Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Àgua doce, lágrimas salgadas

Àgua doce, lágrimas salgadas

Família hindu faz-se fotografar com a queda d'àgua de Chamarel em fundo.

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Já estávamos habituados a contemplar canaviais sem fim enquanto percorríamos a ilha de lés a lés. Foi ali, entre Poste de Flacq e a vastidão do oceano que reparámos, pela primeira vez, na profusão de montes de pedra vulcânica que deles se projectavam, com as bases sumidas no verde da vegetação.

“Isto são algumas ruínas cerimoniais?” perguntamos a Jean-François do fundo da mais doce ignorância e inocência. “O quê, aquilo?” questiona-nos de volta o nativo, algo incrédulo e a esboçar um sorriso sarcástico. “Não. Aquilo são as pedras que os nossos ancestrais tiveram que remover do campo para que a cana-de-açúcar pudesse ser plantada. Acabaram assim amontoadas.”

Descemos um pouco mais naquela Côte Sauvage da região de Flacq, por estradinhas interiores campestres e de vilarejos que, entre templos hindus, pequenas mercearias disputadas por saris de todas as cores, açougues e domicílios também garridos e repletos de vida, nos obrigavam a interromper a marcha vezes sem conta. Estávamos no leste da Maurícia. Qualquer visitante mais confuso com a geografia do mundo podia ser levado a pensar que dera à costa num litoral luxuriante de Karnataka ou Tamil Nadu.

Passámos Palmar e chegámos à baía de Trou d’Eau Douce, uma vila pitoresca mas bipolar que separa o domínio aquém recife coralífero dos grandes resorts do bem mais genuíno para sul. Ali, pescadores mantêm-se de cana em riste apenas com a cabeça de fora de água, lado a lado com as lanchas e catamarãs que transportam turistas nas travessias para Île aux Cerfs, um dos refúgios balneares turquesa predilectos daquelas paragens.

Sucedem-se uma série de povoações ribeirinhas encaixadas entre o Índico e as plantações de cana no sopé da Lion Mountain que se projecta sobre a emblemática enseada Grand Port.

Em 1598, os holandeses desembarcaram naquele exacto lugar e baptizaram a ilha de Mauritius, em honra do seu Prince Maurice van Nassau. O que não invalida que tenham sido os incontornáveis navegadores portugueses os primeiros a nela aportar quando ainda se mantinha inabitada. Diogo Fernandes Pereira fê-lo noventa e um anos antes dos holandeses. Chamou ao lugar Ilha de Cirne mas nem ele nem a Coroa – mais preocupada com o comércio das especiarias – lhe dedicaram muita atenção.

Os holandeses, esses, fixaram-se. Ainda assim, as suas tentativas de colonização só duraram setenta anos, até 1710, tempo suficiente para serem acusados do extermínio do “dodo” a grande ave incapaz de voar que proliferava na região antes da chegada dos navegadores europeus. O gaguejante Dogson de “Alice no País das Maravilhas”.

Cruzamos o Grand Port. É já numa espécie de forno tropical que chegamos a Mahébourg. Por essa altura, não seria propriamente necessário, mas a grande catedral Notre Dame des Anges, confirma-nos quem foram os colonos seguintes. Frequentam-na e ao mercado contíguo uma minoria de habitantes cristãos do sul da ilha, com o dia livre por ser feriado nacional, dedicado ao deus hindu Xiva.

Cinco anos depois de os holandeses terem partido de vez, chegaram os franceses que já controlavam a vizinha ilha Bourbon, hoje Reunião. Pouco depois, chamaram-na de Île de France e inauguraram um cultivo prolífico da cana-de-açúcar que ditaria para sempre o sucesso comercial da colónia, com base numa nova base naval mandada erguer pelo recém-chegado governador Mahé de La Bourdonnais, Port Louis, a capital de hoje da nação.  

A Maurícia foi feita destas curiosas sequências e fusões. Por estranho que pareça, ultrapassado o período colonial, a nação rendeu-se a um delicioso marasmo multiétnico.

Caminhamos numa rua assolada pelo calor repelido pelo asfalto e pelo trânsito infernal quando, azar dos azares, um de nós sofre um dano irreparável num chinelo. Entramos num supermercado para encontrar um par substituto. Ao pagarmos, é tal a quantidade de bebidas alcoólicas registadas pelos caixas que as festas privadas que iriam animar pouco poderiam ter de sagradas.

