Esconder Legenda
Mostrar Legenda
O atoleiro de Magalhães

O atoleiro de Magalhães

Homem e crianças procuram moluscos nas águas ao largo do santuário de Lapu Lapu.

Cebu, Filipinas

O Atoleiro de Magalhães

Tinham decorrido quase 19 meses de navegação pioneira e atribulada em redor do mundo quando o explorador português cometeu o erro da sua vida. Nas Filipinas, o carrasco Datu Lapu Lapu preserva honras de herói. Em Mactan, uma sua estátua bronzeada com visual de super-herói tribal sobrepõe-se ao mangal da tragédia.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


É precisamente na pequena Mactan que aterra quem hoje visita estas partes das Filipinas, encaixadas entre 7500 ilhas, no coração do arquipélago das Visayas. Ao contrário da ilha-mãe Cebu que acolhe a segunda maior cidade da nação, Mactan é tão plana quanto possível. Reclamou vastas áreas ao mar para receber uma zona industrial livre de impostos e algumas das maiores fábricas e projectos empresariais das Filipinas, cerca de metade, japoneses.

Cumprido o desembarque e as respectivas formalidades, encontramos muitos dos nativos a bordo de incontáveis triciclos, motorizados ou nem por isso, de jeepneys e também de transportes mais modernos. Outros tratam de pequenos negócios fixos de beira-estrada, cada vez mais orientados para o turismo galopante.

Só na base da sua geologia, a ilha se mantém a mesma de 1521 quando, proveniente do longínquo ocidente, Fernão de Magalhães e a sua frota pela primeira vez ali aportaram. António Lombardo Pigafetta era um italiano que se diz ter pago para fazer parte da tripulação. Contou-se entre os 18 homens a regressar a Sevilha no Victoria, quase um ano e meio depois. E foi um dos 90 que sobreviveram à aventura e voltaram à Europa por outros meios.  Muito do que se sabe da longa jornada em redor do mundo, foi por ele reportado.

Sabe-se, por exemplo, que a fome já grassava a bordo quando, após uma travessia quase em branco do oceano Pacífico, Fernão de Magalhães se tentou abastecer de víveres nas Marianas e em Guam. Contra o desejado, foram os indígenas que se abasteceram da sua frota. Segundo narrou Pigafetta “os nativos entraram no navio e roubaram tudo aquilo a que puderam deitar mão, incluindo o barco pequeno atado à popa do Vitoria. À conta disso, a tripulação baptizou aquelas ilhas de “Ilhas dos Ladrões”.

A 16 de Março, ainda com 150 homens da sua tripulação multinacional inicial de 270 homens (40 dos quais portugueses), a frota ancorou por fim na ilha de Homonhon. Foi detectada por Siagu de Mazaua, um rajá local com quem Magalhães, com recurso à tradução de Enrique - um servo malaio que havia recrutado em Malaca - trocou presentes e que acabou por o conduzir a Cebu. Ali, Humabon, um outro rajá, revelou-se amigável ao ponto de aceitar o baptismo com o nome de Carlos (em honra do rei espanhol), a oferta à sua esposa e rainha de uma figura do Menino Jesus e o Cristianismo como nova fé. Essa figura veio mais tarde a revelar-se crucial na conversão da maior parte da população filipina ao Cristianismo, um fenómeno ainda hoje único na Ásia. Está exposta na Basílica del Santo Niño da cidade de Cebu e foi benzida pelo Papa João Paulo II em 1990. Os filipinos chegam de todas as partes para a louvarem. É uma das principais atracções da ilha, a par da Cruz de Fernão de Magalhães que surge a uns poucos metros.

Em Mactan, o apelo é outro. Dezenas de resorts e operações ou pasquins simbióticos instalaram-se na franja litoral da pequena ilha, suficientemente distantes do seu âmago industrial. Em pouco tempo, despertaram o desejo de evasão e de paz e descanso dos trabalhadores de nações asiáticas vizinhas. Entre estes, os sul-coreanos conquistaram um óbvio predomínio. As ruas estão repletas de negócios com letreiros comerciais no seu alfabeto de proprietários tanto filipinos como coreanos. E as praias repletas de famílias de banhistas de Seul, Busan, Incheon etc etc, pálidos como a areia de coral.

