Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Recta Final

Recta Final

Disputa dos últimos metros de um circuito desenhado sobre o gelo do lago Inari.

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


“Como é possível conduzires a uma velocidade destas numa estrada completamente gelada? Estes pneus com espigões foram uma invenção mesmo especial não foram, Timo, mas e se aparece alguma rena?”

“Já percebi que vão com medo aí atrás. Pronto OK, vou mais devagar mas não se preocupem que esta é uma área protegida”. Não percebemos de imediato a que se refere o dono do hotel Korpikartano mas aproximamo-nos de uma misturadora de cimento que roda sem parar e faz girar bandeiras vermelhas a ela presas. O anfitrião passa a explicar. “A estrada não está em obras. Há uns tempos, alguém se lembrou de criar aquela geringonça e percebeu que dava um óptimo dispositivo anti-renas. Elas ouvem o ruído das pedras lá dentro e fogem de imediato para o interior da floresta. São animais muito particulares, as renas. Mas já ficam a saber mais sobre elas. Estamos quase lá!”

Tínhamos deixado Menesjarvi havia meia-hora e já seguíamos ao longo do maior lago da Lapónia, o de Inari, em cujas margens se situa a mais importante povoação Sami. Passamos a igreja em forma de A, o novo parlamento e todo o pequeno centro da pequena cidade. Timo corta para o reduto da Inari Village e, mal deixamos para trás as suas cabanas vermelhas, damos com um parque de estacionamento improvisado.

“Bom, é aqui que vos deixo”, informa-nos. “O recinto fica mais para a frente. Divirtam-se!”.

Avançamos entre as centenas de veículos distribuídos sobre a superfície gelada do lago que se estende por 80 por 50 km, com cerca de 3.300 km de costa e abriga 3000 ilhas, algumas delas sagradas para os indígenas.

Ainda é cedo. O céu azul contrasta com o branco predominante e o sol dá o seu melhor mas, em pleno Inverno árctico, a temperatura ronda os -19º. Tendo em conta os registos dos dias anteriores e a ausência total de nuvens, não esperamos que o dia aqueça por aí além.

De acordo com a meteorologia, a pequena feira de bancas e rulotes que se instalou no recinto vende um pouco de tudo para o frio: enormes gorros de pele de animais ou lã, fatos coloridos,  meias, camuflados e armadilhas de caça, comida gorda e hiper-calórica ou o simples café preto a ferver.

Exploramos as bancas com uma curiosidade mediterrânica entre uma multidão crescente de finlandeses do norte, em grande parte sami, alguns nos seus trajes folclóricos, outros com roupas convencionais mas todos com peles, olhos e cabelos muito claros e bochechas ruborescidas. 

Atrás desta feira, encontramos a zona das renas. Agrupam-se, ali, dezenas de espécimes numerados, presos a uma floresta de postes que contornam assustados pela passagem dos humanos e inquietos com o seu destino.

A Porokuninkuusajot (Kings Cup) é a grande final, a prova do ano. Apesar da categoria superior do evento, dão-nos acesso permanente ao recinto dos animais, como a outros estrangeiros curiosos que os perscrutam com falsos olhares veterinários e tentam perceber os cuidados e procedimentos ministrados pelos jóqueis, donos e tratadores. 

Entretanto, a multidão dá origem a uma assistência respeitadora alinhada ao longo de uma corda baixa. Do lado oposto, ficam todos os intervenientes na competição. As renas são animais caprichosos e medrosos. Para que  o seu desempenho não possa ser prejudicado pelo público, não há quase ninguém para lá da projecção das linhas de partida e de chegada da longa pista, marcada em forma de U com simples paus espetados na neve.

A acção está prestes a começar. Os  jóqueis aquecem os músculos e tendões, assumem as suas posições nas boxes da estrutura de partida e ficam a aguardar os animais com que constituem equipa. São rapazes e raparigas, por lei, com mais de 15 anos e 60km (incluindo equipamento), por norma, os mais esguios, leves e aptos para aquele ofício das suas comunidades. Vemo-los, lado a lado, a contemplarem-se com rivalidade disfarçada ou a conversarem através da viseira aberta dos capacetes sofisticados.

