma espécie de flanco fotográfico de um casamento tradicional.

Três costureiras acertam diferentes abas do vestido branco da noiva.  Em seguida, calçam-lhe os sapatos diminutos de estilo secular. Composta a secção baixa do traje, dedicam-se, então, ao toucado wataboshi que protege o topete da peruca que uma outra profissional retoca com mestria. Por vezes é usado o tsunokakushi, um modelo desenhado para esconder o topete e conter os sinais de egoísmo e egocentrismo da noiva. Simboliza, assim, a sua resolução em tornar-se numa esposa gentil e obediente. 

As fotografias dos noivos e dos seus familiares podem ser feitas antes ou depois da cerimónia. Em qualquer dos casos, são vistas como uma expressão do futuro do casal e a sessão que as produz é considerada a etapa central do casamento. De acordo, o convencional fotógrafo de casamentos a que estamos habituados, não faz, ali sentido. 

O processo dura muito mais que o cerimonial xintoísta que se segue.  É levado a cabo em série o que significa que os mesmos trabalhadores tratam de noivos atrás de noivos.

A equipa responsável pelas imagens é composta de vários elementos trajados com tanta ou mais elegância que os convidados. Tem ao seu dispor um equipamento – em grande parte de médio-formato - milionário que opera de forma quase científica.

Um dos responsáveis usa um fotómetro e a própria mão recém-liberta dos punhos brancos imaculados para obter a medição criteriosa da luz na face da noiva. Logo após, esta é sentada e recomposta numa cadeira ao lado do noivo. Então, membros do pequeno batalhão engravatado, seguram num reflector, levantam um flash que dispara por simpatia, ao mesmo tempo que a dispendiosíssima câmara principal. Dezenas de familiares e convidados aproveitam o esforço por detrás dos profissionais, com as suas pequenas câmaras e telefones. Como se não bastasse, há ainda um colega fotógrafo independente que se move e capta imagens à margem do enquadramento trabalhado até à exaustão, se necessário com recurso a pá e vassoura, para remover da recordação toda e qualquer mácula.

Tal como acontece entre os costureiros e maquilhadoras, o  perfeccionismo é imperioso. Que Deus proteja aqueles servidores do templo – as equipas são residentes - da desonra de falharem na tarefa de projectarem a vida de qualquer casal compatriota ou de desiludirem as famílias que investiram mundos e fundos na excelência da cerimónia.

No Japão, um casamento para 50 a 100 convidados pode custar de 20 a 80 mil euros, dos quais, no caso de incluírem cerimónia xintoísta, uma verba entre os 700 e os 1000 euros vão para o santuário anfitrião.

Em 2011, a média despendida por casamento foi de quase 26.500 euros (à cotação actual do iene), 411 por convidado. Por sua vez, o retorno médio total obtido dos convidados cifrou-se em 17.300 euros. É esperado apenas dinheiro e, alguns noivos determinam, inclusive, uma quantia fixa que ajude a cobrir os custos sempre elevados.

O aluguer do fato do noivo fica-se pelos 500 euros. Já o dos 5 quimonos e vestidos usados pela noiva pode facilmente ultrapassar os 8 mil euros.  

Assim que termina a sessão com os protagonistas, têm lugar as fotografias de grupo. Primeiro, com os familiares directos em redor dos noivos, estes ainda e sempre sobre um tapete cinzento espesso e redondo. Depois, dispostos em destaque, mas na companhia dos convidados mais íntimos, em cadeiras organizadas por vários níveis e de forma quase piramidal. Apesar de restrita, a comitiva é numerosa. Um assistente do fotografo usa uma miniatura de pandeireta para conseguir a atenção de todos. 

Só este grupo assiste à cerimónia religiosa. Por norma, dezenas de outros convidados comparecem apenas na festa que se segue.

Já no templo, os convidados dos noivos começam por ser conduzidos a salas distintas e instruídos sobre a sua participação. Depois aguardam a entrada do cortejo que um sacerdote xintoísta conduz através do pátio exterior, seguido por duas mikos (jovens religiosas) e pelos noivos que um outro auxiliar protege dos elementos com um chapéu de sol vermelho.

Após a entrada desta procissão, todos os presentes se inclinam de forma reverente face ao altar. O padre entoa um pequeno discurso e brande um haraigushi (um ramo de uma árvore sagrada com tiras de tecido ou papel atadas). Por fim, canta uma evocação a diversos deuses e declara os noivos casados.

Chega a fase espirituosa da cerimónia. Uma das mikos traz saqué aos nubentes e serve-o em pequenos copos. O noivo bebe primeiro em três golos, a noiva faz o mesmo. A bebida é ainda servida aos pais de ambos e partilhada entre todos. A última das consagrações surge sob o grito partilhado de Omedeto gozimasu (parabéns).

Então, o noivo lê os votos maritais, a miko lê a data do casamento e o nome dos noivos. Já como marido e mulher, estes levam a cabo uma oferta de tamagushi (pequenos ramos da tal árvore sagrada) aos espíritos da Natureza. Todos os presentes se curvam duas vezes, batem as palmas e voltam a curvar-se.

Cada vez mais casais trocam anéis. Até há algum tempo, só uma pequena percentagem de nipónicos o fazia. Até que, na década de 60, a poderosa diamantífera De Beers lançou uma ofensiva de marketing no país e seduziu as mulheres nipónicas com imagens televisivas e de imprensa que promoviam os diamantes como símbolo da sexualidade e da ostentação Ocidental.

A cerimónia a que assistimos termina e o mesmo cortejo que entrou no templo, faz o caminho inverso. Reparamos que todas as mulheres seguram as suas pequenas malinhas e bolsas condizentes com as vestes, invariavelmente, das mais conceituadas marcas ocidentais.

O cortejo encerra-se na extremidade do templo e o parque de estacionamento não está longe. Os convidados acedem aos seus carros, o noivo, para a limusine que aguarda os recém-casados. Mas a noiva não se consegue mexer debaixo de tanto tecido, muito menos assumir uma posição que não seja a vertical, ou entrar num carro.

O esposo, a partir de dentro, e uma familiar, do exterior, ajudam a sentá-la no seu lugar, um exercício que obriga inclusive à abertura do tejadilho. Conseguido o aflitivo encaixe, o motorista transporta o casal para a festa a ter lugar numa qualquer sala de hotel da cidade.

Na ala fotográfica do santuário, as equipas assignadas tratam de mais um casal. Um outro é conduzido à entrada do templo por novo séquito xintoísta.

Estamos num dia favorável do calendário nipónico supersticioso rokuyo. Os casórios do santuário Meiji parecem não ter fim.