Já Fernão de Magalhães, chegou às Filipinas incumbido de uma missão inequívoca e sem tempo a perder. A sua reputação em Portugal terá ficado manchada quando se viu acusado de negociar com os Mouros no Norte de África. Na sequência, o rei Manuel I recusou as suas insistentes propostas de liderar uma expedição com o fim de descobrir uma rota para as ilhas das especiarias navegando para oeste.

Frustrado, Magalhães mudou-se para Sevilha. Ali, propôs o mesmo projecto ao rei Carlos V, futuro Imperador do Sacro Império Romano-Germânico com o objectivo adicional de provar que as Molucas estariam fora da esfera portuguesa acordada no Tratado de Tordesilhas e que só os espanhóis delas poderiam obter proveitos. Uma vez chegado às Filipinas, apercebeu-se que tanto as ilhas que descobria como as Molucas se encontravam, na realidade, na esfera portuguesa.

Em Cebu, o rajá Humabon e Datu Zula, um seu aliado, terão persuadido Magalhães a matar o arquirrival Datu Lapu Lapu. Magalhães convenceu-se de que o converteria ao Cristianismo como fizera com os outros dois rajás. Lapu Lapu rejeitou as suas intenções. Provocou a ira de Magalhães que, por sua vez, desrespeitou as ordens de Carlos V de que não deveria desperdiçar tempo e energias em conflitos com nativos. Magalhães resolveu submeter Lapu Lapu pela força.

O lugar em que tudo se passou é um dos mais importantes das Filipinas. Apressamo-nos a visitá-lo, na companhia de um guia local resoluto que nos debita informações com um nível de pormenor surpreendente.

“Foi uma série infeliz de erros que Magalhães cometeu, não foi só um. Para começar, nunca pensou que fossem tantos os homens de Lapu Lapu. A ideia inicial teria sido intimidar os nativos com tiros de canhão mas o explorador foi surpreendido pela distância a partir do ponto em que o recife de coral impedia maior aproximação da Vitoria. Como se não bastasse, um mangal extenso separava-o de terra-firme, o mesmo mangal que veem à vossa frente.”

Para diante, uma floresta densa e verdejante de mangue impedia-nos de avistar o mar em que se havia detido a embarcação espanhola. A maré-cheia instalava-se. Alagava a base daquela vegetação anfíbia até ao limite do parque memorial de Punta Engaño.

Um canal ladeado por bangkas permitia-nos um vislumbre insuficiente para estabelecer uma ligação visual. Num outro, alguns nativos vasculhavam o leito em busca de moluscos e crustáceos. Bastaram uns instantes até que um deles apanhasse um polvo que exibiu, com orgulho, a nós e aos proprietários de um dos restaurantes instalados à beira d’água. Logo ao lado, visitantes filipinos percorriam passadiços elevados sob um grande outdoor garrido que promovia os atributos da cidade baptizada em honra chefe nativo: Lapu-Lapu: The Historic Resort City.

Tanto Magalhães como Lapu Lapu se eternizaram mas, no seguimento da batalha de Mactan, seria Lapu-Lapu a ditar a história.

Tal como narrou Pigafetta, Magalhães zarpou de Cebu com 60 homens protegidos por capacetes e coletes. Acompanhavam-no o recém-baptizado rei Humabon, o príncipe e alguns dos seus homens, a bordo de vinte e tal embarcações tradicionais. Chegaram a Mactan três horas antes da alvorada e anunciaram a Lapu Lapu que Magalhães não desejava lutar mas que deveria submeter-se ao rei de Espanha, reconhecer o rei Cristão como seu soberano e pagar tributo, caso contrário veriam como as lanças os feririam. Os nativos responderam que também tinham lanças. Ter-se-ão dado ao luxo de alertar que haviam escavado vários buracos repletos de estacas afiadas para que os invasores neles caíssem.

