Esconder Legenda
Mostrar Legenda
Luzes aussies da Ribalta

Luzes aussies da Ribalta

Anoitecer faz sobressair do horizonte os arranha-céus do Central Business District de Perth.

Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.


Marco C. Pereira (texto)
e Marco C. Pereira-Sara Wong (fotos)


Encontramos em Perth um ambiente veraneante acolhedor semelhante ao que tanto admiramos em Portugal e acabamos por ali ficar quase um mês, no total de uma longa viagem de um ano pelo mundo. Nesse período, fizemos parte de várias vidas.

Mike Roache tinha-se mudado de Sydney atrás de um trabalho mais bem remunerado a angariar financiamentos para projectos de ONGs. Acabado de chegar, não conhecia ninguém e precisava de companhia.

Encontrámos no casal Merlin Eden e Ditte Strebel um verdadeiro mistério conjugal da cidade. Os pais de Merlin eram de Denmark e viviam nesta povoação da costa sul da Austrália Ocidental que abrigava sobretudo ex-hippies e outras almas marginais. Sempre nos custou a acreditar na coincidência mas, tal como nos foi contada a história, Merlin viajou numas férias com os pais à Dinamarca e lá conheceu a dinamarquesa Ditte que enfeitiçou com facilidade. Esta, resolveu mudar-se para a Austrália para ali viver com o noivo. Compraram uma pequena casa num dos bairros de sonho de Perth, Mount Lawley, no meio de vivendas com jardins, organizadas entre árvores frondosas. Merlin passava o tempo no escritório entregue aos seus projectos de animação multimédia.  Só, na maior parte do dia, Ditte, procurava ainda emprego à altura das qualificações.

Todas estas personagens tinham acabado de chegar. Todos elas acabaram por ultrapassar as dificuldades iniciais de adaptação e partilhariam, em breve, o famoso acolhimento de Perth com milhões de outros concidadãos recém-migrados.

Mesmo se alguns dos descendentes dos colonos pioneiros continuam a discordar da abertura excessiva da nação aussie, a determinada altura, a localização remota da grande ilha e o vasto domínio desértico do interior foram fortes motivos para que as autoridades tivessem que resolver a óbvia estagnação da população.

Mais de dois séculos após o início da colonização britânica, o sexto maior país do mundo tem, agora, pouco mais dobro dos habitantes de Portugal (23.400.000), o 110º país, em termos de área. Estes números, considerados apenas aceitáveis, só foram possíveis pela admissão intensiva de emigrantes com diferentes origens. Perth, em particular, cedo tomou consciência do seu retiro forçado no Sudoeste australiano.

A capital da Austrália Ocidental dista menos de Timor, de Singapura ou de Jacarta do que de Melbourne ou Sydney. A cidade digna desse nome mais próxima, Adelaide, fica a uns módicos 2104km. Não espanta, portanto, que Perth tivesse que atrair moradores.

Terminada a 2a Guerra Mundial, afluíram vagas oriundas de dezenas de nacionalidade europeias em busca de uma nova vida austral. Recentemente, o espectro alargou-se. Uma nova invasão asiática consolidou-se à medida que se foram instalando imigrantes e estudantes temporários do Médio Oriente e de países como a Coreia do Sul, a China, o Japão, a Índia, o Vietname, as Filipinas, a Tailândia, Malásia, Singapura, a Indonésia, entre outros e até alguns países africanos – com destaque para a África do Sul, a Somália e o Sudão – estão, hoje, condignamente representados entre os 1.6 milhões de pessoas que fazem de Perth a quarta maior cidade da Austrália.

Durante uma viagem de comboio de Mount Lawley em direcção ao centro ou num curto passeio pelas suas ruas, detectamos inúmeros visuais exóticos e díspares e a mesma quantidade de dialectos. Entre os turbantes, saris, olhos rasgados e peles tão ou mais negras que a dos marginalizados aborígenes Noongar – que antes da chegada dos europeus eram senhores da região - ou à mesa dos inúmeros restaurantes étnicos, comprova-se facilmente a complexidade genética deste melting pot mas também as vantagens com que a cidade o prenda.

No Verão meridional, ao bom estilo Mediterrânico, o sol aquece todos os dias o Sudoeste australiano. E, apesar do Freemantle Doctor soprar quase sempre forte, as temperaturas máximas passam, com frequência, os 35º.

Vindos de fora, não tardamos a perceber a importância do calor e do lazer e constatamos que a cidade é uma espécie de milagre da economia de que também Mike e Ditte estavam determinados a fazer parte.

Todos os anos, o seu PIB cresce bastante mais que a média nacional mas Perth dá escassos sinais de empenho. É verdade que os arranha-céus espelhados do CDB (Central Business District) se elevam bem acima da mancha de casario térreo predominante mas, no geral, a população parece mais preocupada em descontrair e divertir-se do que propriamente em produzir e facturar. Como acontece noutras partes da Austrália, as lojas e serviços não abrem antes das nove da manhã. No entanto, por volta das quatro e meia, os empregados já estão concentrados em assegurar um fecho pontual, nem que para isso interrompam as refeições dos clientes, como nos fizeram mais do que uma vez: “Sorry mate, it’s time to go surfin’.

A partir do fim da tarde, as zonas de lojas e serviços ficam desertas, com excepção para uns tantos refúgios lúdicos em que, à laia de festejo pela recente debandada dos empregos, executivos desleixados fazem colidir incontáveis canecas de cerveja. Mantêm-se abertos os bares e os restaurantes do centro e da longa Esplanade, estes, com vista para as águas azuladas do rio Swan e para os iates e lanchas em que os herdeiros, empresários e especuladores mais felizardos exploram a costa australiana do Índico.

Ainda antes do convívio obrigatório, alguns moradores têm por hábito passar uma ou duas horas pelas praias mas próximas ou simplesmente praticar desporto. As margens do Swan tornam-se uma autêntica pista partilhada por ciclistas, joggers e patinadores. Logo ao lado, a Jacob Ladder (escadaria que atalha caminho para as alturas do Kings Park) é o desafio eleito pelos mais radicais, incluindo a sempre em forma Ditte.

Quando a percorremos, em plena hora de ponta de jogging e tal como outros utilizadores convencionais, temos dificuldade em chegar ao topo tal é a quantidade de masoquistas que a sobem e descem até à exaustão. Os relvados e as varandas panorâmicas do Kings Park são, para muitos, a recompensa que substitui o céu bíblico de Jacob.

Com ou sem contributo do desporto, é o bem-estar genérico da população, em simbiose com a saúde financeira da cidade, que faz com que a revista The Economist coloque Perth, ano após o ano, no Top Five mundial da qualidade de vida urbana, algo que também contribui para que volte a seduzir milhares de novos potenciais imigrantes. A Austrália e a remota Perth, têm-se inclusivamente dado ao luxo de os seleccionar com critérios exigentes.