Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Pórtico do tempo

Pórtico do tempo

Lada da era soviética prestes a cruzar um pórtico de entrada em Ellikkalla, uma povoação entre a fortaleza de Ayaz Kala e Khiva.

Usbequistão

Viagem Pelo Pseudo-Alcatrão do Usbequistão

Os séculos passaram. As velhas e degradadas estradas soviéticas sulcam os desertos e oásis antes atravessados pelas caravanas da Rota da Seda. Sujeitos ao seu jugo durante uma semana, vivemos cada paragem e incursão nos lugares e cenários usbeques como recompensas rodoviárias históricas.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Quanto mais nos embrenhamos na Ásia Central, no Usbequistão e na sua República autónoma do Karakalpaquistão, mais parecem fazer-lhes jus o falso-aumentativo incontornável destas paragens.

Prosseguimos estrada fora pela orla do Deserto de Kizilkum, poeirenta e, por ali, amarelada mesmo se os vários dialectos turcos o definem como de “areias vermelhas”.

Muynaq e o Mar Aral tinham ficado para trás. Prevíamos  árduo o caminho de Nukus para Khiva. Abandonados aos seus próprios desígnios pela implosão da União Soviética de 1991, os políticos usbeques não pareciam ver na manutenção ou melhoria das vias uma prioridade.

Os quilómetros sucediam-se, esburacados e abafados, ao longo do leito do Amu Dária, o grande rio que cruza boa parte do país. Sentíamos que nos moíam e desgastavam à mesma velocidade a que Ravshan conduzia o seu Chevrolet, parte da frota de sucessores da armada histórica mas decrépita de Ladas, Volgas e UAZ (es) da nação.

Chegamos a meio da manhã. O sol faz da chapa do carro uma grelha e derrete o que restava do asfalto. É com alívio que o condutor anuncia, em alemão, um desvio, que Nilufar, a jovem guia e tradutora, nos confirma estarmos na iminência da velha fortaleza de Toprak Kala.

Toda esta expansão de quase oásis, entre o sul do moribundo Mar de Aral e os desertos de Karakum e de Kizilkum foi, em tempos, o domínio da civilização iraniana corásmia  e de uma sucessão de reinos de que se destacou o poderoso Império Persa. Pois, segundo nos prepara Nilufar para o lugar, Toprak Kala sobressaiu desta civilização entre os séculos I a VI d.C. e manteve-se sua capital pelo menos durante todo o século III d.C..

Dela subsistem as ruínas reveladas, em 1938, por Sergey Pavlovich Tolstov, um arqueólogo de São Petersburgo que dedicou boa parte da vida ao seu estudo.

Hoje, as estruturas que Tolstov desvendou estão mais acessíveis que nunca. Ainda assim, um dos frequentes extravios dos canais de rega subtraídos ao Amu Dária, obriga-nos a saltos demasiado longos e a molhar os pés.

Um trilho dissimulado conduz-nos ao que restava das paredes de adobe do antigo forte. Ao passarmos para dentro, espantamo-nos com a complexidade de divisórias e corredores erguidos com mera argila local que, favorecidos pela aridez do clima, haviam resistido à destruição e erosão milenar.

Dois jovens amigos europeus calcorreiam e investigam o complexo de canto a canto. Além de Ravshan e de Nilufar, os visitantes “da casa” estavam representados por uma família numerosa que vemos aproximar-se em fila indiana por um dos passadiços, ascenderem ao recanto em que nos mantínhamos e treparem ao seu limiar mais elevado para, de lá admirarem a vista em redor. Duas senhoras trajam vestidos compridos. Combinam-nos com sandálias de pele e lenços que usam à moda de pirata. Os três homens e duas crianças que as acompanhavam trazem roupa pouco ou nada tradicional, excepção feita para o duppi - a espécie de cofió da Ásia Central - com que o patriarca sinalizava a sua fé muçulmana.

Um a um, passam por nós e saúdam-nos. Sem que dessem conta, fotografamo-los a contemplarem o panorama da beira do Amu Dária. Sem grandes receios, convidam-nos para com eles nos alinharmos e, orgulhosos da sua identidade e pequena comunidade turística, fazem-se connosco fotografar.

Não nos demoramos. Preocupava Ravshan a distância que nos faltava cumprir. E o inevitável desconforto a que a estrada atroz e o calor estival nos continuaria a submeter.

Deixamos a margem do Amu Dária. Desviamos de Beruni, para norte, com Ayaz Kala em vista. Ayaz Kala era outra fortaleza, também ela, em tempos capital corásmia. Surgiu-nos no cimo de uma meseta inesperada e de árdua conquista, à laia de Masada usbeque. Contemplamo-la e à sua solidão secular, por algum tempo, de uma falésia rochosa distante.

Ali perto, o acampamento de iurtas Ayaz prometia-nos um descanso já mais que merecido e um almoço a condizer. Lá nos recebe com cortesia Rano Yakubova, dona do estabelecimento e de um rubor saturado que contrastava com o grande lenço branco em que se abrigava. Consciente da fornaça, Rano mostra-nos à pressa o acampamento e  convida-nos para a maior das iurtas, a que funcionava como restaurante comunal. Àquela hora tardia, éramos já os únicos convivas. Refastelamo-nos sobre o chão forrado de grandes tapetes vermelhos, almofadado em redor de uma longa mesa que exibia um manjar digno de uma caravana real.