Apesar do aviso, mesmo com a água até às coxas, quarenta e nove homens fiéis a Magalhães investiram. Tiveram que assim caminhar, como descreveu Pigafetta, “durante dois voos de seta de besta”. Quando chegaram a terra, mais de 1500 guerreiros de Lapu Lapu organizados em três divisões carregaram sobre eles com gritos estridentes. Os mosqueteiros de Magalhães tinham-se atrasado. Os seus contínuos mas lentos disparos ficavam aquém dos nativos. Magalhães decidiu incendiar várias casas ribeirinhas dos inimigos o que só os enfureceu mais. Voltaram a atacar em grande número. Magalhães foi atingido na perna direita por uma seta envenenada. Os nativos passaram a disparar as suas setas apenas para as pernas desprotegidas dos europeus. Não tardaram a perceber a vulnerabilidade em que aqueles se encontravam, também ao alcance de incontáveis lanças e pedras. Vários deles cercaram Magalhães. O líder foi ferido num braço por uma lança. Um outro indígena feriu-lhe uma perna com uma kampilan, uma espécie de cimitarra então usada pelas tribos filipinas. Magalhães tombou por terra. Os guerreiros de Lapu Lapu continuaram a chacina-lo enquanto os soldados europeus e Pigafetta, desesperados, batiam de retirada para os pequenos barcos já a zarpar. Os rajás aliados – que não tinham participado na batalha por sugestão de Magalhães – limitaram-se a apreciar os acontecimentos da carraca fundeada ao longe.

Hoje, Lapu-Lapu mantém o estatuto retroactivo de primeiro herói nacional das Filipinas, considerado o primeiro filipino a resistir a ingerências estrangeiras, mesmo se, por essa altura, a nação filipina estava longe de existir.

Além da Cruz de Magalhães e da figura do Santo Niño, filipinos de todas as ilhas do país visitam o santuário de Lapu-Lapu. Fazem-se fotografar aos pés da sua estátua exuberante de bronze em que, munido de um escudo e de uma grande bolo (faca filipina) parece supervisionar do alto e para todo o sempre o mangal da sua glória.

O chefe indómito teve direito a uma outra estátua no parque Luneta, no centro de Manila, o mesmo parque onde José Rizal, um escritor e oftalmologista herói e mártir da resistência ao colonialismo hispânico foi executado pelos espanhóis e homenageado pelos filipinos com os seus próprios dois monumentos.

Todos os anos, a 27 de Abril, realiza-se mesmo em frente ao palco dos acontecimentos originais o Kadaugan sa Mactan, um festival que reencena a batalha de 1521.

Entre os nativos desta época, popularizou-se uma lenda: em vez de ter mais tarde morrido, Lapu Lapu ter-se-á transformado em pedra e guarda os mares de Mactan. Ainda hoje, os pescadores da ilha atiram moedas a uma rocha com o perfil de homem para obterem permissão para pescarem no território do chefe. Há menos tempo, formou-se outro mito urbano acerca da sua estátua que antes segurava uma besta. Três mayors da cidade de Lapu Lapu morreram de seguida vítimas de ataque cardíaco. Supersticioso, um dos seguintes preferiu não arriscar. Substituiu a besta pela espada actual.

Quanto a Magalhães, só a sua fama chegou aos dias de hoje. Ainda segundo Pigafetta, o rajá Humabon tentou comprar a devolução do seu corpo mutilado. Lapu Lapu voltou a recusar. Crê-se que o manteve como troféu de guerra.

A missão de Magalhães nunca foi cumprida mas quando, em 6 de Setembro de 1622, Sebastião del Cano substituiu o navegador português e comandou a Vitoria de volta a Sevilha fechou a primeira viagem de circum-navegação do mundo.

Apesar de as Filipinas também estarem na esfera portuguesa do Tratado de Tordesilhas, os espanhóis não perderam tempo a regressar e a colonizá-las.

Em jeito de lamento histórico, acrescentamos nós que caso D. Manuel I não tivesse Fernão de Magalhães em má conta ou, pelo menos, se não tivesse recusado o seu projecto, as Filipinas seriam muito provavelmente uma fabulosa herança colonial portuguesa.

 

Guias: Filipinas+