Enquanto isso, os donos ou tratadores puxam as renas do estábulo e, com a colaboração dos jóqueis, tentam metê-las nos compartimentos respectivos, tarefa que dá origem a quedas e confusões hilariantes.

Encaixado sobre os pequenos currais vermelhos, apenas com o tronco a aparecer do seu topo, um juiz altivo e solitário supervisiona a regularidade dos acontecimentos a coberto de um enorme gorro peludo cinzento que só lhe deixa a descoberto parte da face e os óculos volumosos. Os competidores estão finalmente preparados. O juiz fiscaliza-os uma última vez e abre as portinholas que retêm as renas.

Estas, disparam como loucas para a pista e rebocam os jóqueis num equilíbrio frágil sobre esquis. Os participantes levantam uma nuvem de neve e somem-se em três tempos na distância. Desprovidos de binóculos, como o público, em geral, ficamos sem perceber o que se passa, até que os competidores mais rápidos vencem a parte curva do percurso e surgem a disputar a recta final. Entusiasma-se parte da multidão perante a iminência da vitória dos que apoiam. Os restantes, conformam-se com os maus desempenhos ou lamentam a sorte que não sorriu aos seus. Todos conhecem a humilhação das piores derrotas. Mesmo a rebocar os jóqueis, as renas atingem os 60 a 80 km/h. Correm muitas vezes encostadas umas às outras ou em trajectórias menos favoráveis. Causam a queda dos jóqueis menos preparados e fogem para a imensidão do lago Inarijarvi obrigando recuperadores sobre motas de neve a complexas perseguições para os trazerem de volta aos donos. Dependendo da distância para a linha de chegada e da sua disposição, os jóqueis podem regressar a pé ou à boleia. Cabe-lhes ainda a árdua missão de disfarçar a sua desilusão perante o público, a família e os rivais. Mas, dos fracos não reza a história. Concentremo-nos nos vencedores. Foi algo que, entretidos com os aspectos secundários mais fascinantes do evento, nem sempre conseguimos, demasiadas vezes perdidos da lógica do grande cronómetro instalado junto à linha de chegada e da classificação.

Tem lugar uma derradeira prova e o suspense aumenta. Quando termina, família, amigos e outros elementos da assistência cercam um homem de fato escuro e gorro branco e felicitam-no de forma efusiva com passou-bens e abraços prolongados. O vencedor é Länsman Anni. A sua rena Annintähti guiada pelo jóquei Uula Petteri Somby tinha percorrido 1 km em 1:17, 34 e os 2 km em 2:29,22.  Os resultados estavam algo distantes do recorde mundial de 1:13 segundos para os 1000 metros mas a conquista da Kings Cup vale mais que qualquer recorde e a época tinha terminado em glória para a cooperativa de Kaldoaivi, com vários participantes nos primeiros dez lugares.

Aos poucos, a multidão debanda. Destaca-se a figura de um proprietário de renas que veste uma combinação excêntrica de cabedal com pele felpuda de raposa, coroado por um gorro de que espreita a própria cabeça de um espécime juvenil daquele canídeo.

Fotografamos o homem e a raposa e ensaiamos um diálogo de ocasião mas, nestes confins setentrionais da Lapónia, só os mais jovens falam inglês e somos forçados a desistir.

Ainda assim, deixamos o nativo ainda mais orgulhoso do seu visual. Depois, continuamos a acompanhar o lento desarmar do evento até que o sol se some, o vento começa a soprar e a temperatura baixa de forma drástica. Não temos roupa nem calçado que nos aguente por muito mais tempo sobre aquele lago. Sem alternativas, seguimos os passos dos últimos resistentes em direcção à cabana salvadora e aconchegante da Inari Village. Na recepção, o dono e gerente recebe-nos admirado por voltarmos já quase de noite: ”Estou a ver que gostaram. É uma grande competição não é?” Por estes lados, toda a gente é louca pela Kings Cup e estão com muita sorte em aqui dormirem. Já vos tinha dito que temos todas as cabanas reservadas nos dias de corrida para os próximos 25 anos, certo? É só para ficarem com uma ideia mais concreta”.