Rano acompanha-nos durante boa parte da refeição. Interrompe a conversa com Ravshan e Nilufar apenas para  idas e voltas estratégicas à tenda-cozinha em que aproveitava para renovar algumas das saladas frias e os lepeshkas, os grandes pães achatados em forma e tom de disco solar que não podem faltar a uma mesa usbeque.

Findo o repasto, a tagarelice desvaneceu-se. Todos partilhávamos o anseio de aterrarmos e ali nos deixarmos dormir o resto da tarde. E a mesma consciência de quanto nos faltava para chegarmos a Khiva, o destino dessa noite.

De acordo, levantamo-nos. Abandonamos a trégua térmica da iurta. Não tardamos a encontrar Talgat, um rapaz que Rano Yakubova nos explica ser filho do marido dela, não dela. Talgat tratava de Micha, um dromedário juvenil, um dos cinco camelídeos que serviam o acampamento.

Com a Ásia Central a chegar ao pino do seu tórrido Verão, os camelídeos da região desfaziam-se da farta pelagem que os aquecia durante o Inverno. Pois, em distintas partes de Micha, incluindo por baixo do longo pescoço, no cimo do dorso de que despontava a grande bossa e na secção superior das patas, o processo estava incompleto. Talgat conhecia o incómodo que aquele pelo inconveniente causava ao animal. Sem muito mais que fazer, entretinha-se a arrancar-lho e a afagar a mascote agradecida.

Rano, Ravshan e Nilufar, surgem da iurta e juntam-se a nós. Talgat passa a Rano uma grande bola do pelo que reunira. A madrasta segura, guarda-a do vento e ausenta-se por momentos. Quando regressa, está livre da lã que a atrapalhava. Despede-se de nós com o desejo de nos voltar a receber durante o Inverno ou o Outono quando - assim nos assegura - o Kizilkum e o seu acampamento são bem mais acolhedores e encantadores.

Pelas seis da tarde, chegamos a Khiva, outra antigas capital corásmica destas paragens, hoje, uma das cidades históricas fulcrais do Usbequistão. Lá passamos dois dias em deliciosa atmosfera da era da Rota da Seda, deslumbrados com a imponência e elegância arquitectónica com que os seus Khans e governantes afins a dotaram.

De Khiva, viajamos quase 500km ainda e sempre pela orla do Kizilkum. Assim nos mudamos para Bukhara, urbe rival e tão ou mais majestosa que Khiva. De Bukhara, por sua vez, apontamos a Samarcanda, outra estrela na constelação de fortalezas repletas de história, muralhas, madraças, mesquitas e minaretes imponentes que tornam o Usbequistão uma nação imperdível da Ásia Central. Parte do trajecto, cumprimo-lo pela Estrada Real antes usada entre as duas antigas capitais. Mas, em vez de seguirmos directos para Samarcanda, fazemos escala em Nurata.

Na orla da cidade, um outdoor soviético profetiza: “Concedamos uma vida bela aos nossos cidadãos na base da liberdade e da habilidade de comerciar e de trocar ideias”. Mesmo forasteiros, sentimo-nos bafejados por esse privilégio civilizacional.

Paramos para novo almoço em casa de uma família conhecida de Ravshan. Lá nos apresentam uma jovem prestes a casar. Tímida, obediente à tradição, a noiva furta-se a dirigir-nos a palavra. Não remove sequer o véu longo e rosado que a cobre do cocuruto aos braços, acima de um vestido amarelo lustroso, repleto de lantejoulas multicolores. É, aliás, raro erguer o rosto da sobriedade solteira e prometida em que se devia manter. Ainda assim, à despedida, obtemos permissão para a fotografarmos, nesses mesmos modos,  junto com a mãe e outra senhora da casa, à porta do seu quarto. Felicitamos as senhoras, entregamos-lhes um presente em Sums (moeda usbeque) e apontamos ao centro de Nurata.

Em vez de um khan de origem ou descendência mongol, Nurata foi fundada, em 327 a.C. enquanto Nur, pelo rei macedónio aventureiro Alexandre o Grande. A Nurata, Alexandre o Grande, legou a fortaleza militar de que, malgrados os muitos séculos decorridos, resistem vestígios disformes.

Na actualidade é, todavia, o complexo religioso de Chashma que admiramos do cimo das ruínas, que atrai os recém-chegados. Chashma, a sua mesquita e a nascente cristalina pejada de trutas que ninguém pode pescar, servem de preâmbulo às sepulturas sagradas dos vários crentes que ali terão visto o genro (mais tarde santificado) do profeta Maomé bater com o seu cajado no chão e feito jorrar uma milagrosa nascente.

Prestamos-lhes a nossa homenagem fotográfica e provámos da água pura da fonte-aquário local. Pouco depois, regressamos ao carro e zarpamos para Yangikazkan.

Yangikazkan surge junto ao extremo ocidental do lago de Aydar, o maior do Usbequistão com 250km por 15km. Nos últimos tempos, novos acampamentos de iurtas ecológicos tornaram estas paragens famosas. Instalamo-nos num deles. Até ao ocaso, refrescamo-nos no lago e passeamos a camelo. Durante após o jantar, à volta de uma fogueira, assistimos a uma exibição de canções populares de amor, tocadas por um músico cazaque pitoresco, sob o firmamento sobrelotado da Ásia Central.

No dia seguinte, ainda e sempre cozinhados pelo braseiro do Kizilkum, derreados pelas estradas sofríveis do Usbequistão, damos entrada na mítica Samarcanda.