Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Mini-dinossauro

Mini-dinossauro

Uma iguana nas imediações do Templo do Vento de Tulum. A devastação provocada pelo meteorito de Chicxulub terá aniquilado todos os animais terrestres com mais de 25kg. Dos enormes dinoussauros predominantes, sobraram espécimes bem mais pequenos.

Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


(Puerto) Progreso é, por excelência, a estância balnear dos merideños, sobretudo em Julho-Agosto, quando o calor e a humidade apertam nestas partes tropicais das Américas e tornam a atmosfera sufocante. Durante o estivo, os lares e negócios da marginal que dá para o Golfo do México enchem-se de hóspedes temporários. Alguns desses lares são pequenas casas pouco elegantes, mas pitorescas que parecem apertar-se umas às outras para usufruírem do vaivém suave do mar. Outras, mais afastadas do centro da povoação, são vivendas sofisticadas e desafogadas que os norte-americanos erguem para lá se refugiarem da frigidez invernal.

Em época alta do turismo caribenho, enormes cruzeiros atracam junto ao pontão da povoação, o mais comprido do México, com uns módicos 6.5 km. Então, os gringos desembarcam e passeiam-se pelo malecon, antes e depois de subirem a bordo das vans e autocarros e de saírem disparados rumo a Mérida, a Chichen Itza e outros lugares históricos e naturais da Península de Iucatão. Com frequência, apesar de a água se manter todo o ano meio lamacenta, deparam-se com a beira-mar inundada de banhistas e convivas da região, uma multidão entregue a uma celebração solarenga, exótica e anfíbia da vida e do seu tempo livre.

Este é o quadro que pintamos da Progreso viva e caliente. A que encontramos numa manhã de Novembro quase a virar para Dezembro revela-se bem distinta. 

Depois de três dias de frente fria, o céu volta ao azulão bem mais comum nestas partes. O sol brilha, mas com poder comedido. Quando passamos para o lado de lá da frente de casas, o malecon está entregue aos Nortes, os ventos prevalentes e furiosos que sopram golfo abaixo, oriundos dos confins boreais da América. Também está deserto. O facto de não vermos vivalma incita-nos a debandar e a explorarmos outros recantos do cimo da península.

Durante toda a manhã, percorremos um domínio igualmente desolado do Iucatão. Roçamos uma circunferência da Terra em tempos de tal forma esventrada que a sua destruição deu origem a uma espécie de Inverno Global e à consequente extinção das espécies de maior porte, com destaque para os dinossauros (não voadores) que há muito dominavam o planeta.

A teoria do impacto de um meteorito com 15km de diâmetro, há cerca de 65 milhões de anos, ganhou aceitação entre os cientistas como a explicação mais premente para o súbito desaparecimento destes répteis pré-históricos.

Em 1978, Glen Penfield, um geofísico que pesquisava petróleo para a companhia mexicana PEMEX detetou uma cratera com cerca de 300km de diâmetro. Foi-lhe dado o nome de Chicxulub, uma povoação alguns quilómetros para sul de Progreso, de que nos aproximamos após admirarmos os bandos de flamingos nas águas salobras da Reserva Ecológica El Corchito e, para leste, na Laguna Rosada. A reserva antecede o porto de Chicxulub, uma espécie de extensão marinha do pueblo homónimo do interior, por sua vez, vizinho de Dzibilchaltún, um sítio arqueológico maia menor que aproveitamos para também espreitar.

No que diz respeito a El Corchito e à Laguna Rosada, percebemos, no mapa, que são apenas dois domínios da vasta área represada aquém da franja de costa quase insular que encerra o Iucatão. Tal fraqueza - ou falha geológica – revela-se apenas mais ampla e exposta que as que salpicam a península, incluindo os seus incontáveis cenotes, (dolinas profundas) e os rios subterrâneos que os abastecem e ligam. Este panorama de queijo-suíço é, afinal, a consequência geológica do fenómeno sideral que vitimou os dinossauros.

Estudos recentes levados a cabo no leito pouco profundo do Golfo do México permitiram concluir que o meteorito terá caído num dos lugares menos favoráveis à face da Terra. Se o impacto se tivesse dado algumas horas antes ou depois, o mais provável seria o meteorito ter atingido uma zona profunda de oceano Atlântico ou Pacífico e essa profundidade ter amortizado o impacto. À hora e no lugar em que se deu, o meteorito precipitou-se sobre um mar superficial, coberto de uma espécie de gesso mineral. A colisão foi devastadora. Abriu uma cratera na crosta terrestre com 100km de extensão e 30km de profundidade. Mais tarde, essa cratera abateu e aumentou para mais do dobro.

Hoje, a sua secção marinha (a quase totalidade) está coberta por seiscentos metros de sedimentos. A terrestre, por sua vez, ficou debaixo de uma camada de pedra calcária, como já vimos, salpicada de dolinas e fenómenos erosivos afins.

A explosão gerada pelo impacto do meteorito teve uma potência equivalente a dez biliões de bombas atómicas “Little Boy”, aquela que o B-52 “Enola Gay” largou sobre Hiroxima. Gerou tremores de terra e maremotos que varreram boa parte do planeta. Libertou enormes quantidades de rocha e enxofre vaporizados, bem como uma fuligem que combinava ainda partículas de outras substâncias.

Joanna Morgan, uma professora e cientista britânica que participou nas mais recentes investigações, afirma que terão sido projetadas 325 giga toneladas de enxofre, uma estimativa que afiança  conservadora.