Do extremo sudeste da Maurícia, espreitamos a Blue Bay onde o azul do Índico regressa ao seu mais vivo. Dali, cortamos para o interior elevado de Bois-Chéri, a zona mais fria e chuvosa da ilha, também a sua primeira plantação de chá, introduzida em escala considerável, em 1892, como seria de esperar, já não pelos franceses.

Chove cada vez mais forte à medida que serpenteamos entre os campos atapetados pela planta. Ainda assim, dezenas de trabalhadores sob vestes de plástico laboram por entre as intermináveis sebes. Já demasiado ensopados, damos meia volta e apontamos para a fábrica que recebe e processa o fruto, ou melhor, as folhas, do seu trabalho.

Recebe-nos Sunassee Goranah, um responsável feito guia da empresa. Apresenta-se elegante mas sóbrio, numa camisa branca que contrasta com o castanho escuro da sua pele e o negro intenso do cabelo e do bigode farto. Percorremos, com ele, cada sector da produção - dos secadores das folhas, às embalagens - para espanto das empregadas fardadas que já não contavam com visitantes aquela hora tardia. À despedida, Sunassee voltou a gabar as qualidades do chá verde e do da sua produção em particular. Quando nos passou alguns pacotes para as mãos, acrescentou de forma muito seca para que não restassem dúvidas: “se o querem beber com todas as propriedades, não lhe acrescentem leite. Isso é que estraga tudo!”

Mudámo-nos para o restaurante da fazenda. Almoçámos e deleitámo-nos com uma prova exaustiva dos melhores rótulos Bois-Chéri, num alpendre com vista para um lago sumido na névoa.

Os franceses nunca valorizaram o chá. Ao contrário dos próximos donos e senhores da ilha.

Por volta de 1810, os britânicos tinham-se fartado dos ataques dos corsários franceses aos seus navios no Índico, decidiram assumir a cobiça pela colónia dos rivais e dela apoderar-se. Como não fazia sentido deterem um território denominado Île de France, rebaptizaram-na de Maurícia. No entanto, permitiram à maior parte dos colonos franceses manterem as suas propriedades, o uso do francês e do código civil e penal francês. A fusão cultural não se ficaria por aí.

Até 1835, os proprietários das plantações tinham recorrido ao trabalho de escravos trazidos de África e de Madagáscar. Com a abolição da escravatura, a maior parte destes proprietários usou as verbas que receberam como compensação para contratar trabalhadores vindos do subcontinente.

Entre 1834 e 1921, cerca de meio milhão de indianos desembarcou no Aapravasi Gate de Port Louis, hoje Património Mundial da UNESCO pelo seu significado histórico.

Nem sempre tratados com a dignidade que mereciam, os recém-chegados adaptaram-se aos modos e dialecto franceses que vigoravam mas indianizaram a ilha o mais que puderam. Reforçaram os exércitos britânicos tanto na Iª como na IIª Guerra Mundial.

Duas décadas depois, os Ventos de Mudança sopraram na Grã- Bretanha e, em 1968, a Maurícia conquistou a independência.

À medida que avançamos para oeste, continuamos a cruzar-nos com descendentes das famílias de proprietários de plantações e dos seus trabalhadores indianos. Assim se passou no miradouro sobre o desfiladeiro grandioso de River Gorges, na queda d’água e no arco-íris geológico da Terre de 7 Couleurs de Chamarel, em redor da cratera verdejante de Troux-aux-cerfs ou nas alturas do Kovil Montagne, um templo repleto de deuses e figuras hindus empoleirado a meia-encosta sobre o casario sem fim de Quatre Bornes.

Mais tarde, jantamos com Sandrine Petit e Jean-Marie Delort, ambos funcionários de um dos hotéis mais populares do oeste da ilha. O tema do que identifica hoje os mauricianos anima-os. Após alguma ponderação, Sandrine atreve-se a teorizar: “agora está a passar na TV um anúncio da nossa cerveja Phoenix que faz um apanhado de tudo mas, se tivesse que escolher um único trejeito, eu diria que é o Aiô. Nós dizemos aiô por tudo e por nada, seja bom ou seja mau. Uma vez, estava no metro em Paris com amigos de cá e disse aiô mais alto. De imediato, quatro ou cinco pessoas ficaram especadas a olhar para mim. Nesse preciso momento, tivemos a certeza de que só podiam ser mauricianos!”

Era demasiado indisfarçável para que nos deixasse dúvidas o enorme orgulho com que Sandrine encerrou a sua história.