Fosse qual fosse a quantidade, uma nuvem apocalíptica obscureceu a atmosfera. Barrou de tal maneira os raios solares que a temperatura desceu entre 8 e 17ºC e várias zonas sofreram secas catastróficas. No hemisfério norte, a mudança climática verificou-se de forma mais acentuada e duradoura que no sul. Isto, numa era em que o clima à face da Terra já esfriava havia algum tempo devido a uma intensificação da atividade vulcânica.

É crível que a pluviosidade tivesse arrastado de volta para o mar parte dessas partículas vaporizadas. Kunio Kahio, um reputado cientista japonês defende, todavia, que uma porção substancial ficou a circular na alta atmosfera.

Se voltarmos à faceta probabilística do impacto, veremos que, ao longo dos milénios, vários outros meteoritos de dimensões semelhantes se precipitaram sobre outras zonas da Terra: Chesaoeake Bay, nos E.U.A., Baviera, entre outras. Mas só uma superfície terrestre rara e excecional – carregada de hidrocarbonetos – como aquela em redor de Chicxulub, poderia originar uma alteração atmosférica e uma extinção em massa como a que se verificou.

Na Terra sufocada e frígida que o meteorito legou, a vegetação de porte significativo depressa sucumbiu. Sem alimento, possivelmente enregelados, seguiram-se os dinossauros e muitas outras espécies, crê-se que 75% de todos os animais ou pelo menos, todos os terrestres com mais de 25kg, se bem que, na sua maioria, os dinossauros-ave sobreviveram.

Na ressaca desta teoria, distintos cientistas descobriram áreas com dezenas de milhares de fragmentos de fósseis acumulados numa camada de sedimento com apenas dez centímetros. Ora, esta concentração de espécimes vitimados e enterrados no mesmo lugar só seria possível se causada por um evento fulminante e arrasador como o que causou a cratera de Chicxulub.

Esse evento aniquilou para sempre os dinossauros. Ao mesmo tempo, baralhou os dados da vida na Terra. De tal maneira que, à medida que a atmosfera se normalizou, a evolução das espécies recebeu um incremento que a levou à incrível diversidade há algum tempo verificada, e ao surgimento, à proliferação e a supremacia da espécie humana.

Também ali, à beira da cratera, nos legados geológicos do impacto, como nos que marcam o progresso antropológico do Homem, homens e mulheres nativos e forasteiros vivem e celebram a vida que, a crer nas teorias cada vez mais aceites, o meteorito catástrofe lhes terá concedido.

De Progreso, ziguezagueamos pelo território do Iucatão, primeiro pelo do estado mexicano homónimo, logo, pelo resto da península. À imagem de milhares de visitantes de outras partes longínquas do planeta atingido, deslumbramo-nos com as cidades que os Maias disseminaram neste que, após uma incrível epopeia migratória, se tornou o seu recanto na Terra.

Depois de Dzibilchaltún, exploramos o complexo cerimonial Chichen Itza e outros lugares, como a cidade amarela Izamal em que os vestígios e a herança maia e colonial hispânica convivem plaza a plaza, calle a calle.

Como é também de bom senso, descomprimimos de algum stresse turístico em vários dos SPAs aquáticos naturais que abundam nestas partes. À falta de condições balneares no litoral do Golfo do México, aventuramo-nos pelas profundezas do Rio Secreto (um rio subterrâneo) e banhamo-nos nas praias caribenhas perfeitas de Quintana Roo, o mais recente dos estados da Península; também na de Tulum que é coroada por um dos raros conjuntos arquitetónicos maias erguidos quase sobre o Mar das Caraíbas. Noutro périplo iucateca, regressamos ao interior de Mérida, à descoberta de uma fazenda enequera secular, em tempos produtora de catos usados para fibra de vestuário e outros usos.

A Hacienda Chunkanan vem do tempo do presidente mexicano Porfírio Dias que, segundo nos narra o guia residente, a ofereceu, em 1937, a camponeses da zona para que dela retirassem o seu ganha-pão. Assim sucedeu até que, em 2002, num contexto em que a matéria-prima se tinha já desvalorizado, um tal de furação Isidoro a arrasou. Desde então, a recuperação das infraestruturas e da produção continua a ser adiada. À falta de melhor, os camponeses aproveitam o que sobreviveu ao ciclone e o que lhes deixou o meteorito de Chicxulub.

“Instalem-se à vontade, vamos ter dez minutos de viagem.” instrui-nos Jesus Pech Arjona, o condutor da carruagem que apanhamos. Confrontados com o crescente interesse dos forasteiros nas fazendas históricas e nas dolinas mais impressionantes do Iucatão, os trabalhadores nativos deram uso ao sistema ferroviário básico da propriedade. De acordo, um cavalo pachorrento reboca-nos e à pequena carruagem, ao longo de um corredor limpo da vegetação tropical. Dez minutos depois, desembarcamos. “Estão a ver aquele sinal ao pé das escadas? A entrada é por ali!“

Avançamos e espreitamos a abertura em que estavam metidas as escadas. Lá em baixo, levemente iluminado pela luz do sol a pique, exibia-se o cenote de Cuzamá, uma dolina profunda e ampla, dotada de uma piscina de água esmeralda translúcida. Vestimos os trajes de banho, descemos a escadaria e juntamo-nos a quatro ou cinco outros banhistas que já desfrutavam da lagoa inusitada. Chapinhamos, nadamos, investigamos o estranho fundo da gruta inundada. E ficamos minutos a fio a boiar, a pensar apenas na ironia de o mesmo meteorito furioso que aniquilou os dinossauros, nos ter validado a nós e ao delicioso capricho geológico em que nos sentíamos renovar.

Guias: México+